SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.1 número1Hábitos parafuncionais e sua associação com o nível de atividade física em adolescentesTranstorno de estresse pós-traumático e disfunção temporomandibular: uma revisão e implicações clínicas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


BrJP

versão impressa ISSN 2595-0118versão On-line ISSN 2595-3192

Resumo

ROYER, Bárbara Caroline et al. Comparação da terapia combinada com corrente interferencial associada ao ultrassom em indivíduos saudáveis. BrJP [online]. 2018, vol.1, n.1, pp.51-54. ISSN 2595-3192.  https://doi.org/10.5935/2595-0118.20180011.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS:

Apesar de utilizada no campo terapêutico, há escassez de estudos que avaliem a terapia combinada ou a associação de correntes elétricas ao ultrassom terapêutico. O objetivo deste estudo foi comparar as duas formas em indivíduos saudáveis, analisando o limiar de dor ao frio e à pressão, número de acomodações e intensidade da corrente.

MÉTODOS:

Trinta voluntários saudáveis revezaram em três grupos de forma cruzada durante três semanas. A nocicepção foi avaliada por meio de estímulos pressóricos e térmicos na coluna lombar e dermátomos. Em seguida, o voluntário teve seu pé submerso em água fria, e avaliado o limiar e a intensidade da dor. Logo após foi aplicado a eletroanalgesia (terapia combinada, apenas associação da corrente com ultrassom, ou placebo), por 15 minutos. Para corrente interferencial bipolar, foram utilizados frequência de 4kHz e frequência modulada pela amplitude de 100Hz, com um eletrodo sobre L3 e o outro sobre S1. Quando se utilizou a terapia combinada, o cabeçote do ultrassom (1MHz) fez o papel do eletrodo posicionado sobre a região de L5-S1, na forma contínua, com dose de 0,4W/cm2. Foi avaliada a intensidade da corrente inicial e final, além do número de acomodações.

RESULTADOS:

Não houve diferença significativa entre os limiares dolorosos à pressão e ao frio, mas a terapia combinada, apesar de ter apresentado menor número de acomodações, necessitou maior intensidade da corrente.

CONCLUSÃO:

Nenhuma das terapias produziu diferença nos limiares dolorosos, mas a terapia combinada apresentou menor número de acomodações.

Palavras-chave : Analgesia; Estimulação elétrica nervosa transcutânea; Mensuração da dor; Modalidades de fisioterapia; Terapia por ultrassom.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )