SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue3Successful treatment of post-transplant relapsed acute myeloid leukemia with FLT3 internal tandem duplication using the combination of induction chemotherapy, donor lymphocyte infusion, sorafenib and azacitidine. Report of three casesEndoscopic surveillance of extensive esophageal papillomatosis not amenable to endoscopic therapy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Einstein (São Paulo)

Print version ISSN 1679-4508On-line version ISSN 2317-6385

Abstract

KAUFFMAN, Paulo et al. O desafio terapêutico do aneurisma gigante da artéria esplênica: um relato de caso. Einstein (São Paulo) [online]. 2017, vol.15, n.3, pp.359-362.  Epub July 24, 2017. ISSN 2317-6385.  http://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082017rc3873.

O aneurisma gigante da artéria esplênica constitui condição rara, que representa risco de vida iminente para o paciente, necessitando, consequentemente, de correção cirúrgica urgente. Mulher de 61 anos, ex-fumante, hipertensa, com hipercolesterolêmica e multípara nos procurou por apresentar grande tumor no mesogástrio, achado de ultrassonografia abdominal. Apesar das dimensões do tumor, era assintomática. Angiotomografia e ressonância magnética de abdômen sugeriam tratar-se de aneurisma gigante de artéria esplênica com mais de 10cm de diâmetro, confirmado por angiografia. Foi submetida a tratamento cirúrgico aberto, tendo sido realizadas esplenectomia e aneurismectomia parcial. A abordagem do tronco celíaco, que foi ligado, só foi possível com rotação visceral medial, pois não havia possibilidade de visualizá-lo pela via anterior. O exame anatomopatológico da parede do saco aneurismático revelou placas de ateroma na íntima. A paciente evoluiu sem intercorrências e teve alta hospitalar curada. Aneurismas da artéria esplênica de dimensões avantajadas, em geral, são sintomáticos, porém, como no caso em questão, podem ser assintomáticos e descobertos em exame de imagem do abdômen. Apesar de existirem métodos intervencionistas menos invasivos, como laparoscopia e técnicas endovasculares, eles não foram considerados adequados neste caso. Diante de um aneurisma gigante de artéria esplênica, a conduta terapêutica de eleição é a cirurgia convencional aberta.

Keywords : Aneurisma/diagnóstico; Aneurisma/terapia; Artéria esplênica/ patologia; Relatos de casos.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )