SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número3Efeitos do controle mecânico sobre Phyllostachys aurea Carr. ex A. & C. Rivi're no Parque Estadual de Vila Velha - PRDinâmica do componente arbóreo em função da distância da borda em uma floresta com araucária no Planalto Sul Catarinense, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Florestal

versão impressa ISSN 0103-9954versão On-line ISSN 1980-5098

Resumo

BOMFIM, João Pedro de Andrade et al. Otimização da extração e amplificação de DNA de dendezeiro: folhas em diferentes fases de desenvolvimento. Ciênc. Florest. [online]. 2020, vol.30, n.3, pp.916-926.  Epub 26-Out-2020. ISSN 1980-5098.  https://doi.org/10.5902/1980509839043.

O objetivo deste estudo foi otimizar e estabelecer um protocolo visando elevar a qualidade e quantidade do ácido desoxirribonucleico (DNA) extraído de folhas, em diferentes estágios de desenvolvimento e conservação, coletadas em plantas adultas e plantas jovens. Além disso, almejou-se padronizar a amplificação via reação de polimerase em cadeia (PCR) e selecionar os marcadores de inter sequência simples repetida (ISSR) de Elaeis guineensis (dendezeiro). O protocolo brometo de cetiltrimetilamônio (CTAB) modificado, devido à suplementação com betamercapto etanol (0,3%) e polivinilpirrolidone (PVP) (3%) no tampão de extração e CTAB 10% com 1,4 M de NaCl a 20 min de incubação, a 650C, resultou em melhorias qualitativas e quantitativas na extração do DNA, mas com variações entre amostras, provavelmente, devido às variações na degradação e estágio de desenvolvimento das folhas. Foram utilizados dois protocolos de PCR (I e II) para a amplificação do DNA, os quais diferiram principalmente com relação à presença de albumina de soro bovino (BSA) e concentração de primer. Não foi realizada a correlação entre amplificação via PCR e qualidade de DNA, obtidos de folhas danificadas ou sadias, mas se observou que a adição de BSA (0,075 mg/mL) e o aumento na concentração de primer (0,5 pcmol) (protocolo II) resultou em bandas mais intensas e distinguíveis, porém se ressalta que a qualidade do DNA foi essencial para uma boa amplificação, considerando-se todas as amostras. A amplificação do DNA com o protocolo II possibilitou a seleção de cinco primers: UBC 807, 810, 812, 834 e 848; os quais foram utilizados para a amplificação de13 famílias, compostas de uma planta parental e oito progênies cada.

Palavras-chave : Elaeis guineensis; PCR; ISSR.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )