SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue3PHYTOGEOGRAPHIC ANALYSIS OF SHRUB AND TREE FLORA IN AN ECOTONAL AREA IN THE BODOQUENA PLATEAU, MS, BRAZILEFFECT OF MYCORRHIZAE AND FERTILIZATION ON GROWTH SEEDLINGS OF Campomanesia xanthocarpa (MART.) O. BERG., PRODUCED IN DIFFERENT SUBSTRATES author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência Florestal

Print version ISSN 0103-9954On-line version ISSN 1980-5098

Abstract

CARVALHO, Elena Almeida de  and  JARDIM, Mário Augusto Gonçalves. COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA FLORÍSTICA EM BOSQUES DE MANGUEZAIS PARAENSES, BRASIL. Ciênc. Florest. [online]. 2017, vol.27, n.3, pp.923-930. ISSN 1980-5098.  https://doi.org/10.5902/1980509828641.

Este estudo objetivou caracterizar a composição florística e a estrutura em bosques de manguezais nos municípios de Soure, Maracanã e Salinopólis no estado do Pará. Em cada município foram delimitadas três parcelas de 10 x 50 m totalizando 0,15 ha, registrando-se as espécies e medindo-se o DAP e altura. Foram calculadas a densidade, frequência e dominância relativas, índice de valor de cobertura e de importância. As espécies típicas encontradas foram Rhizophora mangle L., Rhizophora racemosa G.F.W. Meyer, Avicennia germinans (L.) Stearn. e Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. Rhizophora racemosa foi encontrada somente em Soure e, Laguncularia racemosa apenas em Salinópolis. O bosque de Soure apresentou maior valor médio em diâmetro e altura. Nos três municípios Avicennia germinans obteve maior diâmetro e altura. A maior área basal para indivíduos vivos ocorreu em Soure e Salinas, e para indivíduos mortos, em Maracanã, ambos para a classe > 10,0 cm de DAP. Em Soure não foram registrados indivíduos mortos. Os bosques apresentaram alto grau de desenvolvimento estrutural e ajustado ao padrão encontrado na costa norte brasileira. Informações conjuntas acerca da composição florística, abundância, densidade e parâmetros que demonstrem o grau de estrutura dos mesmos, além do registro e análise de indivíduos mortos, são bons indicadores do estado de conservação desse ecossistema. Conclui-se que os manguezais estão em bom estado de conservação. Entretanto, ações preventivas de manejo e conservação são fundamentais para garantir a manutenção de seus recursos.

Keywords : qualidade ambiental; fitossociologia; Amazônia.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · Portuguese ( pdf )