SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 número2Concordância entre o estado nutricional de escolares e a percepção de seus responsáveisCapacidade preditiva de indicadores de adiposidade sobre a síndrome metabólica em idosos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Nutrição

versão impressa ISSN 1415-5273versão On-line ISSN 1678-9865

Resumo

NASCIMENTO, Larisse Monteles et al. Associação entre o consumo de nutrientes antioxidantes com alterações lipídicas e risco cardiometabólico em adolescentes. Rev. Nutr. [online]. 2018, vol.31, n.2, pp.183-197. ISSN 1678-9865.  http://dx.doi.org/10.1590/1678-98652018000200005.

Objetivo

Esta pesquisa teve como objetivo verificar as associações entre o consumo de nutrientes antioxidantes e as alterações lipídicas e o risco cardiometabólico em adolescentes.

Métodos

Trata-se de estudo transversal com 327 adolescentes de 14 a 19 anos de idade. Investigaram-se dados sociodemográficos, antropométricos, pressóricos, bioquímicos e de consumo alimentar. O risco cardiometabólico foi calculado por meio da agregação dos fatores de risco, expressa pela soma dos escores Z. Realizou-se a regressão de Poisson para estimar as razões de prevalência.

Resultados

O baixo consumo de zinco associou-se a elevados níveis de CT e triglicérides para os meninos, e a níveis baixos de HDL-c e elevados de LDL-c e CT para as meninas, demonstrando risco. Além disso, a baixa ingestão de cobre associou-se a altos níveis de triglicérides e risco cardiometabólico para as meninas. A razão de prevalência nos níveis elevados de LDL-c, CT e risco cardiometabólico foi maior entre os adolescentes que apresentavam baixa ingestão de vitamina A. Foram observadas também associações, no sexo feminino, da menor ingestão de vitamina A com altos níveis de triglicérides. A baixa ingestão de vitamina C nos meninos mostrou associações com LDL-c e triglicérides elevado, enquanto nas meninas essa vitamina associou-se com menores níveis de HDL-c. O baixo consumo de vitamina E, para as meninas, apresentou associações com níveis baixos de HDL-c e elevados de CT.

Conclusão

As associações entre os micronutrientes antioxidantes e as alterações lipídicas e risco cardiometabólico ressaltam a importância de estimular o consumo de alimentos que sejam fonte desses nutrientes, com o objetivo de modular as alterações lipídicas e o risco cardiometabólico.

Palavras-chave : Adolescentes; Nutrientes antioxidantes; Consumo de alimentos; Transtorno do metabolismo dos lipídeos; Doenças cardiovasculares.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )