SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 número1Impactos da longevidade na família multigeracionalNutrição e envelhecimento: algumas reflexões sobre a integração entre ensino, pesquisa e extensão no Projeto Nutrição e Terceira Idade índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia

versão impressa ISSN 1809-9823versão On-line ISSN 1981-2256

Resumo

SOUZA, Pollyanna da Silva de; FALCAO, Jorge Tarcísio da Rocha; LEAL, Márcia Carréra Campos  e  MARINO, Jacira Guiro. Avaliação do desempenho cognitivo em idosos. Rev. bras. geriatr. gerontol. [online]. 2007, vol.10, n.1, pp.29-38.  Epub 04-Nov-2019. ISSN 1981-2256.  http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2007.10013.

Objetivo

avaliar o processo do envelhecimento, relacionando-o ao desempenho cognitivo.

Método

estudo epidemiológico, descritivo, transversal, realizado na UNATI/UFPE, com 65 idosos. Foi utilizado questionário semi-estruturado, incluindo dados sociodemográficos, escala de avaliação da satisfação global com a vida e o Miniexame do Estado Mental (MEEM).

Resultados

83,1% apresentam uma doença ou condição crônica; 59,3% - hipertensão, 18,5% - problemas de coluna e artrose, 14,8% - osteoporose, 13% - colesterol elevado, 11,1% - doença do coração, 9,3% - artrite e 3,7% - diabetes. Foi reportada por 16,9% dos sujeitos a não-realização de atividades rotineiras por problema de saúde nas últimas duas semanas. Com relação à percepção acerca da própria saúde, 93,8% consideraram boa ou muito boa. No entanto, 66,2% mencionaram ter alguma dificuldade de memória, sendo esta freqüente para 58,1% dos sujeitos com queixa, e rara ou muito rara para 41,9%. Além disso, 73,8% praticam alguma atividade física: caminhada (44,6%), a hidroginástica (23,1%) e ioga (13,8%). As análises inferenciais estatísticas evidenciaram efeito isolado significativo da escolaridade (F=8,703, p<0,000, 64g.l.), mas nenhum efeito significativo isolado da idade (F=0,442, p=0,724, 64g.l.) sobre os escores do MEEM.

Conclusões

o processo de envelhecimento não deve ser associado necessariamente ao adoecimento e degeneração patológica, pois não inviabiliza o funcionamento sócio-psicocultural.

Palavras-chave : envelhecimento; terapia cognitiva; transtornos cognitivos; estudos epidemiológicos.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )