SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número1Validade e reprodutibilidade de inquérito telefônico de atividade física no BrasilAtenção Primária à Saúde e tuberculose: avaliação dos serviços índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Epidemiologia

versão impressa ISSN 1415-790Xversão On-line ISSN 1980-5497

Resumo

FELICISSIMO, Mônica Faria et al. Prevalência e fatores associados ao autorrelato de deficiência: uma comparação por sexo. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2017, vol.20, n.1, pp.147-160. ISSN 1980-5497.  https://doi.org/10.1590/1980-5497201700010013.

Objetivo:

Estimar a prevalência de deficiência e sua associação com características sociodemográficas e de saúde, estratificadas por sexo.

Métodos:

Estudo transversal com amostra probabilística de 4.048 residentes com idade ≥ 18 anos em dois distritos sanitários de Belo Horizonte (MG) durante o período 2008-2009. A variável resposta “deficiência” foi definida com base no autorrelato de problema nas funções ou nas estruturas do corpo. As variáveis explicativas foram sociodemográficas (“sexo”, “idade”, “cor de pele”, “estado civil”, “anos de estudos” e “renda familiar”) e de saúde (“morbidade referida”, “autoavaliação de saúde”, “qualidade de vida” e “satisfação com a vida”). Empregou-se a análise multivariada pela árvore de decisão, utilizando-se o algoritmo Chi-square Automatic Interaction Detector.

Resultados:

A prevalência global de deficiência foi de 10,4%, maior no sexo feminino (11,9%; intervalo de confiança - IC95% 10,2-13,6) do que no masculino (8,7%; IC95% 6,8-10,5). Na análise multivariada, as variáveis que melhor discriminaram a deficiência foram “idade” e “morbidade” no sexo feminino, “baixa escolaridade” e “pior autoavaliação de saúde” no sexo masculino. O autorrelato de deficiência foi mais frequente entre mulheres em idade produtiva (40 a 59 anos) e de menor renda, e entre homens de menor escolaridade e renda. Com relação às condições de saúde, os maiores percentuais de deficiência foram observados, para ambos os sexos, entre aqueles que relataram três ou mais doenças e pior percepção de saúde.

Conclusão:

Os resultados reforçam a necessidade de atenção diferenciada, uma vez que mulheres em idade produtiva e homens com menor escolaridade são mais vulneráveis à ocorrência de deficiência.

Palavras-chave : Deficiência; Pessoas com deficiência; Prevalência; Fatores de risco; Sexo; Autorrelato; Análise multivariada.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )