SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número2Impacto da sintomatologia osteomuscular na qualidade de vida de professoresFatores associados à obesidade central em adultos de Florianópolis, Santa Catarina: estudo de base populacional índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Epidemiologia

versão impressa ISSN 1415-790X

Resumo

CEBALLOS, Albanita Gomes da Costa de; CARVALHO, Fernando Martins; ARAUJO, Tânia Maria de  e  REIS, Eduardo José Farias Borges dos. Avaliação perceptivo-auditiva e fatores associados à alteração vocal em professores. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2011, vol.14, n.2, pp.285-295. ISSN 1415-790X.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2011000200010.

O professor é um profissional que exige muito de sua voz e, consequentemente, apresenta elevado risco de desenvolver alteração vocal durante o exercício do seu trabalho. OBJETIVO: Identificar fatores associados à alteração vocal em professores. MÉTODO: Estudo exploratório do tipo corte transversal que investigou 476 professores do ensino fundamental e médio de escolas municipais da cidade de Salvador, BA. Os professores responderam a um questionário e foram submetidos à avaliação fonoaudiológica perceptivo-auditiva da voz. Para diagnóstico de alteração vocal utilizou-se a escala GRBAS. RESULTADOS: A população do estudo foi composta por 82,8% de mulheres. Os professores do estudo tinham média de idade igual a 40,7 anos, escolaridade superior (88,4%), jornada de trabalho média de 38 horas semanais, média de 11,5 anos de atuação profissional e renda média mensal de R$ 1.817,18. A prevalência de alteração vocal foi de 53,6% (255 professores). A análise bivariada evidenciou associações estatisticamente significantes entre alteração vocal e idade maior que 40 anos (RP = 1,83; IC 95%; 1,27-2,64), histórico familiar de disfonia (RP = 1,72; IC 95%; 1,06-2,80), carga horária semanal maior que 20 horas (RP = 1,66; IC 95%; 1,09-2,52) e presença de pó de giz na sala de aula (RP = 1,70; IC 95%; 1,14-2,53). CONCLUSÃO: O estudo realizado concluiu que os professores com 40 ou mais anos de idade, com histórico familiar de disfonia, com carga horária semanal maior que 20 horas e que lecionam em salas de aula com pó de giz têm maior chance de ter alteração vocal do que os demais.

Palavras-chave : Saúde do trabalhador; Disfonia; Distúrbios da Voz; Educação; Ensino; Docente.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons