SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número2Disfunção temporomandibular e dor craniocervical em profissionais da área da enfermagem sob estresse no trabalhoDesenvolvimento e aplicação de instrumento administrativo para orientação das pesquisas em telefonoaudiologia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista CEFAC

versão impressa ISSN 1516-1846versão On-line ISSN 1982-0216

Resumo

GUERRA, Thais Alves et al. Nasalância na presença e ausência da fricativa faríngea. Rev. CEFAC [online]. 2016, vol.18, n.2, pp.449-458. ISSN 1982-0216.  https://doi.org/10.1590/1982-0216201618222115.

Objetivo:

comparar os valores de nasalância em amostras de fala com e sem o uso de fricativa faríngea e, também, com e sem hipernasalidade.

Métodos:

um total de 840 amostras de fala foi analisado neste estudo. As amostras foram julgadas por três juízas experientes por consenso quanto aos aspectos hipernasalidade e fricativa faríngea. Os julgamentos foram distribuídos em quatro grupos: G1: 255 amostras de fala julgadas como representativas de hipernasalidade; G2: 130 amostras julgadas como representativas do uso de fricativa faríngea e hipernasalidade; G3: 280 amostras julgadas como representativas de fala normal em falantes com história de fissura labiopalatina; G4: 175 amostras julgadas como representativas de fala normal em falantes sem história de fissura labiopalatina. Para análise dos dados foi utilizando o teste Kruskal-Wallis e quando houve diferença estatisticamente significante foi aplicado o teste Dunn's para comparar os grupos aos pares.

Resultados:

os julgamentos aferidos por consenso pelas três juízas permitiram a identificação de amostras representativas do uso de fricativa faríngea e da presença e ausência de hipernasalidade. Foram estabelecidos valores de nasalância (média e desvio padrão) para cada grupo e observou-se que houve diferença estatisticamente significante entre os grupos com alteração de fala (G1 e G2) e aqueles sem alteração (G3 e G4). A diferença entre o grupo com hipernasalidade (G1) e o grupo com FF (G2) não foi significante.

Conclusão:

o uso de FF não influenciou significantemente os valores de nasalância para a amostra estudada.

Palavras-chave : Fissura Palatina; Insuficiência Velofaringea; Fala; Reprodutibilidade dos Testes.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )