SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número1Comparação entre os métodos direto e indireto de determinação do VO 2máx de praticantes de corridaCreatina e treinamento resistido: efeito na hidratação e massa corporal magra índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Medicina do Esporte

versão impressa ISSN 1517-8692

Resumo

CARRASCO, Maria; MARTINEZ, Ignacio  e  NAVARRO, María Dolores. Atividade física na vida diária e densidade mineral óssea em mulheres idosas. Rev Bras Med Esporte [online]. 2015, vol.21, n.1, pp.22-26. ISSN 1517-8692.  https://doi.org/10.1590/1517-86922015210101638.

INTRODUÇÃO:

o rápido envelhecimento da população contemporânea tem influenciado no desenvolvimento de estratégias para a prevenção da osteoporose em idosos. A atividade física diária é vista como uma possível estratégia para aumentar a massa óssea e ajudar a prevenir a perda óssea em pessoas idosas. No entanto, é essencial saber a quantidade mínima ou a intensidade adequada de atividade física que produza o aumento da massa óssea em mulheres idosas.

OBJETIVO:

analisar, durante uma semana, a relação entre a quantidade e a intensidade da atividade física diária com a densidade mineral óssea (DMO) da mão, por meio da quantificação de atividade física diária em idosas.

MÉTODOS:

a amostra do estudo foi composta por 24 mulheres (idade 66-78 anos), que realizaram atividade física, durante 7 dias, com um gravador da aceleração dos movimentos do corpo em seu pulso, para uma quantificação individual da atividade física. Para medir a densidade mineral óssea da mão direita foi utilizada a técnica de dupla absorção de raios-X (DXA).

RESULTADOS:

uma relação significativa entre a prática semanal e o T-score (r = 0,99) e a prática semanal horizontal e o T-score (r = 0,99) foi encontrada no osso normal e no grupo ósseo com osteoporose, respectivamente. A relação entre T-score e a quantidade de atividade física não era clara em ambos os grupos.

CONCLUSÃO:

na amostra analisada, foi encontrada uma associação positiva entre a maior qualidade do osso da mão e a intensidade mais elevada de atividade física. A combinação de absorciometria acelerometria e de raios-X na mão obteve resultados semelhantes ao encontrados com outros métodos menos acessíveis.

Palavras-chave : acelerometria; idoso; densidade óssea.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português     · Português ( pdf )