SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número4Adaptação da Escala de Áreas Problema da Psicoterapia Interpessoal: estudo piloto e avaliação de concordânciaO impacto da publicidade de bebidas alcoólicas sobre o consumo entre jovens: revisão da literatura internacional índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Psychiatry

versão impressa ISSN 1516-4446versão On-line ISSN 1809-452X

Resumo

MELLO, Marcelo Feijo; COSTA, Mariana Cadrobbi Pupo; SCHOEDL, Aline Ferri  e  FIKS, Jose Paulo. Aripiprazol no tratamento do transtorno de estresse pós-traumático: um ensaio clínico aberto. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2008, vol.30, n.4, pp.358-361. ISSN 1809-452X.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462008000400011.

OBJETIVO: O transtorno de estresse pós-traumático é um quadro prevalente (7,8%-lifetime-EUA) que provoca grande prejuízo aos pacientes. Os inibidores seletivos de recaptação de serotonina, medicação de primeira escolha para o tratamento, mostram baixos índices de remissão. Este estudo pretende apresentar uma diferente escolha de medicamento para tratar o transtorno de estresse pós-traumático. MÉTODO: Trinta e dois pacientes com transtorno de estresse pós-traumático receberam aripiprazol por 16 semanas. Foram submetidos na entrada, 8 e 16 semanas às escalas Clinician-Administered PTSD Scale, Beck Depression Inventory, Beck Anxiety Inventory, Medical Outcome Study Short Form 36 e Social Adjustment Scale. Foi usado o modelo linear generalizado para medidas repetidas comparando o fator com as três medidas contínuas nos três pontos de avaliação. Foi feita uma comparação entre sujeitos (grupo tratamento) usando modelo linear generalizado univariado. Usamos a intenção de tratamento e a estratégia da última observação com endpoint (Last Observation Carried Forward). RESULTADOS: Nove pacientes descontinuaram antes da segunda avaliação. A dose média foi 9,6 (± 4,3) mg/dia. As medidas na entrada e no final do tratamento foram: Clinician-Administered PTSD Scale - 82,7 (± 23,1) e 51,4 (± 31,4) (F = 11,247, p = 0,001); Beck Anxiety Inventory - 31,7 (± 13,4) e 25,4 (± 18,2) (F = 8,931, p = 0,011); Social Adjustment Scale - 2,4 (± 0,45) e 2,27 (± 0,57) (F = 8,633, p = 0,012); Medical Outcome Study Short Form 36 - 76,6 (± 14,11) e 94,01 (± 25,06) (F = 10,127 p = 0,007); e Beck Depression Inventory - 26,06 (± 11,6) e 21,35 (± 12,6) (F = 1,580, p = 0,042). Em todas as medidas, as diferenças foram estatisticamente significativas. CONCLUSÕES: O aripiprazol alcançou uma boa resposta em pacientes com transtorno de estresse pós-traumático, mas para resultados mais acurados ainda são necessários estudos controlados com placebo.

Palavras-chave : Aripiprazol; Pacientes; Transtornos de estresse pós-traumáticos; Tratamento; Ensaios clínicos controlados aleatórios.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons