SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 issue11Retrospective study of radiographic changes in athletic bulls with orthopedic disordersSerological response against bovine herpesvirus and bovine viral diarrhea virus induced by commercial vaccines in Holstein heifers author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Pesquisa Veterinária Brasileira

Print version ISSN 0100-736XOn-line version ISSN 1678-5150

Abstract

SAVARIS, Thaiza et al. Intoxicação experimental pelas sementes de Crotalaria lanceolata E. Mey. e Crotalaria pallida Aiton. em frangos de corte. Pesq. Vet. Bras. [online]. 2019, vol.39, n.11, pp.863-869.  Epub Dec 02, 2019. ISSN 1678-5150.  http://dx.doi.org/10.1590/1678-5150-pvb-6271.

Crotalaria lanceolata E. Mey. e Crotalaria pallida Aiton. são leguminosas da família Fabaceae presentes na maioria do território brasileiro. Inicialmente foram utilizadas como adubação verde e devido sua fácil disseminação são consideradas invasoras de culturas. Através da colheita mecanizada da soja e milho pode ocorrer a contaminação destes grãos com sementes dessas espécies e entrar na formulação de ração para animais de produção. O gênero Crotalaria spp. possui alcaloides pirrolizidínicos de ação tóxica. A maioria das espécies desse gênero causam lesões hepáticas, com evolução aguda, ou, crônica. Frangos de corte de um dia de vida foram divididos em três grupos: Grupo A (sementes de C. pallida - doses diárias de 0,4%, 0,8%, 2,5% e doses únicas de 15% e 25%), Grupo B (sementes de C. lanceolata - doses diárias de 0,4%, 0,8%, 2,5% e doses únicas de 15% e 25%) e Grupo C (Controle). Os Grupos A e B foram divididos em cinco subgrupos, com oito frangos cada, que a partir do sétimo dia de vida, receberam as doses estabelecidas. Quatro frangos de cada grupo foram sacrificados aos 28 dias, e os quatro restantes aos 42 dias de vida. Também foram conduzidos experimentos com as sementes dessas duas plantas com aves de 28 dias, as quais foram divididas em três grupos: Grupo D (C. pallida - doses de 1% e 2% diariamente, durante vinte dias), Grupo E (C. lanceolata - doses de 1% e 2% diariamente, durante vinte dias) e Grupo F (Controle). Cada grupo composto por quatro aves. Estas aves foram sacrificadas ao completarem 80 dias de vida. Sementes de C. lanceolata demonstraram maior toxicidade para frangos de corte do que sementes de C. pallida. Os sinais clínicos foram inapetência, penas arrepiadas e diarreia acastanhada. Na macroscopia observou-se edema subcutâneo, ascite, hidropericárdio, fígado de coloração amarelada com hipertrofia e, ou, atrofia, evidenciação do padrão lobular e vesícula biliar distendida. As lesões histológicas presentes em todas as aves, em diferentes graus caracterizaram-se por tumefação e degeneração vacuolar de hepatócitos. Nas aves que manifestaram alterações clínicas e lesões macroscópicas, havia megalocitose, cariomegalia, hiperplasia do epitélio biliar, leve, esferoides eosinofílicos e invaginação nuclear com perda da arquitetura dos cordões de hepatócitos.

Keywords : Intoxicação experimental; Crotalaria lanceolata E. Mey.; Crotalaria pallida Aiton.; Fabaceae; plantas hepatotóxicas; alcaloides pirrolizidínicos; intoxicação por Crotalaria sp.; frangos de corte; toxicoses.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )