SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.53 issue3-4Instantaneous transport of salt, nutrients, suspended matter and chlorophyll-a in the tropical estuarine system of SantosColonization and growth of crustose coralline algae (Corallinales, Rhodophyta) on the Rocas Atoll author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Oceanography

Print version ISSN 1679-8759On-line version ISSN 1982-436X

Abstract

PIMENTA, Felipe M.; CAMPOS, Edmo José Dias; MILLER, Jerry L.  and  PIOLA, Alberto R.. A numerical study of the Plata River plume along the southeastern South American continental shelf. Braz. j. oceanogr. [online]. 2005, vol.53, n.3-4, pp.129-146. ISSN 1982-436X.  https://doi.org/10.1590/S1679-87592005000200004.

O Rio da Prata, um dos maiores rios da Terra, descarrega no oceano águas de uma bacia de drenagem que cobre uma ampla área da América do Sul. Sua pluma extende-se ao longo do norte da Argentina, Uruguay e sul do Brasil influenciando amplamente os ecossistemas costeiros. A despeito disso, pouco se sabe a respeito dos mecanismos que a controlam. Relatamos aqui simulações conduzidas com o modelo POM na investigação do papel dos ventos e da descarga fluvial na dinâmica da pluma do Prata. Descargas com valores médios climatológicos e magnitudes representativas de El Niño e La Niña foram explorados. Somente sob descarga fluvial, a velocidade média de penetração da pluma ao longo da costa foi diretamente relacionada à vazão. Sua extensão variou entre 850 e 1550 km e no caso da vazão média uma banda de baixa salinidade formou-se desde o estuário até 30ºN na plataforma continental sul brasileira. O efeito de ventos de sudoeste, que causam subsidência, e de nordeste, que promovem a ressurgência costeira, foram investigados após 130 dias de descarga fluvial. Os resultados sugerem que a distribuição de baixa salinidade é muito mais sensível à direção dos ventos do que à descarga fluvial. Ventos de sudoeste são capazes de advectar o sinal de baixa salinidade ao longo da costa. Já os ventos de nordeste demonstram ser eficientes na erosão da pluma, que é destacada da costa por deriva de Ekman. Uma intrusão anormal da pluma de baixa salinidade em direção a baixas latitudes pode ser o resultado da posição original da pluma acoplada a eventos persistentes de fortes ventos de sudoeste.

Keywords : Plataforma continental leste Sul Americana; Plataforma continental Sul Brasileira; Bacia de Santos; Rio da Prata; pluma costeira; modelagem hidrodinâmica.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License