SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 número11Ajuste de modelos não lineares autorregressivos na descrição da germinação se sementes de caféMacrobrachium amazonicum uma alternativa para o monitoramento microbiológico de ambientes aquáticos no Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Rural

versão impressa ISSN 0103-8478

Resumo

PEREIRA, Alcilene de Abreu et al. Inativação termoquímica de Escherichia coli, Staphylococcus aureus e Salmonella enterica Enteritidis por óleos essenciais. Cienc. Rural [online]. 2014, vol.44, n.11, pp.2022-2028. ISSN 0103-8478.  https://doi.org/10.1590/0103-8478cr20140092.

O controle do crescimento microbiano tanto na indústria de alimentos quanto em ambientes hospitalares é de extrema importância. Entretanto, observa-se aumento da resistência dos microrganismos aos desinfetantes mais empregados, observando-se a necessidade de estudos com novos antimicrobianos. Assim, o objetivo desse trabalho foi avaliar a atividade antimicrobiana e a curva de morte termoquímica de soluções desinfetantes de óleos essenciais sobre Escherichia coli, Staphylococcus aureus e Salmonella Enteritidis. Foram utilizados os óleos essenciais de Thymus vulgaris (tomilho), Elettaria cardamomum (cardamomo), Eugenia caryophyllus (cravo botão) e Foeniculum vulgare dulce (funcho doce). As concentrações mínimas inibitórias foram determinadas utilizando-se a técnica de diluição em placas. As concentrações testadas foram de (%): 0,00; 0,25; 0,5; 1,0; 2,0; 2,5; 3,0; 3,5; 4,0; 4,5; e 5,0. Escherichia coli foi a única bactéria sensível a todos os óleos em concentrações abaixo de 5%. Cravo da índia não inibiu o crescimento de S. aureus nas concentrações testadas. Somente o óleo essencial de tomilho inibiu o crescimento de Salmonella Enteritidis. Observando-se as curvas de morte termoquímica de S. aureus, nota-se que a solução desinfetante contendo óleo essencial de tomilho foi a mais eficiente, tanto a 25 quanto a 40°C, sendo necessário apenas 10min. de contato para não serem mais detectadas células viáveis. A solução desinfetante contendo 0,25% de óleo essencial de tomilho, tanto a 25 quanto a 40°C, eliminou as células de S. Enteritidis após10min. de contato. Já pra E. coli , os melhores resultados foram obtidos com as soluções desinfetantes contendo óleos essenciais de funcho doce e cravo da índia a 25 e 40°C e tomilho a 40°C. Todos os tratamentos, exceto aqueles contendo óleo essencial de cardamomo, reduziram o número de células viáveis das bactérias testadas em pelo menos 5 ciclos log, sendo considerados adequados para utilização como desinfetantes

Palavras-chave : desinfetante; Thymus vulgaris; Elettaria cardamomum; Eugenia caryophyllus.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )