SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 issue6Evaluation of light intensity and maintenance of light curing units used in clinics in the city of RecifeOral conditions and body weight in children from a public school in Manaus, AM, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Odontologia da UNESP

On-line version ISSN 1807-2577

Abstract

SANTIAGO, Thais Mazeu et al. Avaliação volumétrica e cefalométrica da via aérea superior em pacientes classe III submetidos a avanço de maxila. Rev. odontol. UNESP [online]. 2016, vol.45, n.6, pp.356-361.  Epub Nov 28, 2016. ISSN 1807-2577.  https://doi.org/10.1590/1807-2577.05816.

Introdução

A deficiência anteroposterior da maxila pode estar associada com a diminuição do volume da via aérea superior. O avanço de maxila por resultar em um aumento do espaço aéreo superior.

Objetivo

Correlacionar mensurações cefalométricas (2D) e volumétricas (3D) da via aérea superior em pacientes classe III tratados por meio de avanço maxilar.

Material e método

Este estudo retrospectivo transversal foi realizado em dez pacientes adultos submetidos ao avanço de maxila para correção de deficiência anteroposterior de maxila e deformidade classe III. Foram incluídos os dados de tomografias computadorizadas Cone beam em dois períodos: pré-operatório (T1) e pós-operatório de 6 a 8 meses (T2). Os arquivos DICOM foram importados e reconstruídos para avaliação volumétrica e cefalométrica da via aérea superior, dividida em nasofaringe, orofaringe e hipofaringe (Arnett & Gunson FAB Surgery).

Resultado

A idade variou de 26 a 55 anos, com média de 36,3±9,2 anos. Não foram verificadas diferenças estatisticamente significantes para os parâmetros cefalométricos e volumétricos das três regiões da faringe entre os períodos T1 e T2. Este resultado ocorreu devido à pequena quantidade de avanço maxilar (4,7±1,89mm) necessário para a correção da deformidade na amostra. A correlação entre área e volume não foi estatisticamente significante apenas para as mensurações pré-operatórias da nasofaringe (r=0,30; p=0,40). Nas outras regiões e períodos a correlação foi estatisticamente significante (p<0,05).

Conclusão

Avanços maxilares de pequenas dimensões não resultam em um aumento significativo das dimensões da via aérea superior.

Keywords : Cirurgia ortognática; remodelação das vias aéreas; maxila.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )