SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número3Tratamento minimamente invasivo dos abcessos tubo-ováricosMétodo mecânico de indução do parto em gestantes de alto risco com cesariana anterior índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

versão impressa ISSN 0100-7203

Resumo

KLUTHCOVSKY, Ana Claudia Garabeli Cavalli  e  URBANETZ, Almir Antonio. Fadiga e qualidade de vida em pacientes sobreviventes de câncer de mama: um estudo comparativo. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2015, vol.37, n.3, pp.119-126. ISSN 0100-7203.  https://doi.org/10.1590/SO100-720320150005247.

OBJETIVO:

Avaliar a fadiga e a qualidade de vida de sobreviventes de câncer de mama, livres da doença, em relação a uma amostra de mulheres da mesma idade, sem histórico de câncer, e explorar a relação entre fadiga e qualidade de vida.

MÉTODOS:

Estudo transversal realizado com uma amostra consecutiva de 202 pacientes brasileiras, sobreviventes de câncer de mama e livres da doença, que haviam completado o tratamento em 2 grandes hospitais. As pacientes foram comparadas com mulheres da mesma idade, sem história de câncer, acompanhadas em uma Unidade Básica de Saúde. A Escala de Fadiga de Piper-Revisada e o World Health Organization Quality of Life Instrument(WHOQOL-BREF) foram usados para avaliar a fadiga e a qualidade de vida, respectivamente. Dados sociodemográficos e clínicos também foram obtidos. O teste do χ2, modelo linear generalizado e coeficiente de correlação de Spearman foram utilizados para fins estatísticos. Foi adotado o nível de significância de 5%.

RESULTADOS:

As sobreviventes de câncer de mama apresentaram significativamente maiores escores de fadiga total e das subescalas do que o grupo controle (todos os valores de p<0,05). Além disso, as sobreviventes relataram pior qualidade de vida nos domínios físico (p=0,002), psicológico (p=0,03) e relações sociais (p=0,03) do que o grupo controle. Nenhuma diferença foi encontrada para o domínio ambiental (p=0,08) entre os 2 grupos. Para as sobreviventes de câncer de mama e para o grupo controle, os escores de fadiga total e das subescalas estavam relacionados à baixa qualidade de vida (todos os valores de p<0,01).

CONCLUSÃO:

Os resultados deste estudo destacam a importância de avaliar a fadiga e a qualidade de vida em pacientes sobreviventes de câncer de mama.

Palavras-chave : Neoplasias da mama; Sobreviventes; Fadiga; Qualidade de vida.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )