SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número4Força muscular isocinética dos extensores do joelho em indivíduos com doença de ParkinsonAvaliação de diferentes parâmetros para interpretar a necessidade de descanso em ergonomia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Fisioterapia em Movimento

versão impressa ISSN 0103-5150versão On-line ISSN 1980-5918

Resumo

FREITAS, Eliane Regina Ferreira Sernache de et al. Prática habitual de atividade física afeta o equilíbrio de idosas?. Fisioter. mov. [online]. 2013, vol.26, n.4, pp.813-821. ISSN 1980-5918.  https://doi.org/10.1590/S0103-51502013000400010.

INTRODUÇÃO: Os sistemas responsáveis pela manutenção do controle postural naturalmente entram em declínio com o avanço da idade, o que pode comprometer a capacidade de manter a postura nos limites de estabilidade, influenciando no equilíbrio das estruturas corporais e, consequentemente, aumentando os riscos de quedas. OBJETIVO: Verificar o impacto da prática habitual de atividade física sobre os parâmetros estabilográficos, equilíbrio estático e dinâmico de idosos fisicamente independentes. MATERIAIS E MÉTODOS: Trata-se de um estudo transversal e descritivo. A amostra foi composta de 77 mulheres com idade entre 60 a 75 anos estratificadas em cinco grupos de acordo com a prática de atividade física classificada pelo International Physical Activity Questionnaire (IPAQ). Foi utilizada a plataforma de força para avaliação estabilográfica, Teste de Apoio Unipodal (TAU) - equilíbrio estático, e o Timed Up and Go (TUG) - equilíbrio dinâmico. RESULTADOS: Foram observadas diferenças estatisticamente significantes em todos os parâmetros estabilométricos analisados exceto na velocidade de oscilação no eixo X. Por outro lado, os resultados referentes aos testes funcionais não apresentaram diferenças significativas entre os grupos, entretanto, para o TUG verificou-se uma tendência à boa mobilidade funcional com o aumento da prática habitual de atividade física. CONCLUSÃO: A prática habitual de atividade física mais elevada representa melhora na estabilidade corporal quantificada pela estabilometria, fato este não demonstrado nos testes neuromotores.

Palavras-chave : Envelhecimento; Equilíbrio postural; Atividade física; IPAQ.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons