SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número2Prevalência de insatisfação com a imagem corporal e fatores associados em universitários de educação físicaTratamento transdiagnóstico utilizando um protocolo unificado: aplicação em pacientes com diferentes transtornos de humor e ansiedade comórbidos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Trends in Psychiatry and Psychotherapy

versão impressa ISSN 2237-6089

Resumo

PORTELLA, Carolina H. et al. Perfil epidemiológico do suicídio na Região Carbonífera Catarinense de 1980 a 2007. Trends Psychiatry Psychother. [online]. 2013, vol.35, n.2, pp.128-133. ISSN 2237-6089.  http://dx.doi.org/10.1590/S2237-60892013000200006.

INTRODUÇÃO: O suicídio é um problema mundial de saúde pública. Estimativas apontam que, anualmente, mais de 1 milhão de pessoas cometem suicídio em todo o mundo. O Brasil possui um coeficiente mediano de suicídio (4,1 por 100 mil habitantes), porém o fato de ser um país de grandes dimensões faz com que características e níveis de desenvolvimento variem grandemente em diferentes regiões. Nesse aspecto, o sul do país se destaca por possuir índices acima da média nacional. OBJETIVOS: Estimar o perfil do suicídio nos municípios da Região Carbonífera Catarinense no período de 1980 a 2007. METODOLOGIA: Estudo ecológico, temporal, descritivo, que buscou caracterizar os aspectos epidemiológicos em relação aos meios empregados para cometer suicídio, estado civil, gênero, faixa etária e ocupação nos municípios da região nos anos de 1980 a 2007. RESULTADOS: Ocorreram 474 suicídios no período, o que gerou um coeficiente médio de 10,83 por 100.000 habitantes. Houve predomínio masculino, na proporção de 5:1, e pico na faixa etária entre 55 e 64 anos (11,31 por 100.000 habitantes). O meio mais utilizado foi o enforcamento (72%), e a ocupação mais frequente foi a dos trabalhadores braçais (11,60%); em relação ao estado civil, os casados foram os que mais cometeram suicídio (48%). CONCLUSÃO: A Região Carbonífera Catarinense apresenta coeficientes de mortalidade por suicídio acima da média nacional. O presente estudo destaca características próprias do suicídio na região, podendo contribuir para o desenvolvimento de ações preventivas.

Palavras-chave : Suicídio; epidemiologia; sul do Brasil.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons