SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número6Mastigação habitual e atividade eletromiográfica dos músculos masseter e temporal em escolares de 7 a 12 anosHábitos orais deletérios em um grupo de crianças de uma escola da rede pública na cidade de São Paulo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista CEFAC

versão On-line ISSN 1982-0216

Resumo

PEGORARO-KROOK, Maria Inês; MARINO, Viviane Cristina de Castro; SILVA, Luciana  e  DUTKA, Jeniffer de Cássia Rillo. Correlação entre nasalância e nasalidade em crianças com hipernasalidade. Rev. CEFAC [online]. 2014, vol.16, n.6, pp.1936-1944. ISSN 1982-0216.  https://doi.org/10.1590/1982-0216201415113.

OBJETIVO:

estabelecer a correlação entre medidas de nasalância e de nasalidade de fala apresentada por crianças com fissura labiopalatina operada.

MÉTODOS:

estudo prospectivo, em que as gravações de áudio de frases produzidas por 79 crianças (idade média 6,5 anos) falantes do português brasileiro foram julgadas auditivamente por três fonoaudiólogas. Medidas de nasalância obtidas simultaneamente às gravações áudio também foram analisadas. As amostras de fala incluíram duas frases, uma constituída por [p] e outra por [b], em recorrência. A concordância interjuízes foi obtida para as 158 frases (78,5% para [p] e 93,5% para [b]). A concordância intrajuízes também foi verificada para as frases duplicadas (82% para [p] e 86% para [b]). Os fonoaudiólogos classificaram individualmente a nasalidade de fala das 158 frases utilizando uma escala de 4 pontos. Valores de nasalância destas mesmas frases foram calculados. Os valores médios da nasalidade de fala foram correlacionados como os escores de nasalância.

RESULTADOS

: valores médios de 1,53 e 1,52 (indicativo de hipernasalidade leve) foram obtidos para as frases [p] e [b], a partir dos julgamentos perceptivos. Os valores médios de nasalânciaforam 32% (frase [p]) e 39% (frase [b]). Embora significantes, houve correlação baixa entre nasalidade e nasalância paraas duas frases (/p/;r= 0,31 p=0,004e /b/; r= 0,37 p=0,0007).

CONCLUSÃO:

quando classificada como leve, a hipernasalidade de fala apresentada por crianças com fissura labiopalatinapode desfavorecer entre nasalância e nasalidade. Estímulos de fala mais longos e amostras representativas de graus mais elevados de hipernasalidade são recomendados para futuros estudos.

Palavras-chave : Fissura Palatina; Distúrbio da Fala; Criança.

        · resumo em Português     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )