SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38EXCESSO DE PESO EM ADOLESCENTES: INSEGURANÇA ALIMENTAR E MULTIFATORIALIDADE NO CENÁRIO DO SEMIÁRIDO DE PERNAMBUCOINTERNAÇÕES HOSPITALARES DE ADOLESCENTES EM SERGIPE, DE 2002 A 2012 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Paulista de Pediatria

versão impressa ISSN 0103-0582versão On-line ISSN 1984-0462

Resumo

GIMENEZ, Isabelle Leandro et al. DOR NEONATAL: CARACTERIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL. Rev. paul. pediatr. [online]. 2020, vol.38, e2018178.  Epub 25-Nov-2019. ISSN 1984-0462.  http://dx.doi.org/10.1590/1984-0462/2020/38/2018178.

Objetivo:

Descrever a percepção dos fisioterapeutas de unidades neonatais sobre a dor, a utilização de escalas de mensuração e estratégias que a minimizem.

Métodos:

Entrevistas foram realizadas com chefes ou rotinas de fisioterapia em hospitais com unidades neonatais entre 2013 e 2015, no Rio de Janeiro. As perguntas versaram sobre o conhecimento da sensação dolorosa, desde seu reconhecimento até seu cuidado ou tratamento. Foi realizada a descrição dos resultados, comparando-se os dados dos hospitais públicos com os privados (teste exato de Fisher), considerando-se p<0,05 como significante.

Resultados:

Vinte e sete hospitais foram visitados. Todos os profissionais entrevistados (n=27) afirmaram que os recém-nascidos sentem dor, sendo a expressão facial o sinal de dor mais conhecido. Do total de fisioterapeutas entrevistados, 26% acreditam que os neonatos sentem dor na mesma magnitude que o adulto. Entre as escalas, a Neonatal Infant Pain Scale (NIPS) era a mais conhecida, e apenas 37% das unidades possuíam protocolos de avaliação da dor na rotina. As coletas e as punções foram os procedimentos mais mencionados como causa de dor, e não houve diferença entre os hospitais públicos e privados.

Conclusões:

Constatou-se uma lacuna no conhecimento sobre dor neonatal e como avaliá-la entre os fisioterapeutas participantes, com ausência de sistematização de rotinas assistenciais que envolvam essa aferição.

Palavras-chave : Dor; Mensuração da dor; Recém-nascido prematuro; Fisioterapia; Terapia intensiva neonatal.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )