SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue2Morbidade da doença de Chagas em áreas do Sertão da Paraíba e da Caatinga do PiauíAvaliação do sulfato de aminosidine no tratamento da leishmaniose mucosa causada por Leishmania (Viannia) braziliensis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.29 no.2 Uberaba Mar./Apr. 1996

https://doi.org/10.1590/S0037-86821996000200013 

ARTIGO

 

Resultados preliminares de um projeto sobre a ecologia dos flebotomineos vetores de leishmaniose tegumenar no estado da Bahia

 

 

Italo A. Sherlock; Helio Maia; Artur Gomes Dias-Lima

Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz - Fundação Oswaldo Cruz, Salvador, BA

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

São apresentados resultados preliminares de um projeto sobre a ecologia dos flebotomíneos, vetores de leishmaniose tegumentar, numa área de plantação de cacau no sul do Estado da Bahia, Brasil. Nesta área existem 60 casas, afastadas entre si, onde vivem 229 habitantes e 31 cães. Entre os moradores, 45% tinham reação de Montenegro positiva; destes, 8,8% eram portadores de úlceras em atividade e 37% de cicatrizes de úlceras. Dos cães, 22% eram soropositivos. Dos 7 cães com úlceras, apenas 3 eram soropositivos. Em 14% das casas inspecionadas, foram encontrados flebótomos. Durante dois anos, 72 hamsters foram mantidos como sentinelas em casas de pacientes com úlceras leishmanióticas, porém nehum adquiriu a infecção. Foram coletados e identificados 5.614 exemplares de flebótomos pertencentes a 14 diferentes espécies. Entre estas, Lutzomyia whitmani (92%) e Lutzomyia intermedia (4,8 %) eram as espécies mais abundantes. Esses flebótomos, muito antropofílicos, podiam ser encontrados dentro das casas e nas suas periferias e são provavelmente, os principais vetores da doença no ambiente doméstico. As outras 12 espécies eram menos frequentes e mais encontrados em ambientes silvestres, onde também picavam o homem. A maioria das espécies começava a aparecer às 17 horas, no crepúsculo, e alcançava sua densidade máxima às 24 horas, quando declinava até desaparecer às 6 horas da manhã. L. whitmani em todas as fases lunares foi capturada com a mesma densidade, enquanto L.intermedia foi mais abundante durante a fase de lua nova. Centenas de flebótomos coletados mensalmente durante o segundo ano de observações, permanecem preservados em nitrogênio líquido, aguardando o ajustamento de técnicas de PCR para a verificação da taxa de infecção natural desses vetores por leishmânia. Os resultadosfinais de todo o projeto serão publicados tão logo seja examinado esse material.

Palavras-chaves: Flebotomíneos. Vetores de leishmaniose tegumentar. Ecologia. Infecção natural. Transmissão.


SUMMARY

Preliminary data of a project about the ecology of the Phlebotominae (sandflies) in a tegumentary leishmaniasis area of coconut plantation in the south of the State of Bahia, Brazil are presented. There are 60 dwellings far of one another, where existed 31 dogs and 229 inhabitants.Among them 41.5% were Montenegro positive; 37.5% from these had scars of healed ulcers and 8.8% had active ulcers. 53 % of the house had dogs from which 22 % were seropositive,from the 7dogs with ulcers only 3 were seropositive. 14% of the inspected house harboured sandflies inside them. During two years of observations 72 sentinels hamsters were maintened at houses of patients with leishmaniasis ulcers, but they did not get the infection. During two years of observation, monthly collectings of sandflies were made inside house, chicken pen, curral, tree trunks and open field around a house with a patient with leishmaniasis. Tlte following results were already obtained about the vectors: 5,614 specimens were identified as belonging to fourteen different species of sandflies. Among them Lutzomyia whitmani (92%) and Lutzomyia intermedia (4.8%) were the most abundant species. They are very anthropophilic and can be found inside houses and at peridomestic sites. Probably they are the principal vectors of the disease at domestic places. The other twelve species were less frequent and more found at sylvatic places in inspite they also bite the man. Generally the biting activity of most of the species of the area begins at 5 p.m. in the dusk and reaches its peak at 0 hour a. m. ,when begins declining untildisapear at 7 a.m. L. whitmani was similarly collected with the same density in all lunar phases while L. intermedia was more abundant during the new moon phase. Most of the hundreds sandflies collected during the second year of observations, remains preserved in liquid nitrogen, watching for the adjustment of PCR molecular techniques to be processed for determination of the vector natural infection rates with leishmanias. Final results on all the project will be published as soon as the examination of such material has been processed.

Key-words: Phlebotomine. Vectors of cutaneous leishmaniasis. Ecology. Natural infection. Transmission.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Aguiar GM, Soucasaux T. Aspectos da ecologia dos flebótomos do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Rio de Janeiro. I - Freqüência mensal em isca humana (Diptera, Ppsychodidae, Phlebotominae). Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 79:197-209, 1984.         [ Links ]

2. Araújo Filho NA, Sherlock IA, Coura JR. Leishmaniose tegumentar americana na Ilha Grande, Rio de Janeiro. V. Observações sobre a biologia dos transmissores em condições naturais. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 14:171-183,1981.         [ Links ]

3. Araújo Filho NA, Sherlock IA , Coura JR . Leishmaniose tegumentar na Ilha Grande. Rio de Janeiro, VI. Observações sobre a freqüência horária e variação mensal dos transmissores. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 14:185-195, 1981.         [ Links ]

4. Marzochi MCA. Leishmanioses no Brasil; As Leishmanioses tegumentares. Jornal Brasileiro de Medicina 63:82-104, 1992.         [ Links ]

5. Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde, Brasil. Controle, Diagnóstico e Tratamento da leishmaniose visceral (calazar). Normas Técnicas. 1a Edição Fundação Nacional de Saúde, Brasília, 1994.         [ Links ]

6. Vexenat JA, Barretto AC, Cuba CC, Marsden PD. Caracterísitcas epidemiológicas da leishmaniose tegumentar americana em uma região endêmica do Estado da Bahia. III. Fauna flebotomínica. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 81:293-301, 1986.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Dr. Italo A. Sherlock.
CPqGM/ FIOCRUZ. R. Valdem Falcão 121,
Brotas 41820-410 Salvador, BA, Brasil
.

Recebido para publicação em 22/01/96.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License