SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número3PRODUÇÃO DE FORRAGEM E PRESERVAÇÃO DE ESPÉCIES DA CAATINGA ENRIQUECIDA COM GRAMÍNEAS E RALEADA EM FAIXASDESEMPENHO FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE Physalis angulata L. TRATADAS COM PROMOTORES QUÍMICOS índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Caatinga

versão impressa ISSN 0100-316Xversão On-line ISSN 1983-2125

Resumo

SA, FRANCISCO VANIES DA SILVA et al. DESENVOLVIMENTO INICIAL E TOLERÂNCIA DE ESPÉCIES DE PIMENTA AO ESTRESSE SALINO. Rev. Caatinga [online]. 2019, vol.32, n.3, pp.826-833.  Epub 21-Out-2019. ISSN 1983-2125.  http://dx.doi.org/10.1590/1983-21252019v32n327rc.

A salinidade é uma das principais causas da queda de rendimento das culturas, em regiões áridas e semiáridas, sendo necessária a utilização de espécies tolerantes que viabilizem o cultivo nestas áreas. Nesse sentido, objetivou-se verificar a emergência, o crescimento inicial e a tolerância de espécies de pimenta irrigadas com águas salinas. O experimento foi conduzido em ambiente protegido (casa de vegetação), sendo os tratamentos formados a partir do esquema fatorial 5 x 3, usando-se quatro repetições de trinta sementes. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, relativos a cinco níveis de salinidade da água de irrigação (0,6; 1,2; 1,8; 2,4 e 3,0 dS m-1) e três espécies de pimenta [E1 - Capsicum annuum (“Doce Comprida”); E2 - Capsicum frutescens (“Malagueta”); E3 - Capsicum chinense (“De Bico”)]. As plântulas de pimenta foram cultivadas em bandejas de 30 células com capacidade de 0,1 dm3 de substrato, durante 30 dias após a semeadura. Nesse período, as plântulas foram monitoradas quanto à emergência, o crescimento inicial e o acúmulo de matéria seca. O aumento da salinidade da água de irrigação reduz a emergência, o crescimento e o acúmulo de fitomassa das pimentas C. annuum, C. frutescens e C. chinense. As espécies C. annuum, C. frutescens e C. chinense toleram CEa de até 1,78, 2,71 e 1,55 dS m-1 na fase de desenvolvimento inicial, respectivamente, sendo a C. frutescens a mais tolerante ao estresse salino, e a C. chinense, a mais sensível dentre as espécies verificadas.

Palavras-chave : Solanaceae; Capsicum sp; Estresse abiótico; Irrigação.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )