SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número4The value of currency in Oresme and CopernicusOn the origins of Freud's conception of the natural sciences índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Scientiae Studia

versión impresa ISSN 1678-3166versión On-line ISSN 2316-8994

Resumen

MOCELLIN, Ronei Clécio. Estilo de raciocínio e capilaridade técnico-cultural na química no século XVIII. Sci. stud. [online]. 2015, vol.13, n.4, pp.759-780. ISSN 2316-8994.  http://dx.doi.org/10.1590/S1678-31662015000400003.

Neste artigo pretendo identificar um "estilo de raciocínio" próprio à química e apontar a disseminação de seus produtos e conceitos. O objetivo é o de explicitar alguns elementos que caracterizam o estilo de pensar e de fazer da química na segunda metade do século XVIII, sua capilarização técnico-cultural. O delineamento de um estilo químico de raciocinar origina-se da constância dos espaços técnico-epistêmicos em que o saber químico é construído. A química é uma ciência de laboratório, eminentemente técnica e operatória, quer dizer, trata-se de um conhecimento técnico-científico stricto sensu. Produtora de artefatos, a ciência química é inseparável da técnica, da tecnologia e da indústria, de maneira que sua identidade epistêmica é indissociável de sua história. Seu estilo caracteriza um valor profundo na cultura técnica do homo faber, do poder de agir sobre a natureza e de transformá-la através de manipulações e de rearranjos.

Palabras clave : Estilo de raciocínio químico; Laboratório; Capilaridade técnico-cultural; Século XVIII; Academia de Dijon; Tecnociência.

        · resumen en Inglés     · texto en Portugués     · Portugués ( pdf )