SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número1Transtorno de personalidade borderline: uma adaptação para o português brasileiro do inventário de rastreamento de Taiwan em sua forma reduzidaAdaptação e validação do Melbourne Decision Making Questionnaire em português brasileiro índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Trends in Psychiatry and Psychotherapy

versão impressa ISSN 2237-6089versão On-line ISSN 2238-0019

Resumo

MOGRABI, Daniel C. et al. Adaptação transcultural e validação da versão brasileira da Escala de Crenças sobre Emoções. Trends Psychiatry Psychother. [online]. 2018, vol.40, n.1, pp.21-28. ISSN 2238-0019.  https://doi.org/10.1590/2237-6089-2017-0064.

Introdução

Crenças sobre a inaceitabilidade da expressão e experiência de emoção estão presentes na população em geral, mas parecem ser mais prevalentes em pacientes com uma série de problemas de saúde. Tais crenças, que podem ser vistas como uma forma de perfeccionismo sobre as emoções, podem ter um efeito deletério na sintomatologia, bem como na adesão ao tratamento e nos seus resultados. No entanto, poucos questionários foram desenvolvidos para medir tais crenças sobre emoções, e nenhum instrumento foi validado em um país em desenvolvimento. O presente estudo adaptou e validou a Escala de Crenças sobre Emoções (Beliefs about Emotions Scale) em uma amostra brasileira.

Métodos

O procedimento de adaptação incluiu tradução, retrotradução e análise do conteúdo, com a versão final brasileira da escala sendo testada online em uma amostra de 645 participantes. A consistência interna da escala foi muito alta e os resultados da análise fatorial de eixo principal indicaram uma solução de dois fatores.

Resultados

Os respondentes com altos níveis de fadiga mostraram crenças mais perfeccionistas, e a escala se correlacionou positivamente com questionários medindo ansiedade, depressão e medo de avaliação negativa, confirmando associações transculturais relatadas anteriormente. Finalmente, homens, não caucasianos e participantes com baixo nível de escolaridade endossaram mais tais crenças do que mulheres, indivíduos caucasianos e participantes com maior nível de escolaridade.

Conclusões

O estudo confirma achados clínicos anteriores relatados na literatura, mas indica novas associações com variáveis demográficas. O último pode refletir diferenças culturais relacionadas às crenças sobre emoções no Brasil.

Palavras-chave : Crenças; emoção; regulação emocional; perfeccionismo; validação.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )