SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38A UTILIZAÇÃO DE MÍDIAS INTERATIVAS POR CRIANÇAS NA PRIMEIRA INFÂNCIA - UM ESTUDO EPIDEMIOLÓGICODOR NEONATAL: CARACTERIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Paulista de Pediatria

versão impressa ISSN 0103-0582versão On-line ISSN 1984-0462

Resumo

SANTOS, Natália Fernandes dos et al. EXCESSO DE PESO EM ADOLESCENTES: INSEGURANÇA ALIMENTAR E MULTIFATORIALIDADE NO CENÁRIO DO SEMIÁRIDO DE PERNAMBUCO. Rev. paul. pediatr. [online]. 2020, vol.38, e2018177.  Epub 25-Nov-2019. ISSN 1984-0462.  https://doi.org/10.1590/1984-0462/2020/38/2018177.

Objetivo:

Investigar o excesso de peso em adolescentes do Sertão e Agreste de Pernambuco, considerando a multifatoriedade dos determinantes do excesso de peso e as condições de insegurança alimentar e nutricional da região.

Métodos:

Estudo transversal, de base populacional, realizado no período de setembro a outubro de 2015. O estado nutricional dos adolescentes foi avaliado pelo índice de massa corpórea (IMC) e classificado pelo indicador IMC/idade, segundo o sexo. Para analisar os fatores associados ao excesso de peso, as variáveis foram agrupadas em: socioeconômicas, demográficas, ambientais, de estilo de vida, psicológicas, biológicas e segurança alimentar e nutricional. A regressão de Poisson foi utilizada para verificar a associação entre o excesso de peso e as variáveis independentes.

Resultados:

A prevalência de excesso de peso encontrada foi de 20,1%, sendo 13,4% de sobrepeso e 6,7% de obesidade. Após o ajuste para as variáveis de confusão, as variáveis regime de ocupação (casa cedida, alugada), consumo de álcool, segurança alimentar, insegurança alimentar leve, percepção corporal (sobrepeso e obesidade) e faixa etária (10 a 14 anos) mostraram-se associadas ao excesso de peso. Destaca-se a elevada insegurança alimentar e nutricional, em 80,4% da população, sendo as formas moderadas e graves as mais frequentes, como também as precárias condições sociais ainda prevalentes na região.

Conclusões:

A prevalência de excesso de peso foi elevada, superando o esperado para uma população com melhores condições de vida. Os determinantes do excesso de peso foram: consumo de álcool, regime de ocupação, autopercepção do peso, faixa etária e segurança alimentar/insegurança alimentar leve.

Palavras-chave : Adolescente; Sobrepeso; Obesidade; Segurança alimentar; Fatores socioeconômicos; Estudos transversais.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )