SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número5Efeitos da substituição do milho pelo resíduo de panificação sobre as características de carcaça de novilhos da raça HolandesaEstimativa das frações dos carboidratos, da casca e polpa desidratada de café (Coffea arabica L.) armazenadas em diferentes períodos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Zootecnia

versão impressa ISSN 1516-3598versão On-line ISSN 1806-9290

Resumo

BARBOSA, Natália Guarino Souza et al. Consumo e fermentação ruminal de proteínas em função de suplementação alimentar energética e protéica em novilhos. Rev. Bras. Zootec. [online]. 2001, vol.30, n.5, pp.1558-1565. ISSN 1806-9290.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-35982001000600025.

Objetivou-se analisar o efeito de suplementação energética sobre o consumo e a fermentação ruminal de proteínas em dois níveis de proteína dietética (6 e 20%). Quatro novilhos mestiços fistulados no rúmen foram utilizados em um quadrado latino e os tratamentos arranjados em um fatorial 2 ´ 2, em que as dietas testadas constituíram-se de: A. só feno; B. feno + 2,8 kg de farelo de soja; C. feno + 2,8 kg de fubá de milho; e D. feno + 2,8 kg de farelo de soja + 2,8 kg de fubá de milho. Foram realizados quatro períodos experimentais constituídos de 18 dias, sendo sete dias para adaptação dos animais, sete dias para determinação do consumo de matéria seca e quatro dias para coleta de amostras. As coletas foram feitas através de fístula ruminal nos tempos zero, dois, quatro e seis horas após a alimentação, sendo utilizadas para determinações das concentrações de amônia, pH e AGV do líquido ruminal. Não houve interações entre o fubá de milho e o farelo de soja, assim como não ocorreu efeito do tempo de coleta sobre os parâmetros estudados. O farelo de soja reduziu a relação acetato:propionato (A:P) em 13%, aumentou o consumo de matéria seca total (CMSt) em 41,2%, sem alterar o consumo de forragem e o pH, e aumentou as concentrações de amônia (790%), propionato (48%), AGV total (39%), isobutirato (165%), isovalerato (208%) e valerato (201%). O fubá de milho não afetou a fermentação de proteína, embora tenha causado aumento no CMSt (35%) e decréscimo no pH ruminal (6%) e na relação A:P (18%).

Palavras-chave : amônia; consumo; desaminação; pH; proteína; suplementação.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons