SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 número1Baianos e paulistas: duas "escolas" de relações raciais?Tempo controverso: Gilberto Freyre e o Projeto UNESCO índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Tempo Social

versão impressa ISSN 0103-2070

Resumo

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Preconceito de marca etnografia e relações raciais. Tempo soc. [online]. 1999, vol.11, n.1, pp.97-110. ISSN 0103-2070.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20701999000100005.

Este artigo analisa a noção de preconceito de marca proposta por Oracy Nogueira para a compreensão do racismo brasileiro. É, ao mesmo tempo uma forma de classificação social baseada na aparência racial e uma forma de discriminação na qual o sistema social pretere a população de cor, ao invés de excluí-la e concebê-la como um grupo em separado. Esse tipo de preconceito racial é contraposto ao preconceito de origem, característico do racismo desenvolvido pela sociedade norte-americana. O artigo examina o contexto intelectual de produção dessa noção, chamando atenção para a importante presença da tradição etnográfica, de cunho antropológico, na formação em ciências sociais propiciada pela Escola Livre de Sociologia e Política (São Paulo) nas décadas de 1940-1950. Enfatiza também a originalidade e atualidade dessa noção, que sugere a visão do racismo como um sistema cultural.

Palavras-chave : racismo; preconceito de marca; etnografia; sistema cultural; Oracy Nogueira; Donald Pierson; Escola Livre de Sociologia e Política.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons