SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 número5Ciclo Vital de Schistosoma mansoni através do Holochilus brasiliensis (Desmarest, 1818) em ambiente semi-natural (Trematoda, Shistosomatidae; Rodentia, Cricetidae)Distribuição geográfica dos principais vetores de endemias no Estado do Ceará. - I - Triatomíneos índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versión impresa ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.10 no.5 Uberaba sept./oct. 1976

https://doi.org/10.1590/S0037-86821976000500002 

Tratamento da esquistossomose mansônica na criança com oxamniquine sob forma de xarope

 

 

Helena MouraI; Helena NisquierII; Sonia BecharaII; Ana Lúcia C. DominguesIII; Amaury CoutinhoIV

IProf. Adjunto de Clinica Pediátrica da U.F.Pe.
IIResidentes de Clinica Pediátrica
IIIBolsista do CNPq
IVProf. Titular de Clínica Médica da U.F.Pe.

 

 


RESUMO

São apresentados os resultados preliminares do tratamento da esguistossomose mansônica com oxamniquine, sob forma de xarope, em 40 crianças, com idade variando de 5 a 14 anos. 18 pertenciam ao sexo masculino e 22 ao feminino. A dose utilizada foi de 20 mg/k em uma única aplicação - 25 pacientes (Grupo A) ou em 2 tomadas com intervalo de 12 hs - 15 pacientes (Grupo B). A tolerância foi em geral boa, sobretudo no Grupo B de pacientes, onde 73,3% não apresentou qualquer sintoma colateral, em comparação com 44% do Grupo A. 0s sintomas mais freqüentes foram tontura (22,5%) e sonolência (20%). 5 pacientes do Grupo A apresentaram distúrbio de conduta sob forma de excitação psíquica ou agressividade passageiras. A cura parasitológica (comprovação entre o 4o e o 6o mês pós-tratamento) foi observada em 70% dos pacientes tratados (90% no Grupo A e 50% no Grupo B). O baixo índice, nesse último Grupo, possivelmente deveu-se ao longo intervalo entre as 2 tomadas (12hs). Houve grande redução do número de ovos eliminados nos pacientes não curados.


ABSTRACT

The authors present the results of the treatment of 40 children (5 to 14 years) with oxamniquine syrup; 25 of them were given a single dose of 20 mg/kg b.w. and 15 received the same total dose divided at 12 hours intervals. Tolerance was good; 22,5% had dizziness and 20%, drowsiness; 5 patients of the first group presented psychological disturbances. 70% of the patients presented parasitological cure 4 to 6 months after treatment; (90% em Group A and 5% in Group B) a marked egg count reduction was observed.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. COUTINHO, A., DOMINGUES, A.L.C. & BONFIM, J.R. Treatment of Mansoni Schistosomiasis with Oxamniquine. Rev. Inst. Med. trop. São Paulo, 15 (Supl. 1): 15-34,1973.         [ Links ]

2. DOMINGUES, A.L.C. & COUTINHO, A. Tratamento da esquistossomose mansônica com Oxamniquine oral. Rev. Inst. Med. trop. São Paulo, 17:164-180, 1975         [ Links ]

3. COUTINHO, A. & DOMINGUES, A.C.L. Tratamento da esquistossomose intestinal e hepática pela Oxamniquine. Comparação vias intramuscular e oral. Memórias dei IV Cong., de la Socied. Latinoamericana de Hepatologia p. 284-297, 1974         [ Links ]

4. COUTINHO, A. Clinical-laboratory manifestations due to the death of worms after specific treatment of schistosomiasis. Brasília Médica 11: 69-80, 1975         [ Links ]

5. CAMPOS, R. et all. Tratamento da esquistossomose mansônica pela Oxamniquine em região não endêmica. Resumo apresentado no XII Cong. Soc. Bras. Med. Trop. Belém, fev. 1976.         [ Links ]

6. ALMEIDA, F.M.R. et all. Avaliação terapêutica da Oxamniquine na esquistossomose mansônica. Separata, 1976.         [ Links ]

7. COURA, J.R. Comunicação pessoal, 1975.         [ Links ]

8. KATZ, N., apresentação no Simpósio sobre tratamento da esquistossomose mansônica com Oxamniquine p/via oral, Salvador, jul. 1974.         [ Links ]

9. COUTINHO, A.,& BARRETO, F. T. Treatment of hepatoeplenic schistosomiasis mansoni with Niridazole: relationships among liver function, affective dose and side effects: Ann N.Y. Acad. Sci. 160: 612-628, 1969.         [ Links ]

10. CHEEVER, A.W. A quantitative posmortem study of schistosomiasis mansoni in man. Am. J. Trop. Med. Hugg. 18: 38-64, 1968.         [ Links ]

11. SIONGOK.T.K.A. et all. Morbidity in shistosomiasis mansoni in relation to intensity of infection: study of a community in Machakos, Kenya. Am. J. Trop. Med. Hyg. 25: 273-284, 1976.         [ Links ]

12. LEHMAN; J.S. et all. The intensity and effects of infection with Schistosoma mansoni in a rural community in Northeast Brasil. Am. J. Trop. Med. Hyg. 25: 285-294, 1976.         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 26.10.1976.

 

 

Suporte parcial do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq - Plano integrado de Pesquisa sobre Esquistossomose.

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons