SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número3Abordando pacientes com hiper-reflexão e perplexidade: uma investigação qualitativa empíricaDiversidades socioeconômicas e o desenvolvimento infantil de 6 a 9 meses no estado de São Paulo, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Trends in Psychiatry and Psychotherapy

versão impressa ISSN 2237-6089versão On-line ISSN 2238-0019

Resumo

KONRADT, Caroline Elizabeth et al. Impacto da resiliência na melhora dos sintomas depressivos após terapias cognitivas para depressão em uma amostra de adultos jovens. Trends Psychiatry Psychother. [online]. 2018, vol.40, n.3, pp.226-231. ISSN 2238-0019.  https://doi.org/10.1590/2237-6089-2017-0047.

Introdução

Poucos estudos têm avaliado medidas positivas de resposta terapêutica. Assim, o objetivo deste estudo foi verificar os efeitos da resiliência na severidade dos sintomas depressivos e ansiosos após psicoterapia cognitiva breve para depressão.

Métodos

Trata-se de um estudo de intervenção clínica aninhado a um ensaio clínico com dois diferentes modelos de terapia cognitiva. A Resilience Scale foi aplicada no baseline, enquanto que a Hamilton Anxiety Rating Scale e a Hamilton Depression Rating Scale foram utilizadas no baseline, após a intervenção e no acompanhamento de seis meses.

Resultados

Sessenta e um pacientes foram avaliados no baseline, no pós-intervenção e no acompanhamento de seis meses. Os escores de resiliência foram significativamente diferentes entre as avaliações de baseline e pós-intervenção (p<0,001), bem como no baseline vs. acompanhamento de seis meses (p<0,001). Observamos uma correlação negativa fraca entre os escores de resiliência no baseline e os escores de sintomas depressivos no pós-intervenção (r=-0,295; p=0,015) e em seis meses de acompanhamento (r=-0,354; p=0,005). Além disso, observamos uma correlação negativa fraca entre os escores de resiliência e sintomas ansiosos no pós-intervenção (r=-0,292; p=0,016).

Conclusão

Indivíduos com maiores escores de resiliência na avaliação pré-tratamento apresentaram uma menor severidade de sintomas no pós-intervenção e no acompanhamento de seis meses.

Palavras-chave : Terapia cognitiva; resiliência; transtorno depressivo maior; resposta terapêutica.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )