SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 issue1Formação da diplomacia econômica no Brasil: as relações econômicas internacionais do Império author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Política Internacional

Print version ISSN 0034-7329On-line version ISSN 1983-3121

Rev. bras. polít. int. vol.45 no.1 Brasília Jan./Jun. 2002

https://doi.org/10.1590/S0034-73292002000100016 

INFORMAÇÃO
ARTIGOS DE RESENHA

 

Carlos Eduardo Vidigal

 

 

DORATIOTO, Francisco. Maldita guerra: nova história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 2002, 617 p. ISBN: 85-359-0224-4.

A 7 de dezembro de 1864, o diplomata Edward Thornton, representante britânico na Argentina e Paraguai, escreveu ao chanceler paraguaio José Berges uma carta que comprova o desinteresse da Grã-Bretanha na eclosão de uma guerra entre o Paraguai e seus vizinhos. No documento, Thornton afirma textualmente: "V.E. sabe que a Inglaterra também está em atritos com o Brasil, de modo que tanto por esse motivo, como pela falta de instruções de meu governo, não poderia fazer nada de oficial com seu governo; mas particularmente sim, se puder servir, no mínimo que seja, para contribuir para a reconciliação dos dois países, espero que V.E. não hesite em me utilizar".

A disposição do representante britânico de colaborar para evitar o conflito entre Brasil e Paraguai é uma das muitas surpresas guardadas na obra do historiador Francisco Doratioto, que desfaz um dos maiores mitos a respeito da Guerra do Paraguai: o de uma guerra que teria sido provocada pelos interesses "imperialistas" britânicos. Construído inicialmente pelo revisionismo histórico paraguaio, a valorização da figura de Solano López chegou ao paroxismo no final dos anos 1960, quando intelectuais nacionalistas e de esquerda o elevaram à condição de líder antiimperialista. Uma geração inteira de brasileiros concluiu seus estudos secundários e mesmo de nível superior acreditando que o Paraguai alcançou um bom nível de desenvolvimento após a independência, possuía um projeto autônomo e equilibrado de crescimento e que foi destruído pela Tríplice Aliança, por representar uma ameaça aos interesses ingleses na região. A Grã-Bretanha teria se utilizado do Brasil, da Argentina e do Uruguai para pôr fim ao projeto paraguaio.

O livro mais marcante desse revisionismo, na interpretação do autor, foi a obra La Guerra del Paraguay: gran negocio!, publicado em 1968 pelo historiador argentino León Pomer. A simplificação dos argumentos dessa obra resultou no livro Genocídio Americano: a Guerra do Paraguai, do escritor Julio José Chiavennato. No Brasil, o texto de Chiavennato foi contemplado pelo mercado editorial com mais de 27 edições, o que contribuiu para a generalização de idéias equivocadas acerca do conflito.

Doratioto apresenta, com base em ampla pesquisa de fontes primárias e profundo conhecimento da literatura secundária, uma visão muito distinta. Ao mesmo tempo em que se afasta da historiografia mais tradicional – aquela que atribuía a causa da guerra às pretensões descomunais de um ditador megalômano – refuta a argumentação da historiografia dos anos 70 e 80. A historiografia tradicional e o revisionismo simplificaram as causas e o desenrolar da Guerra do Paraguai, ao "ignorar documentos e anestesiar o senso crítico". "Ambos substituíram a metodologia do trabalho histórico pelo emocionalismo fácil e pela denúncia indignada", afirma o autor.

Na "nova história", o Paraguai, após a independência, não se diferenciou substancialmente do padrão apresentado pelos demais países latino-americanos. Foi governado inicialmente por José Gaspar Rodríguez de Francia – o "Ditador Perpétuo" – que promoveu o isolamento do país, o fortalecimento do Estado e manteve uma estrutura produtiva baseada na produção de erva-mate, tabaco e madeira. As famosas Estancias de la Patria, anteriormente tomadas como exemplo de equilíbrio social utilizaram não só o trabalho de camponeses, mas também de escravos de origem africana e de prisioneiros, conforme o estudo de Josefina Plá, Hermano negro: la esclavitud en el Paraguay. Nada, no Paraguai de Rodríguez de Francia, permitiria falar em "igualdade social" ou em "projeto autônomo de desenvolvimento".

Na década de 1840, o país procurava obter o reconhecimento de sua independência e ampliar o contato com o exterior, para modernizar sua economia. A nova orientação, que ganhou força no governo de Carlos Antonio López e, principalmente, de Solano López, era uma tentativa de o Paraguai se inserir no mercado mundial. Com Carlos López, o Estado paraguaio implementou uma estratégia de "crescimento para fora", possibilitado pela exportação de produtos primários. Sua rápida modernização, basicamente militar, deu-se sem o concurso de capitais estrangeiros, pois a tecnologia importada era paga à vista. Em 1854, Francisco Solano López foi enviado à Europa para comprar armamentos e estabelecer vínculos comerciais. Um acordo com a empresa Blyth & Co permitiu ao Paraguai a compra de armamento e o treinamento de jovens soldados. Daí o fato de Doratioto considerar um outro mito do revisionismo histórico a idéia de uma industrialização a partir "de dentro", que teria se tornado uma ameaça aos interesses ingleses.

Dessa forma, as causas da Guerra do Paraguai devem ser buscadas na política regional. A guerra foi um desdobramento previsível de uma política exterior "agressiva", que aproximou o Paraguai do Partido Blanco uruguaio, em detrimento dos interesses do Brasil e da Argentina. Fatores políticos internos desses dois países – a ascensão de um gabinete liberal no Brasil e a vitória de Mitre sobre Urquiza – favoreceram a aproximação, inusitada para a época, entre Brasil e Argentina. Não se trata de negar a influência exercida e os benefícios obtidos pela Grã-Bretanha durante o conflito, mas de retirar dos fatores do conflito "os interesses imperialistas ingleses".

Doratioto não se limitou a rever toda a historiografia da guerra à luz das fontes documentais, elaborou uma ampla análise da política internacional da bacia do Prata, fazendo uso de conhecimentos multidisciplinares e abordando aspectos tão variados como os interesses econômicos nacionais, os conflitos de natureza "geopolítica" e a personalidade dos dirigentes envolvidos no conflito. Chega a revelar, em relação à insistência de D. Pedro I em prosseguir com o conflito até a morte de Solano López, que a familiaridade com a personalidade do ditador paraguaio, advinda do estudo das fontes primárias, permite reconhecer uma certa lógica na atitude do Imperador.

A profundidade da análise e o uso intenso de fontes primárias, ao contrário do que poderia parecer em um primeiro momento, não torna a leitura demorada ou cansativa. Ao contrário, Doratioto conseguiu um raro equilíbrio entre a narrativa e a interpretação. O relato sobre a guerra é enriquecido com referências aos costumes de época, à opinião pública, à produção intelectual ou mesmo à bravura dos soldados. Não faltam comentários sobre estratégia militar, armamentos ou mesmo sobre as "charges" dos jornais paraguaios e brasileiros, que já desenvolviam uma guerra de informações.

Enfim, Maldita Guerra nasce como um clássico, uma referência obrigatória para os estudos da história e das relações internacionais latino-americanas do século XIX. O conflito, que resultou na morte de cerca de 50 mil brasileiros, 18 mil argentinos e mais de 28 mil paraguaios recebeu um estudo à altura de seu significado.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License