SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número4Avaliação da percepção de dor em recém-nascidos por profissionais de saúde de unidade neonatalA inter-relação entre transtornos mentais comuns, gênero e velhice: uma reflexão teórica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos Saúde Coletiva

versão impressa ISSN 1414-462Xversão On-line ISSN 2358-291X

Resumo

TEOFILO, Marcella Martins Alves et al. Violência contra mulheres em Niterói, Rio de Janeiro: informações do Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (2010-2014). Cad. saúde colet. [online]. 2019, vol.27, n.4, pp.437-447.  Epub 14-Nov-2019. ISSN 2358-291X.  http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201900040302x.

Introdução

Violência contra mulheres constitui uma violação dos direitos humanos e um problema de saúde pública.

Objetivo

Analisar as notificações de violência contra mulheres (10 anos de idade ou mais), residentes em Niterói/RJ (2010-2014).

Método

Estudo descritivo de série de casos. As fontes de dados foram o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) e o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Foram descritas as distribuições das características de violência e calculadas as taxas de incidência.

Resultados

Foram notificados 307 episódios de violência com incidência de 26,2/100 mil, decrescente com a idade. O percentual de incompletitude variou de 0 a 65%. Violência física (186) predominou, seguida de violências psicológica (121) e sexual (96) e de negligência (64). As adolescentes foram as principais vítimas de violência sexual (56,3%). Cônjuges, ex-cônjuges, namorados(as), ex-namorados(as) foram autores em 42,6% das agressões físicas, indicando ocorrência de violência entre parceiros íntimos. Mães foram responsáveis por 50,7% das negligências, refletindo a ausência de compartilhamento e a sobrecarga feminina com relação à criação dos filhos.

Conclusão

As notificações de violência interpessoal/autoprovocada possibilitam intervir caso a caso, e a análise sistemática das informações poderá respaldar a elaboração de políticas e estratégias de prevenção e enfrentamento da violência contra mulheres.

Palavras-chave : violência; violência contra a mulher; sistemas de informação em saúde; vigilância em saúde pública; gênero e saúde.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )