SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.69 número6Terapia de curta duração da tuberculose: uma análise discursivaDiálise peritoneal: cuidado familiar ao cliente renal crônico em tratamento no domicílio índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Enfermagem

versão impressa ISSN 0034-7167versão On-line ISSN 1984-0446

Rev. Bras. Enferm. vol.69 no.6 Brasília nov./dez. 2016

http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0302 

PESQUISA

Tecnologia para o autocuidado da saúde sexual e reprodutiva de mulheres estomizadas

Tecnología para el autocuidado de la salud sexual y reproductiva de las mujeres ostomizadas

Andressa Ferreira Leite Ladislau AlbuquerqueI 

Ana Karina Bezerra PinheiroII 

Francisca Márcia Pereira LinharesI 

Tatiane Gomes GuedesI 

IUniversidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Recife-PE, Brasil.

IIUniversidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Fortaleza-CE, Brasil.


RESUMO

Objetivo:

validar uma tecnologia do tipo cartilha impressa para o autocuidado na saúde sexual e reprodutiva de mulheres estomizadas.

Método:

estudo metodológico, com foco na construção e validação de cartilha impressa. O conteúdo da cartilha foi validado por 11 enfermeiros juízes especialistas, segundo o Índice de Validade de Conteúdo (CVI) maior ou igual a 0,80. A aparência foi validada por 9 mulheres estomizadas segundo avaliação da dificuldade e da conveniência do material educativo.

Resultados:

a cartilha foi considerada válida segundo os especialistas, com média global de CVI igual a 0,87 e, segundo o público-alvo, com 100% de concordância quanto à adequação da organização, estilo da escrita, aparência e motivação da cartilha.

Conclusão:

a tecnologia educativa em questão foi validada segundo conteúdo e aparência, constituindo-se, portanto, em um recurso adequado, confiável e de fácil compreensão para a aquisição de conhecimentos sobre o autocuidado na saúde sexual e reprodutiva de mulheres estomizadas.

Descritores: Estomia; Mulheres; Estudo de Validação; Autocuidado; Saúde Sexual e Reprodutiva

RESUMEN

Objetivo:

validar una tecnología de tipo folleto impreso para el autocuidado de la salud sexual y reproductiva de las mujeres ostomizadas.

Método:

estudio metodológico, centrándose en la construcción y validación del folleto impreso. El contenido del folleto fue validado por 11 enfermeros jueces expertos, de acuerdo con el índice de validez de contenido (IVC) mayor que o igual a 0,80. El aspecto visual fue validado por nueve mujeres ostomizadas con respecto a la evaluación de la dificultad y la adecuación del material educativo.

Resultados:

el folleto impreso fue considerado válido según los expertos, con media global de IVC igual a 0,87, y según el público objetivo, con el acuerdo del 100% sobre la idoneidad de la organización, el estilo de escritura, el aspecto visual y la motivación del manual impreso.

Conclusión:

la tecnología educativa en cuestión fue validada de acuerdo con el contenido y el aspecto visual, y considerada un recurso adecuado, fiable y fácil de entender para la adquisición de conocimientos sobre el autocuidado en salud sexual y reproductiva de las mujeres ostomizadas.

Descriptores: Ostomía; Mujeres; Estudio de Validación; Autocuidado; Salud Sexual y Reproductiva

ABSTRACT

Objective:

to validate the technology of printed booklets on self-care for ostomized women's sexual and reproductive health.

Method:

a methodological study was performed with a focus on the construction and validity of a printed booklet. The content of this booklet was validated by 11 specialist judges/nurses, according to a Content Validity Index (CVI) equal to or higher than 0.80. Appearance was validated by nine ostomized women, according to an assessment of the difficulty and convenience of the educational material.

Results:

the booklet was validated by specialists, with an overall mean CVI equal to 0.87. Moreover, the target population showed 100% of agreement in terms of the adequacy of organization, writing style, appearance and motivation of this booklet.

Conclusion:

the educational technology in question was validated according to content and appearance, thus representing an adequate, reliable and easily understandable resource to acquire knowledge about self-care for ostomized women's sexual and reproductive health.

Descriptors: Ostomy; Women; Validity Study; Self-care; Sexual and Reproductive Health

INTRODUÇÃO

O termo "estomizado" tem sido usado para designar a pessoa que possui uma estomia. Por sua vez, estomia ou ostomia são utilizados para indicar a exteriorização, de origem cirúrgica, de qualquer víscera oca, podendo ser temporária ou definitiva(1).

Segundo a Internacional Ostomy Association, em países com um bom nível de assistência médica, há cerca de 1 estomizado para cada 1.000 habitantes, podendo ser bem superior nos países menos desenvolvidos. O último levantamento estatístico da Associação Brasileira de Ostomizados apontou que, em 2003, no Brasil, havia 34.262 pessoas estomizadas, das quais 53% eram mulheres(2).

Dados epidemiológicos apontam as neoplasias malignas e as doenças inflamatórias intestinais como principais causas para confecção de estomias; no entanto, o crescente aumento de incidência das causas externas tem representado percentual importante nos grandes centros urbanos, alterando o perfil de pessoas estomizadas, ora predominantemente constituído por idosos, resultando em um número crescente de homens e mulheres adultos jovens(2).

A pessoa submetida a cirurgia de confecção de estomia se depara com a necessidade de superar não somente as dificuldades relacionadas ao tratamento da doença ou trauma de base, mas também as mudanças de vida em decorrência da imagem corporal modificada. A alteração da forma e da percepção de corpo pode resultar em dificuldades de aceitação da nova condição de vida, com diferentes graus de intensidade e repercussões, inclusive nos aspectos relativos aos cuidados com a saúde sexual e reprodutiva(3).

Sobre o corpo feminino, o impacto da sexualidade pode ser ainda mais negativo, considerando o estereótipo de corpo perfeito culturalmente instituído pela sociedade, representado pela integridade e padronização da boa forma(4).

O impacto psicológico causado pela forte influência da mudança da imagem corporal nos conceitos sociais de beleza, corpo e sexualidade soma-se, ainda, às possíveis disfunções fisiológicas secundárias à cirurgia de estomização. Para a mulher, o processo cirúrgico comumente resulta na diminuição ou perda da libido, na dispareunia, no ressecamento e na estenose vaginal ou, ainda, no desenvolvimento de sentimentos como insegurança ante o dispositivo aderido ao abdome, autorrepugnação e vergonha do novo corpo(5).

As repercussões vivenciadas na vida sexual de algumas mulheres, durante o processo de adaptação à estomia, decorrem da perda do autorreconhecimento como um ser sexual e atraente para o(a) parceiro(a), da negação às necessidades básicas sexuais e da percepção da sexualidade como secundária, representando um alto grau de impacto sobre sua qualidade de vida(4,6).

Apesar disso, a abordagem à sexualidade no cuidado multidisciplinar do indivíduo estomizado encontra-se muito restrita e permeada por tabus(7). Estudos apontam que as orientações de saúde frequentemente limitam-se às questões referentes ao material utilizado e as maneiras de evitar lesão de pele(8-9).

O Conselho Mundial de Estomaterapia, World Council of Enterostomy Therapists - WCET, buscando ações que minimizem o impacto gerado pela estomia, definiu, entre suas recomendações, a oferta e o desenvolvimento de novos recursos e materiais educativos na assistência especializada, com foco na educação para o autocuidado e no processo de adaptação(10), o que implica o reconhecimento das necessidades biopsicossociais gerais do indivíduo com estomia.

É necessário, pois, que a equipe multiprofissional - e o enfermeiro sobretudo, destaque no processo de educação em saúde - busque a utilização de estratégias educativas que auxiliem o estabelecimento de uma comunicação eficaz com a pessoa estomizada, como também sua retomada às atividades cotidianas de forma inclusiva, participativa e empoderadora, para além dos aspectos físicos de cuidado(11), exigindo do profissional um olhar sensível para as questões envolvidas no autocuidado da saúde sexual e reprodutiva.

Nesse sentido, as tecnologias educativas têm sido consideradas ferramentas facilitadoras do diálogo, do fortalecimento da relação cliente-profissional, bem como da formação de uma consciência crítica/orientada para uma vida saudável. A efetivação dos cuidados de enfermagem, na perspectiva da saúde sexual e reprodutiva de mulheres estomizadas, pressupõe, portanto, o uso das tecnologias educativas como um caminho inovador para a informação em saúde.

O uso de materiais educativos impressos, como cartilhas, assume um papel importante no processo de educar, não apenas por promover a mediação de conteúdos de aprendizagem, mas também por funcionarem como recurso de fácil acesso à informação, sendo possível ao paciente e sua família consultá-lo sempre que acharem necessário, inclusive em domícilio(12). Para que a informação atenda ao objetivo a que se propõe ao leitor, as cartilhas educativas em saúde requerem certo grau de validade e o seguimento de pré-requisitos metodológicos de seleção e apresentação de conteúdo e linguagem que contribuam para uma melhor assimilação da informação(13).

Dessa forma, disponibilizar um material educativo validado à mulher estomizada confere maior qualidade ao processo de ensino-aprendizagem na assistência em saúde, reforçando a confiabilidade das orientações.

Do exposto, objetivou-se descrever o processo de construção e validação de uma tecnologia educativa, do tipo cartilha, com orientações para o autocuidado na saúde sexual e reprodutiva de mulheres estomizadas.

MÉTODO

Aspectos éticos

A pesquisa, aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco, atendeu às normas da Resolução N°466/12, que trata das diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos.

Desenho e período do estudo

Estudo metodológico, do tipo construção e validação de uma tecnologia educativa, desenvolvido no período de outubro de 2013 a novembro de 2014. Tal estudo refere-se a uma estratégia de pesquisa com foco no desenvolvimento, na validação e na avaliação de ferramentas e métodos de pesquisa(14).

População

Para a seleção dos participantes, considerou-se as recomendações de Pasquali(15) sobre o número ideal de juízes especialistas e público-alvo. Logo, participaram da etapa de validação de conteúdo e de aparência, 11 enfermeiros e nove mulheres estomizadas, respectivamente.

Incluíram-se juízes especialistas com alto grau de conhecimento e experiência em sua área de atuação, selecionados por meio do modelo adaptado de Fehring(16), que atingiram pontuação mínima de 5 pontos, conforme os seguintes aspectos: titulação; produção científica; e tempo de atuação com a temática em discussão. Foram excluídos os profissionais que não alcançaram a pontuação mínima estabelecida, ou seja, com baixo grau de conhecimento e experiência em sua área de atuação.

Na etapa de validação de conteúdo, as mulheres estomizadas, cadastradas no Programa de apoio ao Estomizado do Recife-PE, foram selecionadas considerando-se os seguintes critérios de inclusão: ter no mínimo um ano de estomia intestinal e/ou urinária; e idade igual ou superior a 18 anos.

Excluiu-se mulheres com outras estomias que não fossem intestinais e/ou urinárias, com tempo de cirurgia menor que um ano e idade inferior a 18 anos. Para o tempo de cirurgia estabelecido, considerou-se que no primeiro ano pós-cirurgia os pacientes relatam menor grau de aceitação com a nova condição de vida, estando envolvidos com os aspectos fisiológicos e de manejo do equipamento, pois mudanças secundárias à estomia, impressas na vida do estomizado, requerem tempo para sua aceitação e para o aprendizado do autocuidado(9,17).

Protocolo do estudo

O conteúdo da cartilha, selecionado por meio de revisão da literatura científica e levantamento bibliográfico, constituiu-se de uma breve apresentação, seguida de seções de orientações relacionadas à Autocuidado, Saúde sexual e reprodutiva, Sexo seguro, Sexo e ostomia, Dicas para os momentos de intimidade, Gravidez e ostomia, Autoestima no cuidado da saúde sexual e reprodutiva, Rede de apoio, bem como, de ilustrações acompanhadas de legenda.

Para a construção da cartilha, seguiu-se um modelo processual de elaboração de materiais impressos em saúde, com recomendações quanto à linguagem, layout e ilustração(12). A elaboração das ilustrações, a diagramação do texto e a disposição do layout foram realizadas por profissional designer.

As recomendações que os materiais educativos em saúde sejam escritos em linguagem de fácil leitura, entendimento e legibilidade justificam o emprego do Índice de Legibilidade de Flesch (ILF), que prediz o nível de escolaridade e mede a dificuldade estrutural do texto escrito. No Brasil, a adaptação do ILF, para textos em português, classifica os textos com IFL maiores que 50 como compatíveis com níveis de escolaridade de seis a nove anos de estudo, sendo, portanto, de fácil a muito fácil leitura(18).

A versão final da cartilha possui dimensão de 15 × 21 cm, 23 páginas, excluindo-se a capa, contracapa, mensagem da autora e a carta à leitora. Cada página tem no mínimo uma e no máximo três ilustrações, totalizando 20 ilustrações.

Finalizada a primeira versão da cartilha, iniciou-se o processo de validação de conteúdo e de aparência.

A validação de conteúdo compõe a avaliação do universo de informações que fornece a estrutura e a base para formulação de questões que representem adequadamente o conteúdo(15-16,18-19). Após a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, foram enviados o questionário de caracterização, o material educativo em versão digital e o instrumento de validação de conteúdo, que consistiu em uma adaptação do modelo de Validação de Conteúdo Diagnóstico de Enfermagem(20). Para tanto, preparou-se um questionário semiestruturado com 17 assertivas, organizado em formato de escala de Likert com cinco opções de julgamento: concordo totalmente, concordo, nem concordo nem discordo, discordo e discordo totalmente. Cada assertiva correspondeu a um item de avaliação, distribuídos em três domínios avaliativos (Objetivo, Estrutura e organização, e Relevância). Constaram, ainda, espaços destinados a sugestões e comentários gerais. As falas dos juízes especialistas participantes foram identificadas pelas iniciais "JE", seguidas do número do instrumento preenchido.

Finalizada a validação de conteúdo, realizaram-se ajustes necessários, e a cartilha foi impressa para a validação de aparência.

A validade aparente, também chamada de semântica ou de face, consiste na avaliação da facilidade da leitura, da compreensão e da aparência por meio do julgamento pelo público-alvo a que se destina a tecnologia produzida(15).

As mulheres participantes avaliaram a cartilha quanto à organização, estilo da escrita, aparência e motivação. Utilizou-se um formulário autoaplicado para a caracterização das participantes e avaliação da dificuldade e da conveniência do material educativo, adaptado da Suitability Assessment of Materials (SAM)(21). Ao final, indagou-se quanto à identificação de algum erro ou falta de algum assunto importante a ser abordado, assim como comentários gerais e sugestões. As falas das estomizadas participantes foram codificadas pela letra "E", seguidas do número do formulário preenchido.

Análise dos resultados e estatística

Para a análise dos dados da validação de conteúdo, utilizou-se o Índice de Validade de Conteúdo (Content Validity Index - CVI), considerando o I-CVI (Item-Level Content Validity Index) e o S-CVI/Ave (Scale-Level Content Validity Index/Average Calculation Method). Empregou-se como ponto de corte, o Índice de Validade de Conteúdo (CVI) igual a 80% (0,80)(22). Os itens que tiverem média inferior ao CVI estabelecido no estudo foram modificados.

Os dados da validação de aparência foram tabulados no programa Microsoft Office Excel, e a frequência absoluta e a concordância foram analisadas segundo o CVI.

RESULTADOS

A cartilha foi composta de seções de orientações, nas quais foram destacados os conceitos de autocuidado, saúde sexual, saúde reprodutiva e autoestima, bem como, direitos sexuais e reprodutivos. Há dicas de cuidados para os momentos de intimidade e informações acerca da gravidez, do planejamento familiar e da rede de apoio para o processo de adaptação, além de uma seção intitulada "Verdadeiro ou falso", constituída para revisar as orientações apresentadas e esclarecer possíveis dúvidas. A capa foi desenvolvida com diversas ilustrações contidas no interior da cartilha a fim de representar seu conteúdo e mensagem principal à leitora (Figura 1).

Fonte: autoras

Figura 1 Secções da cartilha 

Dos 11 juízes especialistas participantes, sete eram estomaterapeutas, com tempo médio de experiência assistencial/pesquisa na área de estomias de 16,7 anos (Desvio-Padrão - dp = 10,6). A experiência assistencial/pesquisa em saúde sexual e reprodutiva foi relatada por sete juízes. Seis juízes possuíam experiência anterior na elaboração/validação de tecnologias educativas. A adequação e validade dos temas foram confirmadas no processo de validação de conteúdo. Os três domínios avaliados da cartilha (Objetivo, Estrutura e organização, e Relevância) foram considerados válidos, pois obtiveram média de concordância por domínio maior ou igual a 80%.

A Tabela 1 apresenta a distribuição da freqüência absoluta de escores obtidos pelo julgamento dos juízes especialistas de acordo com os domínios avaliados e a análise da concordância da adequação dos itens da validação de conteúdo.

Tabela 1 Índice de Validade de Conteúdo segundo o julgamento dos juízes-especialistas quanto à Objetivo, à Estrutura e apresentação e à Relevância, em frequência absoluta e média percentual de concordância, Recife, Pernambuco, Brasil, 2014 

Itens avaliados Escores* (N=11) I-CVI**
CT C NCND D DT
1. Objetivo
1.1 Coerência das informações com a promoção do autocuidado 5 5 1 0 0 0,90
1.2 Informações cientificamente corretas 3 7 0 1 0 0,90
1.3 As informações instigam a mudanças de comportamento e atitude 5 6 0 0 0 1,00
1.4 Atende às necessidades de informação das estomizadas 4 6 1 0 0 0,90
1.5 Atende a diferentes níveis sócio-culturais 4 5 1 1 0 0,81
Subtotal 21 29 3 2 0
Percentual de concordância (S-CVI/AVE***) 90,2% (0,90)
2. Estrutura e apresentação
2.1 Clareza e objetividade da linguagem 5 3 1 2 0 0,72
2.2 Lógica na sequência de ideias 5 5 0 1 0 0,90
2.3 Concordância e ortografia 3 7 0 1 0 0,90
2.4 Tamanho da fonte e tipo de letra 4 3 1 2 1 0,63
2.5 Cores e layout 4 4 2 1 0 0,72
2.6 Coerência entre as ilustrações e o conteúdo 6 4 0 1 0 0,90
2.7 Quantidade de ilustrações 5 5 0 1 0 0,90
2.8 Desperta o estimulo à leitura do material 5 6 0 0 0 1,00
2.9 Número de páginas 4 6 1 0 0 0,90
Subtotal 41 43 5 9 1
Percentual de concordância (S-CVI/AVE***) 84,1% (0,84)
3. Relevância 3.1 Pertinência para circulação em meio científico 5 6 0 0 0 1,00
3.2 Propõe construção de conhecimento 6 5 0 0 0 1,00
3.3 Atende às necessidades de cuidado na saúde sexual e reprodutiva 5 3 3 0 0 0,77
Subtotal 16 14 3 0 0
Percentual de concordância (S-CVI/AVE***) 90,6% (0,90)

Nota:

*Escores: CT = concordo totalmente; C = concordo; NCND = Não concordo nem discordo; D = discordo; DT = discordo totalmente;

**I-CVI = Item-Level Content Validity Index;

***S-CVI/Ave = Scale-Level Content Validity Index/Average Calculation Method.

A média para todos os itens da cartilha, que representa a validade de conteúdo global da cartilha (S-CVI/AVE global) foi igual a 0,87, ou seja, acima do CVI desejável.

A análise dos comentários/sugestões dos especialistas, na validação de conteúdo, demonstrou a adequação da representação comportamental dos itens e destacou as modificações necessárias.

Apresentaram julgamento de discordância os itens 2.1 (I-CVI 0,72), 2.4 ( I-CVI 0,0,63) e 2.5 (I-CVI 0,72) pertinentes à clareza e objetividade da linguagem, ao tamanho e tipo da fonte, e às cores e layout, respectivamente. Apesar do item 3.3, referente à coerência entre as informações apresentadas e as necessidades de cuidado da saúde sexual e reprodutiva de estomizadas, ter apresentado IVC abaixo do ponto de corte estabelecido, não recebeu quaisquer sugestões ou comentários pelos avaliadores.

Conforme sugestão dos juízes, para uma maior clareza da linguagem, foram substituídos os termos/expressões "gravidez indesejada", "ostomização", "encobrimento" e "alças intestinais" por equivalentes semânticos mais simples, "gravidez não planejada", "cirurgia de ostomia", "disfarçar" e "intestino", respectivamente.

Considerou-se a possibilidade da baixa concordância entre os juízes para os itens referentes ao tamanho e tipo da fonte, além dos itens cores e layout, estar associada ao fato de o material ter sido avaliado em formato eletrônico, estando passível de visualização em proporções de ajuste de tela menores que 100% e distorções das tonalidades de cor, não representando fidedignamente a aparência real do material impresso em 1/2 folha A4, orientação paisagem. Ressalta-se, nesse sentido, que se manteve para a etapa de validação de aparência pelo público-alvo, as recomendações do referencial teórico utilizado para elaboração da cartilha.

A validação da quantidade de ilustrações e números de páginas sugere o alcance da leveza visual do material e o entendimento de que uma maior quantidade de informações não necessariamente representaria um melhor aproveitamento da informação, como apontam os itens 2.7 e 2.9 referentes, respectivamente, à quantidade de ilustrações e números de páginas, que obtiveram I-CVI de 0,90, avaliação positiva e de adequação do layout.

Três juízes especialistas destacaram a relevância da cartilha no meio científico e ao público-alvo:

Uma contribuição para a construção do conhecimento no cuidado ao estomizado. (JE7)

Uma iniciativa capaz de ajudar muitas mulheres a superarem seus medos e se autoafirmarem. (JE8)

Um material de colorido agradável e linguagem fácil de ser assimilada. (JE10)

Na validação de aparência, realizada em um único grupo, a idade mínima das participantes foi de 28 anos e máxima de 51 anos, com média de 38 anos. Quanto ao tempo de estudo, cinco anos de estudo foi o valor mínimo e 16 o valor máximo, com média de 9,6 anos (dp = 3,8). Cinco mulheres possuíam estomia intestinal do tipo colostomia e quatro do tipo ileostomia, sendo seis definitivas e três temporárias. O tempo médio de estomia foi de 3 anos (dp = 6). Os motivos relatados para a confecção da estomia foram doença inflamatória intestinal, doença de Chron e câncer colorretal ou ginecológico. Cinco mulheres mantinham vida sexual ativa pós-estomia.

Na avaliação da dificuldade e conveniência da cartilha, 100% das mulheres estomizadas assinalaram "sim" para todos os aspectos da validação de aparência: organização - forma de apresentar as orientações, incluindo a coerência, a estrutura e a estratégia de apresentação das informações; estilo da escrita - características linguísticas, compreensão e estilo da escrita do material educativo apresentado; aparência - distribuição das informações, adequação de layout, fonte e ilustrações; e motivação - capacidade do material em causar algum impacto, motivação e/ou interesse, assim como ao grau de significação do material educativo apresentado.

Os comentários a seguir retratam o resultado dessa etapa da validação:

As figuras da capa mostram do que fala a cartilha [...]. As informações deixam bem claro como devemos fazer. (E4)

É fácil de entender [...] o texto é bem esclarecido. (E1)

A ostomia deixa a maioria das mulheres constrangidas com relação ao sexo... ao lerem a cartilha, elas terão uma opinião diferente. (E8)

Muitas mulheres apresentam dificuldade em ter relações sexuais [...] precisa-se escrever mais para os ostomizados. (E9)

DISCUSSÃO

Aspectos como sexualidade, gênero e saúde reprodutiva, sobretudo de mulheres estomizadas, são poucos investigados no universo científico, o que retrata deficiência na área da saúde integral à mulher. Em Portugal, levantamento das necessidades de informação sobre a sexualidade, com 135 participantes estomizados, identificou que 50% não havia recebido qualquer informação antes ou após a cirurgia, dos quais 51% eram mulheres(23).

A maioria das pacientes estomizadas apresenta algum tipo de dificuldade no âmbito da sexualidade, seja relacionada às disfunções fisiológicas decorrentes de procedimentos cirúrgicos - como a diminuição ou perda da libido, dispareunia, ressecamento ou estreitamento vaginal(3-4,8) -, seja relacionada ao impacto psicológico decorrente da mudança da imagem corporal, manifestado por sentimentos de insegurança e vergonha com o corpo(5,7).

No entanto, análise de produções científicas nacionais e internacionais, sobre as práticas educativas em saúde desenvolvidas pelo enfermeiro às pessoas com estomia, observou a utilização de um programa de multimídia e de uma cartilha, direcionados, sobremaneira, aos direitos dos estomizados, aos cuidados com a estomia, à importância da família para o cuidado e às atitudes de autocuidado após a cirurgia(24). Outros estudos também elucidam que orientações de saúde destinadas ao público estomizado referem-se, apenas, ao manejo com as bolsas coletoras e com a pele(8-9).

Oferecer informação sobre saúde sexual e reprodutiva - por meio da tecnologia educativa proposta nesse estudo, em consonância com as propostas de elaboração e distribuição de manuais técnicos e cartilhas educativas sobre reprodução e sexualidade do Ministério da Saúde - reforça uma postura de cidadania e de integralidade do cuidado à mulher e de empoderamento sobre os direitos, como exercício da autonomia e autocuidado(3-7), além de contribuir para o desenvolvimento de novos conhecimentos, atitudes, comportamentos e habilidades ante a sua nova condição de vida, podendo auxiliá-las em seu processo de adaptação e desempenho das necessidades básicas relacionadas a sexualidade, autoimagem e autoconceito(6,9).

Dentre as tecnologias educativas de saúde, os materiais educativos impressos como as cartilhas educativas, por serem ferramentas facilitadoras do processo de ensino-aprendizagem, são reconhecidamente utilizadas no processo de aquisição, aproveitamento e aprofundamento de conhecimentos, de domínio, de habilidades e de tomada de decisão. Seu uso é justificado tendo em vista o reforço às orientações verbais, servindo como guia de informações no caso de dúvidas posteriores e auxiliando o enfrentamento e soluções de problemas de saúde pelo próprio usuário(12).

Do exposto, acredita-se que vivenciar a sexualidade com conhecimento sobres os direitos sexuais e reprodutivos por mulheres estomizadas poderá lhes possibilitar experimentar uma vida sexual informada, agradável, segura e baseada na autoestima, propiciando a melhoria de sua qualidade de vida e de suas relações pessoais, bem como a expressão de sua identidade própria como pessoa, em detrimento da presença da estomia(25).

No presente estudo, as questões de sexualidade foram contempladas por meio de informações sobres os benefícios do uso de lubrificantes vaginal para diminuição do desconforto durante a relação sexual e das sugestões ilustradas para a adequação do momento de intimidade da mulher estomizada, entre elas o uso de roupas e lingeries confortáveis e adaptadas que valorizem a sensualidade e a elevação da autoestima da mulher; a busca do prazer por meio de carícias, novas posições para o sexo ou masturbação mútua; o uso da música para encobrimento dos ruídos de gazes; o esvaziamento ou troca da bolsa antes da relação sexual; o uso de dispositivos coletores ajustados ao tipo de estomia; e, ainda, a possibilidade da irrigação intestinal como recurso alternativo ao uso da bolsa coletora(17).

Elucidadas as questões relativas ao sexo, o autocuidado para a saúde sexual e reprodutiva de mulheres que poussem estomia deve considerar a possibilidade do desejo da estomizada de engravidar. A gestação é possível para algumas mulheres estomizadas, a depender do tipo de doença que levou a fazer a estomia e os órgãos afetados pelos tratamentos ou procedimento cirúrgico(25). Assim sendo, foram apresentadas a necessidade de avaliação médica das condições e riscos para a concepção, e algumas das possíveis complicações decorrentes do crescimento da barriga durante a gestação, destacando-se a importância do acompanhamento pré-natal especializado na condução da gravidez.

Durante todo o processo de adaptação, a pessoa estomizada busca uma rede de apoio, amigos, familiares, profisssionais e outros estomizados, que posssam contribuir para o enfrentamento dos desafios advindos da presença do estoma(8,26). Foram realçados os papéis dos familiares, profissionais de saúde e outros estomizados como essenciais no aprendizado do cuidado, tendo como resultado a segurança, a reabilitação e a convivência de forma harmônica com a nova condição.

Considerado o conteúdo apresentado, com concordância de 90,2% e média S-CVI/Ave de 0,90 entre os juízes especialistas, obteve-se a aceitação dos itens quanto ao atendimento do domínio objetivo, ou seja, a capacidade das orientações apresentadas na cartilha desperta, por meio da leitura, a mudança de comportamentos e atitudes.

Embora as tecnologias educativas impressas, a exemplo das cartilhas, venham sendo amplamente utilizadas na comunicação em saúde, a fim de facilitar o processo de ensino-aprendizagem, sua aplicabilidade está passível de limitações relacionadas à habilidade de leitura e ao nível de escolaridade do leitor(12-13).

Entendendo-se que o vocabulário utilizado em materiais impressos deve ser coerente com a mensagem que se pretende transmitir e com o público-alvo a que se destina e, ainda, que sua leitura deve ser fácil, convidativa e compreensível(12), optou-se por utilizar as palavras "ostoma", "ostomia" e "ostomizada" como forma de identificar o público-alvo pelos termos familiares adotados comumente pelo mesmo.

Com um Índice de Legibilidade de Flesch (ILF) igual a 60, a cartilha foi classificada como de leitura fácil. O que converge com o resultado de 100% de concordância do público-alvo, com escolaridade entre 1 a 8 anos de estudo, quanto à legibilidade da cartilha.

Para serem consideradas eficazes, as mensagem em saúde, escritas ou não, devem ser sucintas, relevantes, bem elaboradas e compreendidas e, para tanto, destaca-se a importância das ilustrações, do layout e do design de um material impresso, com a finalidade de atrair o leitor, instigar à leitura e reforçar a idéia transmitida(13).

O uso de ilustrações é imprescindível na comunicação em saúde na medida em que ajudam na legibilidade e compreensão do texto(12). Quando colocadas próximo ao texto escrito, a atenção, a assimilação e a capacidade de recordar a mensagem, aumentam significativamente em comparação apenas com o escrito(20), um benefício maior aos indivíduos de baixo nível de escolaridade e leitura.

Ilustrações simples ou em formas de desenho, como as utilizadas no presente estudo, podem simplificar situações complexas e ressaltar pontos importantes de uma ideia(12-13). Com percentual de concordância igual a 84,1% e com média de concordância (S-CVI/ Ave) de 0,84 a cartilha foi considerada válida quanto ao domínio "estrutura e organização".

Ao ponderar-se que aspectos como sexualidade, gênero e saúde reprodutiva, sobretudo de mulheres estomizadas, são pouco investigados no universo científico, constata-se uma grande deficiência na área da saúde integral à mulher(7).

Dessa forma, as orientações da equipe interdisciplinar e do enfermeiro estomaterapeuta ou não, estabelecidas por meio da comunicação interativa e eficaz com o paciente e família, são fundamentais. A pertinência da cartilha, diante da lacuna existente no meio científico obteve percentual de concordância geral igual à 90,6% e média de S-CVI/Ave de 0,90, atendendo às necessidades de informação de cuidado na saúde sexual e reprodutiva de estomizadas e propondo a construção de conhecimento da enfermagem.

CONCLUSÃO

O IVC global, alcançado na avaliação por juízes especialistas (S-CVI/AVE global 0,87), e a total concordância do público-alvo conferem, respectivamente, a validade de conteúdo e de aparência da cartilha educativa em saúde intitulada "Cartilha de orientações para o autocuidado - saúde sexual e reprodutiva da mulher ostomizada".

A utilização de tecnologias educativas validadas atribui maior qualidade ao processo de ensino-aprendizagem, e a comunicação na assistência em saúde reforça a confiabilidade das orientações apresentadas e salienta o grau de coerência das informações em atender o objetivo proposto, sendo um ganho importante para o público-alvo e para o profissional educador.

Acredita-se que o acesso às orientações de autocuidado cientificamente validadas no presente estudo contribuirá para a aquisição de conhecimentos que permitam auxiliar estomizadas no processo de adaptação à nova condição de vida com estomia, seja ela temporária ou não, na ressignificação de sua autoimagem e autoconceito, na superação dos medos e tabus advindos da alteração da imagem corporal e na vivência da sua sexualidade de forma mais prazerosa.

Por fim, a realização da validação clínica em estudos posteriores - para a avaliação da eficiência da presente tecnologia como instrumento favorecedor de mudanças de atitudes e práticas de saúde sexual e reprodutiva das mulheres estomizadas - poderá reforçar o alcance dos objetivos do processo de educação em saúde.

REFERÊNCIAS

1 Brasil. Ministério da Saúde. Portaria N° 400, de 16 de novembro de 2009. Atenção à Saúde das Pessoas Ostomizadas [Internet]. Diário oficial da União. Seção 1. Imprensa Nacional [Internet]. Nº 220, quarta-feira, 18 de novembro de 2009 [cited 2013 Dec 10]. Available from: http://www.abraso.org.br/Portaria_400_16_11_2009.pdfLinks ]

2 Associação Brasileira de Ostomizados (ABRASO). Giro pelo mundo: ações pelo mundo. Rev ABRASO [Internet]. 2005 [cited 2013 Nov 8]; (5):1921. Available from: http://www.abraso.org.br/RevistaABRASO-web2-4.pdfLinks ]

3 Silva AL, Monteiro PS, Sousa JB, Vianna AL, Oliveira PG. Partners of patients having a permanent colostomy should also receive attention from the healthcare team. Colorectal Disease [Internet]. 2014 [cited 2015 Feb 12];16:O431-O434. Available from: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/codi.12737/epdfLinks ]

4 Paula MAB, Takahashi RF, Paula PR. Experiencing sexuality after intestinal stoma. J Coloproctol [Internet]. 2012 [cited 2013 Mar 8];32(2). Available from: http://www.scielo.br/pdf/jcol/v32n2/v32n2a12.pdfLinks ]

5 Río NG. Los cuidados de enfermería en el impacto psicológico del paciente ostomizado. ENE. Rev Enferm [Internet]. 2013 [cited 2016 Jan 16];7(3). Available from: http://ene-enfermeria.org/ojs/index.php/ENE/article/view/279/pdf_18Links ]

6 Galdino YLS, et al. O cotidiano da pessoa estomizada frente às necessidades humanas Básicas Alteradas. Rev Estima [Internet]. 2012 [cited 2014 Jan 7];10(3):22-30. Available from: http://www.revistaestima.com.br/index.php/estima/article/view/77Links ]

7 Cerezett CRN. Psychological Instructions and reactive capacity of ostomized individuals and their relatives. Mundo Saúde [Internet]. 2012[cited 2013 Mar 8];36(2):332-9. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/mundo_saude/orientacoes_piscologicas_capacidade_reativa_pessoas.pdfLinks ]

8 Cardoso DBR, Almeida CE, Santana ME, Carvalho DS, Sonobe HM, Sawada NO. Sexuality of people with intestinal ostomy. Rev Rene [Internet]. 2015[cited 2016 Jan 19]; 16(4):576-85. Available from: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/viewFile/2051/pdfLinks ]

9 Poletto D, Silva DMGV. Living with intestinal stoma: the construction of autonomy for care. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2013 [cited 2014 Jan 22];21(2). Available from: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n2/pt_0104-1169-rlae-21-02-0531.pdfLinks ]

10 WCET. The World Council of Enterostomal Therapists Journal. WCET International Ostomy Guideline Recommendations [Internet]. 2014 [cited 2014 Sep 10];34(2). Available from: http://www.wcetn.org/assets/Publications/wcet_april-june_2014f%20iog%20recommandations.pdfLinks ]

11 Pereira APS, Cesarino CB, Martins MRI, Pinto MH, Netinho JG. Associations among socio-demographic and clinical factors and the quality of life of ostomized patients. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2012 [cited 2014 Jan 7];20(1). Available from: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n1/13.pdfLinks ]

12 Moreira MF, Nóbrega MML, Silva MIT. Comunicação escrita: Contribuição para a elaboração de material educativo em saúde. Rev Bras Enferm [Internet]. 2003 [cited 2013 Dec 18];56(2):184-8. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reben/v56n2/a15v56n2.pdfLinks ]

13 Echer IC. Elaboração de manuais de orientação para o cuidado em saúde. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2005 [cited 2013 Jan 15];13(5):1-5. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n5/v13n5a22.pdfLinks ]

14 Polit DF, Beck CT. Fundamentos de Pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para as práticas da enfermagem. 7th ed. Porto Alegre: Artmed; 2011. [ Links ]

15 Pasquali L. Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. 2th ed. Petrópolis: Vozes; 2003. [ Links ]

16 Fehring R. Methods to validate nursing diagnoses. Heart Lung [Internet]. 1987 [cited 2014 Jan 22]; 16(6):625-9. Available from: http://epublications.marquette.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1026&context=nursing_facLinks ]

17 Mota MS, Gomes GC, Petucco VM. Repercussions in the living process of people with stomas. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2016 [cited 2016 May 20];25(1)e1260014. Available from: http://www.scielo.br/pdf/tce/v25n1/pt_0104-0707-tce-25-01-1260014.pdfLinks ]

18 Martins TBF et al. Readability formulas applied to textbooks in brasilian portuguese. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1996. [ Links ]

19 Hulley SB, Newman TB, Cummings SR. Escolhendo os sujeitos do estudo: especificação, amostragem e recrutamento. In: Hulley SB, Cummings SR, Browner WS, Grady D, Hearst N, Newman TB. Delineando a pesquisa clínica: uma abordagem epidemiológica. Porto Alegre: Artmed; 2003. p. 43-52. [ Links ]

20 Fehring RJ. The Fehring Model. In: Carroll-Johnson and Paquette: Classification of nursing diagnosis: procedings of the tenth conference. Symposium on Validation Models; 1994. [ Links ]

21 Doak CC, Doak LG, Root JH. Teaching patients with low literacy skills. 2nd ed. Philadelphia: JB Lippincott; 1996. [ Links ]

22 Polit DF, Beck CT. The content validity index: are you sure you know what's being reported? critique and recommendations. Res Nurs Health [Internet]. 2006 [cited 2014 Jan 22];29:489-97. Available from: http://cfd.ntunhs.edu.tw/ezfiles/6/1006/attach/33/pta_6871_6791004_64131.pdfLinks ]

23 Ferreira AC. As necessidades de informação sobre sexualidade da Pessoa Ostomizada. Rev Nurs [Internet]. 2009 [cited 2016 Aug 11];243:38-41. Available from: http://www.forumenfermagem.org/dossier-tecnico/revistas/nursing/item/3506-as-necessidades-de-informacao-sobre-sexualidade-da-pessoa-ostomizada#.V7b_h_krLIULinks ]

24 Rosado SR, Cicarini WB, Filipini CB, Lima RS, Dázio LMR. Práticas educativas realizadas pelo enfermeiro à pessoa com estomia. Rev Enferm Bras [Internet]. 2015 [cited 2016 Jan 22];14(4). Available from: http://portalatlanticaeditora.com.br/index.php/enfermagembrasil/article/viewFile/47/53Links ]

25 Carvalho SORM, Budó MLD, Silva MM, Alberti GF, Simon BS. "With some care, we can go on": experiences of people with ostomy. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2015 [cited 2016 May 20];24(1):279-87. Available from: http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n1/0104-0707-tce-24-01-00279.pdfLinks ]

26 Azevedo C, Faleiro JC, Ferreira MA, Oliveira SP, Mata LRF. Nursing interventions for patient discharge with ostomy: integrative review. Rev Cub Enferm [Internet]. 2014 [cited 2016 May 20];30(2). Available from:http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/404/89Links ]

Recebido: 29 de Junho de 2016; Aceito: 24 de Agosto de 2016

AUTOR CORRESPONDENTE: Andressa Ferreira L. L. Albuquerque. E-mail: andressa.leite_enf@yahoo.com

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.