SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.52 issue2Occurrence of plastic particles in procellariiforms, south of São Paulo state (Brazil)Description of the ootheca of Turbinella laevigata (Mollusca, Gastropoda) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Archives of Biology and Technology

Print version ISSN 1516-8913On-line version ISSN 1678-4324

Abstract

KOPP, Rogério Luiz et al. Phenetic analysis of Panstrongylus megistus Burmeister, 1835 (Hemiptera: Reduviidae: Triatominae) in the State of Paraná-Brazil. Braz. arch. biol. technol. [online]. 2009, vol.52, n.2, pp.349-357. ISSN 1678-4324.  https://doi.org/10.1590/S1516-89132009000200012.

Panstrongylus megistus é um importante vetor da Doença de Chagas e é apontado como uma das espécies com potencial para substituir Triatoma infestans como principal vetor desta doença no Brasil. Os diferentes graus de domiciliação por P. megistus - no Brasil - e sua importância epidemiológica evocam a necessidade de estudos com bases genéticas que possibilitem analisar e compreender os intercâmbios de indivíduos e os fluxos gênicos entre as distintas populações. Assim, o presente trabalho tem como objetivo estudar a variabilidade genética de P. megistus no Estado do Paraná e compará-los com populações da mesma espécie de cinco estados do Brasil (SP, MG, SC, RS, SE). Para atingir o objetivo proposto, 25 populações foram estudadas empregando quinze sistemas isoenzimáticos (6PGD, G6PD, ME1, ME2, ICD, PGM, GPI, GOT1, GOT2, NP1, NP2, DIA, MPI, FH e MDH). A análise fenética permitiu a individualização de 22 eletromorfos e quatro zimodemas. A enzima G6PD foi a única polimórfica que apresentou quatro eletromorfos para as populações estudadas, todas descritas para o Estado do Paraná. As populações de P. megistus procedentes dos outros estados agruparam-se com as do Paraná, demonstrando haver baixa variabilidade genética na espécie. Apesar das barreiras geográficas existentes, sub-amostras - distantes entre si por até 570 km - ficaram reunidas num mesmo zimodema. As implicações epidemiológicas destes resultados são discutidas no presente trabalho.

Keywords : Panstrongylus megistus; isoenzymes; genetic variability; triatomines.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License