SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 issue3Noun phrase dictation as a writing assessment instrument: a psychometric analysisReproducibility assessment of an instrument for measuring the axial force of the tongue author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


CoDAS

On-line version ISSN 2317-1782

Abstract

HASHIMOTO, Patrícia Tiemi; PAGAN-NEVES, Luciana de Oliveira; JESUS, Luis Miguel Teixeira de  and  WERTZNER, Haydée Fiszbein. Medidas aerodinâmicas, eletroglotográficas e acústicas na produção da fricativa pós-alveolar vozeada. CoDAS [online]. 2018, vol.30, n.3, e20170177.  Epub June 28, 2018. ISSN 2317-1782.  https://doi.org/10.1590/2317-1782/20182017177.

Objetivo

Descrever e correlacionar medidas fonológicas à aerodinâmica, EGG, acústica e julgamento perceptivo da produção do som /ʒ/, comparando o desempenho de crianças com e sem transtorno fonológico, falantes do Português Brasileiro.

Método

Participaram 30 crianças com idade entre 5:0 e 7:11 anos separadas em grupo controle e grupo de crianças com transtorno fonológico. Avaliou-se a fonologia (cálculo de PCC e PCC-R e ocorrência dos processos fonológicos) e as medidas aerodinâmicas (amplitude do fluxo aéreo oral e f0), eletroglotográficas (quociente de abertura) e acústicas (classificação do vozeamento).

Resultados

As crianças com transtorno fonológico apresentaram, numericamente, amplitude do fluxo oral relativo maior, f0 relativo menor e quociente de abertura indicativo de uma voz menos eficiente na produção do vozeamento quando comparadas às crianças sem transtorno fonológico. Os valores de weak voicing demonstraram que, em 66,1% das crianças com transtorno fonológico, o vozeamento da fricativa foi mais fraco, comparado ao da vogal seguinte, e a comparação entre grupos indicou que essas crianças apresentaram maior dificuldade no vozeamento. Quanto à descrição da classificação de vozeamento, de acordo com a análise acústica e do weak/strong voicing, verificou-se que há algumas variações, principalmente para a classificação “parcialmente desvozeado”.

Conclusão

Os resultados sugerem que as estratégias de produção e manutenção do vozeamento da fricativa vozeada /ʒ/ ainda são variáveis em crianças na idade estudada, porém as crianças com transtorno fonológico parecem ter mais dificuldades em utilizá-las de modo eficaz. Além disso, o estudo aponta para a importância da aplicação de provas complementares para um diagnóstico mais detalhado.

Keywords : Transtorno Fonológico; Medida da Produção da Fala; Avaliação; Criança; Fonoaudiologia.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )