SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número4A mortalidade por doenças infecciosas no início e no final do século XX no Município de São PauloRepresentações dos agentes de combate ao Aedes aegypti sobre a estratégia de retirada do inseticida nas ações de controle do vetor índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Epidemiologia

versão impressa ISSN 1415-790Xversão On-line ISSN 1980-5497

Resumo

MACHADO, Carla Jorge  e  HILL, Kenneth. Determinantes da mortalidade neonatal e pós-neonatal no Município de São Paulo. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2003, vol.6, n.4, pp.345-358. ISSN 1980-5497.  https://doi.org/10.1590/S1415-790X2003000400009.

INTRODUÇÃO: Nos países em desenvolvimento, nos anos 90, a mortalidade na infância (de menores de cinco anos) apresentou declínio proporcional maior do que o da mortalidade infantil. Para a redução da mortalidade na infância, deve-se entender, logo, os determinantes da mortalidade infantil. MATERIAL E MÉTODOS: Relacionou-se probabilisticamente dados do SIM e do SINASC: 209628 nascidos vivos e 3842 óbitos infantis do Município de São Paulo, coorte de 1998. Utilizou-se regressão logística para analisar fatores de risco da mortalidade neonatal e pós-neonatal: peso ao nascer, idade gestacional, escores Apgar ao primeiro e quinto minuto, tipo de parto, pluralidade, sexo, educação e idade da mãe, número de perdas anteriores, número de consultas pré-natal, raça, parturição e desenvolvimento da comunidade. RESULTADOS E CONCLUSÕES: Filhos de mães mais velhas apresentaram menor risco de morte neonatal, e, de mães adolescentes, maior risco de morte na infância. Associação significativa foi encontrada entre parturição acima de três e morte pós-neonatal. Não houve associação de parto cesáreo e mortalidade infantil. Houve associação entre morte neonatal e número baixo de visitas pré-natal, baixo peso ao nascer, nascimento de pré-termo e escores Apgar baixos; e entre morte pós-neonatal e número baixo de visitas pré-natal, baixo peso ao nascer, e escores Apgar baixos. A associação de residência da mãe numa comunidade mais desenvolvida e sobrevivência infantil sugere que fatores não controlados estão por trás deste resultado.

Palavras-chave : Mortalidade neonatal; Mortalidade pós-neonatal; Município de São Paulo; Fatores de risco.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons