SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número1Avaliação angiográfica tardia do enxerto de artéria radial na cirurgia de revascularização do miocárdioEndarterectomia de artérias coronárias: técnicas e resultados em estudo com grupo controle índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery

versão impressa ISSN 0102-7638versão On-line ISSN 1678-9741

Resumo

ASSAD, Renato S. et al. Novo eletrodo para implante de marcapasso em fetos com bloqueio atrioventricular total. Rev Bras Cir Cardiovasc [online]. 2003, vol.18, n.1, pp.40-44. ISSN 1678-9741.  https://doi.org/10.1590/S0102-76382003000100009.

OBJETIVO: O bloqueio atrioventricular total (BAVT) fetal apresenta mau prognóstico quando associado à hidropsia. O implante de marcapasso no feto a céu aberto pode desencadear o trabalho de parto prematuro e suas conseqüências. Por isso, desenvolvemos um novo eletrodo para implante de marcapasso em fetos, que evitaria a operação intra-uterina a céu aberto. MÉTODO: Um novo eletrodo em formato de "T" foi implantado no miocárdio de um feto com 25 semanas de gestação, BAVT (FC= 47 bpm), hidropsia e cardiopatia congênita associada. O procedimento foi realizado com ajuda de ultra-som, sendo o eletrodo veiculado através da ponta de uma agulha 18-G. Após o implante, o eletrodo foi conectado ao analisador de pulsos para avaliação dos limiares e, posteriormente, ao gerador de pulsos Biotronik Actros. RESULTADOS: A resistência foi de 357 W e a onda R foi de 6,4 mV. A curva do limiar de estimulação permaneceu relativamente constante para larguras de pulso acima de 0,6 mseg. O ecocardiograma no 1º P.O. revelou derrame pericárdico discreto. A freqüência cardíaca fetal permaneceu estável, com baixos limiares de estimulação e sem perda de comando. Não foram observadas contrações uterinas durante o pós-operatório. Entretanto, o feto foi a óbito 36 horas após o procedimento, provavelmente por tamponamento cardíaco. CONCLUSÕES: Este caso representa a primeira documentação de limiares agudos de estimulação de um feto humano que sobreviveu 36 horas ao implante de marcapasso intra-uterino. Este caso enfatiza que o implante de marcapasso fetal percutâneo é factível e pode minimizar as chances de trabalho de parto prematuro.

Palavras-chave : Procedimentos cirúrgicos cardíacos; Bloqueio cardíaco [cirurgia]; Marcapasso artificial; Hidropsia fetal.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons