SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 número2Duração do aleitamento materno em prematuros acompanhados em serviço de referência secundárioIncidência de infecções comunitárias de vias aéreas inferiores em crianças índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Paulista de Pediatria

versão impressa ISSN 0103-0582versão On-line ISSN 1984-0462

Resumo

CAMPOS, Samara Bomfim Gomes et al. Déficit estatural em crianças do povo Karapotó, São Sebastião, Alagoas, Brasil. Rev. paul. pediatr. [online]. 2016, vol.34, n.2, pp.197-203. ISSN 1984-0462.  https://doi.org/10.1016/j.rppede.2016.02.006.

Objetivo:

Descrever a prevalência do déficit estatural entre crianças da povo karapotó.

Métodos:

Estudo transversal, de base populacional, incluiu crianças entre seis e 59 meses da aldeia Plak-Ô e do povoado Terra Nova, São Sebastião (AL), feito entre 2008 e 2009. O déficit estatural foi avaliado pelo índice estatura/idade, adotou-se como ponto de corte escore z≤−2. A prevalência de déficit estatural foi determinada pela comparação das frequências simples e relativas. As curvas de crescimento da população foram comparadas com as curvas de referência da OMS. A análise dos dados contemplou a variável de desfecho estatura/idade e as variáveis preditoras local de moradia, sexo, idade, anemia, peso ao nascer, renda familiar, alfabetização materna. Para comparação das variáveis categóricas dos grupos foi usado o teste do qui-quadrado e o teste do qui-quadrado com correção de Yates para as variáveis dicotômicas, consideraram-se como significância estatística p-valores≤0,05.

Resultados:

A prevalência de déficit estatural foi de 15,6% para as crianças do povoado Terra-Nova e 9,1% para as da aldeia Plak-Ô. A prevalência de déficit estatural da povo karapotó foi de 13,4%. As variáveis: alfabetização materna, renda familiar e baixo peso ao nascer se relacionaram estatisticamente com o déficit estatural.

Conclusões:

As prevalências de déficit estatural verificadas são expressivas, são caracterizadas como problema de saúde pública. Destacam-se, entre os fatores associados, condições desfavoráveis de alfabetização materna, renda familiar e baixo peso ao nascer. O planejamento de estratégias para mudar a situação precisa levar tais fatores em consideração.

Palavras-chave : População indígena; Estado nutricional; Antropometria; Desnutrição.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )