SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número1Hysterionica nebularis, ESPÉCIE NOVA DE ASTEREAE - ASTERACEAE PARA O ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (BRASIL)SUCESSÃO FLORESTAL SECUNDÁRIA NO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA, LITORAL DE SANTA CATARINA: ESTRUTURA E DIVERSIDADE índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Florestal

versão impressa ISSN 0103-9954versão On-line ISSN 1980-5098

Resumo

SUTILI, Fabrício Jaques; DURLO, Miguel Antão  e  BRESSAN, Delmar Antonio. POTENCIAL BIOTÉCNICO DO SARANDI-BRANCO (Phyllanthus sellowianus Müll. Arg.) E VIME (Salix viminalis L.) PARA REVEGETAÇÃO DE MARGENS DE CURSOS DE ÁGUA. Ciênc. Florest. [online]. 2004, vol.14, n.1, pp.13-20. ISSN 1980-5098.  https://doi.org/10.5902/198050981777.

Mesmo com planejamento e trabalho cuidadoso no uso dos recursos naturais, em particular dos cursos de água, é inevitável que algumas áreas sejam modificadas negativamente, que partes de margens ou encostas percam sua estabilidade e que ocorram erosões e deslizamentos. Quando isso acontece é necessária a recomposição e a estabilização física das áreas atingidas. Algumas técnicas de natureza biológica, capazes de proporcionar soluções baratas e de fácil implementação já são conhecidas, restando que se investigue a disponibilidade e aplicabilidade de materiais construtivos de cada região, bem como o potencial biotécnico das espécies vegetais de ocorrência local. No presente trabalho, procurou-se investigar - em situação prática de campo - a capacidade de pega por estacas, de duas espécies abundantes em beiras de cursos de água: sarandibranco (Phyllanthus sellowianus Müll. Arg.) e vime (Salix viminalis L.). O plantio experimental foi realizado em uma margem com problemas de corrosão, localizada no arroio Guarda-mor na região central do estado do Rio Grande do Sul. Foram utilizadas estacas retiradas de diferentes porções do ramo (base, meio e ponta). Com uma verificação feita 60 dias após o plantio, pode-se concluir que as duas espécies se mostraram potencialmente aptas para a recomposição vegetativa de margens. Em média, o sarandi-branco mostrou um percentual de pega de 78%, que foi significativamente superior ao do vime (69%). Para as duas espécies, observou-se que quanto maior a proximidade com o nível da água e quanto maior o diâmetro das estacas, (base > meio > ponta), tanto maior foi o percentual de pega.

Palavras-chave : bioengenharia; biotécnicas; recuperação de áreas degradadas; cursos de água.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )