SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número1Nutrição mineral da fava d'antaViabilidade agronômica do consórcio de alface e rúcula, em duas épocas de cultivo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536versão On-line ISSN 1806-9991

Resumo

OLIVEIRA, Ademar Pereira de et al. Rendimento de feijão-vagem em função de doses de K2O. Hortic. Bras. [online]. 2007, vol.25, n.1, pp.29-33. ISSN 1806-9991.  https://doi.org/10.1590/S0102-05362007000100007.

Avaliou-se o efeito de doses crescentes de K2O sobre o rendimento de vagens do feijão-vagem em um experimento na UFPB, em Areia (PB), em um NEOSSOLO REGOLÍTICO Psamítico Típico. O delineamento experimental empregado foi de blocos casualizados, com seis tratamentos (0; 50; 100; 150; 200 e 250 kg ha-1 de K2O), em quatro repetições. Cada parcela continha 60 plantas espaçadas em 1,0 m x 0,2 m. O número máximo de vagens por planta (20 vagens) e a máxima produção por planta (171 g) foram obtidos, respectivamente, com 145 e 173 kg ha-1 de K2O, e a produtividade de vagens, atingiu valor máximo estimado de 25,3 t ha-1 na dose de 171 kg ha-1 de K2O. A dose mais econômica de K2O para a produtividade de vagens foi de 165 kg ha-1. A dose econômica representou 96% daquela responsável pela máxima produtividade de vagens. As doses de K2O com as quais obtiveram-se a máxima produtividade de vagens e máximo retorno econômico, se correlacionaram, respectivamente, com 181 e 176 mg dm-3 de K disponível pelo extrator de Mehlich1.

Palavras-chave : Phaseolus vulgris L; nutrição mineral; produção; retorno econômico; adubação potássica.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons