SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.58 número1O Índice de Condições de Vida (ICV) em Territórios Rurais do Nordeste: evidências para os territórios Açu-Mossoró e Sertão do Apodi, no Rio Grande do NortePor mares revoltos: a mediação política do Conselho Pastoral dos Pescadores (1968-2018) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Economia e Sociologia Rural

versão impressa ISSN 0103-2003versão On-line ISSN 1806-9479

Resumo

OLIVEIRA, Paulo Ricardo Silva; SILVEIRA, José Maria Ferreira Jardim da; MAGALHAES, Marcelo Marques de  e  SOUZA, Roney Fraga. Comércio Internacional de OGMs: Os importadores pagaram prêmios pela soja brasileira?. Rev. Econ. Sociol. Rural [online]. 2020, vol.58, n.1, e167573.  Epub 30-Abr-2020. ISSN 1806-9479.  https://doi.org/10.1590/1806-9479.2020.167573.

A inserção dos Organismos Geneticamente Modificados (OGM) nas redes globais de comércio, em 1996, e a rejeição de demanda em alguns mercados importantes levaram à significativa reorganização do comércio mundial de soja. O Brasil adotou a tecnologia relativamente mais tarde, de forma que se especializou na oferta de soja convencional entre 1996 e 2005. Por outro lado, os Estados Unidos e a Argentina adotaram a tecnologia em 1996, e passaram a exportar, sobretudo, para destinos com menor aversão à tecnologia. O objetivo deste artigo é explorar as relações entre a adoção da tecnologia das sementes geneticamente modificadas e as mudanças nos mercados globais (preços, origens e destinos e parcelas de mercado), buscando, sobretudo, verificar a existência de preços diferenciados para a soja brasileira, a partir da análise dos valores unitários de comércio. Para tanto, foram utilizados métodos de análise multivariada (análise de componente principal e de agrupamento) e estimou-se um modelo de efeitos aleatórios a partir de uma base de dados de comércio de 1986 a 2010. Os resultados reforçam que a tecnologia altera o padrão de comércio, mas diferenciais de preço para a soja brasileira são verificados apenas em mercados de nicho, em que a parcela de mercado do Brasil é relativamente menor.

Palavras-chave : comércio de transgênicos; rejeição de mercado; diferencial de preços; inovação tecnológica e comércio.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )