SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número51Germano F.E. Melchert, médico e político: trajetória pública de um imigrante alemão no Brasil da Primeira RepúblicaA Reforma Pedreira na Academia de Belas Artes (1854-1857) e a constituição do espaço social do artista índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos CEDES

versão impressa ISSN 0101-3262versão On-line ISSN 1678-7110

Resumo

AUGUSTI, Valéria. O caráter pedagógico-moral do romance moderno. Cad. CEDES [online]. 2000, vol.20, n.51, pp.89-102. ISSN 1678-7110.  https://doi.org/10.1590/S0101-32622000000200007.

O romance moderno surge no século XVIII e, com ele, uma polêmica em torno dos efeitos que sua leitura poderia provocar. Desacostumados com a representação literária de situações e personagens comuns, os leitores acreditavam na veracidade de tais narrativas. Tal crença, que possibilitava uma fácil identificação dos leitores com os personagens, causava ao mesmo tempo temor e admiração. Os moralistas condenavam o gênero, pois acreditavam que ele apresentava modelos de conduta viciosos, capazes de desestruturar a ordem vigente. Entretanto, alguns leitores ilustres afirmavam que apenas o romance seria capaz de fazer com que o leitor aceitasse os sacrifícios que a leitura requeria. Havia, portanto, um consenso sobre a capacidade de o romance servir de modelo de conduta. Essa concepção, ainda no século XIX, quando surgiram as primeiras manifestações nacionais do gênero, está presente no discurso da crítica literária brasileira.

Palavras-chave : Romance moderno; literatura prescritiva; guia de conduta; Brasil; Joaquim Manoel de Macedo.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons