SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 número3Benefício do uso de recuperadores de hemácias em cirurgias cardiovascularesIntervenções cardíacas fetais: atualização de opções terapêuticas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery

versão impressa ISSN 0102-7638

Resumo

PRIETO, David et al. Resultados do transplante cardíaco no paciente urgente - quem deve ser transplantado?. Rev Bras Cir Cardiovasc [online]. 2014, vol.29, n.3, pp.379-387. ISSN 0102-7638.  https://doi.org/10.5935/1678-9741.20140072.

Objetivo:

Avaliar os resultados imediatos e de longo prazo do transplante cardíaco em dois níveis diferentes de urgência.

Métodos:

De novembro de 2003 a dezembro de 2012, 228 pacientes foram submetidos a transplante cardíaco. Crianças e os pacientes em choque cardiogênico foram excluídos do estudo. Do grupo final (n=212), 58 pacientes (27%) estavam hospitalizados e em suporte inotrópico (Grupo A), enquanto 154 (73%) aguardavam transplante em casa (Grupo B). Os pacientes do Grupo A eram mais jovens (52,0±11,3 vs. 55,2±10,4 anos, P=0,050) e tinham menor tempo de espera (29,4±43,8 vs. 48,8±45,2 dias, P=0,006). Não foram encontradas diferenças entre os sexos ou outras comorbidades. Níveis de hemoglobina foram menores e de creatinina superiores no Grupo A. As características dos doadores foram semelhantes. O acompanhamento foi de 4,5±2,7 anos.

Resultados:

Não foram observadas diferenças no tempo de isquemia (89,1 ± 37,0 vs. 91,5 ± 34,5 min, P=0,660) ou no suporte inotrópico (13,8% vs. 11,0%, P=0,579), nem na incidência de rejeição celular ou humoral e de vasculopatia do enxerto. Incidência de diabetes de novo no início do primeiro ano foi um pouco maior no Grupo A (15,5% vs. 11,7%, P=0,456), e esses pacientes apresentaram maior risco de infecção grave (22,4% vs. 12,3%, P=0,068). A mortalidade hospitalar foi semelhante (3,4% vs. 4,5%, P=0,724), bem como a sobrevida a longo prazo (7,8±0,5 vs. 7,4±0,3 anos).

Conclusões:

Os resultados obtidos em pacientes hospitalizados em suporte inotrópico foram semelhantes aos de pacientes que aguardam o transplante em casa. Alocação de doadores para o primeiro grupo não parece comprometer o benefício do transplante. Esses resultados podem não ser estendidos aos pacientes mais críticos.

Palavras-chave : Transplante de Coração; Cirurgia Torácica; Complicações Pós-Operatórias; Sobrevida.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )