SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número especial 1Taylorismo cibernético e Lesões por Esforços Repetitivos em operadores de telemarketing em Salvador-BahiaAlienação do trabalho: despertencimento social e desrenraizamento em relação à natureza índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Caderno CRH

versão impressa ISSN 0103-4979

Resumo

FERNANDES, Rita de Cássia P.. Precarização do trabalho e os distúrbios musculoesqueléticos. Cad. CRH [online]. 2011, vol.24, n.spe1, pp.155-170. ISSN 0103-4979.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792011000400011.

O artigo objetiva descrever a dor musculoesquelética como expressão do desequilíbrio entre capacidades humanas e modalidades de organização do trabalho. Através da articulação dos resultados epidemiológicos e da Análise Ergonômica do Trabalho (AET), discute os efeitos da precarização do trabalho, sendo a estratégia de aliar essas duas abordagens metodológicas promissora para o diálogo interdisciplinar. Caracterizaram-se 14 fábricas do ramo plástico da Região Metropolitana de Salvador, através do estudo do funcionamento e da organização da produção e do componente epidemiológico com desenho de corte transversal e uma amostra aleatória de 557 trabalhadores. A AET ocorreu no setor de acabamento de uma das fábricas. Constataram-se alterações na organização da produção que ocorreram à custa da intensificação do trabalho, com aceleração do ritmo dos trabalhadores, ao mesmo tempo em que realizavam tarefas com força, repetitividade e posturas anômalas. O uso excessivo do corpo permitiu entender o surgimento e a manutenção da dor, cujas prevalências revelaram um enorme contingente de trabalhadores obrigado a continuar trabalhando sob as mesmas condições geradoras do seu sofrimento.

Palavras-chave : intensificação do trabalho; doenças musculoesqueléticas; dor; precarização; LER/Dort.

        · resumo em Inglês | Francês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons