SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número3ESTRUTURA DO COMPONENTE ARBÓREO E ARBORESCENTE DE UM FRAGMENTO URBANO NO MUNICÍPIO DE SÉRIO, RIO GRANDE DO SUL, BRASILESTRUTURA E RELAÇÕES FLORÍSTICAS DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL, LONDRINA, PARANÁ, BRASIL índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Florestal

versão impressa ISSN 0103-9954versão On-line ISSN 1980-5098

Resumo

FRAGOSO, Rosimeri de Oliveira; TEMPONI, Lívia Godinho; PEREIRA, Dercio Ceri  e  GUIMARAES, Ana Tereza Bittencourt. RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA NO DOMÍNIO FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL SOB DIFERENTES TRATAMENTOS. Ciênc. Florest. [online]. 2016, vol.26, n.3, pp.699-711. ISSN 1980-5098.  http://dx.doi.org/10.5902/1980509824194.

Objetivou-se avaliar três tratamentos de restauração florestal em uma área com elevação periódica do lençol freático, no Corredor de Biodiversidade Santa Maria, localizado entre os municípios de Santa Terezinha de Itaipu e São Miguel do Iguaçu-PR. Os tratamentos foram: controle, adubação verde e solarização do solo. Foi realizado o acompanhamento mensal da mortalidade e desenvolvimento de 12 espécies arbóreas nativas da região e a persistência de duas espécies invasoras presentes na área, Megathyrsus maximus (capim-colonião) e Cyperus rotundus (tiririca). Além disso, avaliou-se as alterações promovidas no solo por meio de três coletas durante o experimento. Após um ano, os tratamentos não apresentaram diferenças estatísticas significativas sobre as avaliações realizadas. A mortalidade foi mais acentuada em janeiro (12,08%), com maior percentual para Cabralea canjerana (canjarana) e menor para Luehea divaricata (açoita-cavalo). Sobre o desenvolvimento das mudas, houve maior crescimento para: Sapium glandulatum (leiteiro-do-banhado), Croton urucurana (sangra-d'água) e Luehea divaricata, com acréscimos mensais em diâmetro de 3,66 mm a 4,12mm, e em altura de 12,39 cm a 17,02 cm. Em relação à massa seca do capim-colonião e tiririca em todos os tratamentos, os maiores valores foram verificados em janeiro (94,14 g m-2) e fevereiro (132,76 g m-2), mantendo-se baixos ao longo do experimento. Por meio das análises de solo, foi possível observar que os tratamentos não apresentaram diferenças significativas, contudo, as alterações físicas e químicas do solo mostraram-se sensíveis ao manejo das espécies invasoras, podendo levar a novas modificações durante o desenvolvimento das mudas.

Palavras-chave : solarização do solo; adubação verde; avaliação de espécies.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )