SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número3Deterioração bacteriológica do jaraqui Semaprochilodus spp. capturado no estado do Amazonas e conservado em geloPierídeos (Lepidoptera: Pieridae) da Coleção de Invertebrados do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, INPA índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Acta Amazonica

versão impressa ISSN 0044-5967versão On-line ISSN 1809-4392

Acta Amaz. v.37 n.3 Manaus  2007

https://doi.org/10.1590/S0044-59672007000300019 

ZOOLOGIA

 

Simuliidae (Diptera, Culicomorpha) no Brasil - XIII sobre Inaequaliumlundi sp.n.

 

Brazilian simuliidae (Diptera, Culicomorpha) - XIII about Inaequaliumlundi sp.n.

 

 

Victor PY-DanielI; Ulysses Carvalho BarbosaI

IInstituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Núcleo de Pesquisas em Ciências Humanas e Sociais, Laboratório de Etnoepidemiologia - INPA/CPCS/LETEP (casa 22). Av. André Araújo, 2936 - Aleixo. Tel.: (92) 3643 3232. e-mail: pydaniel@inpa.gov.br; ulysses@inpa.gov.br

 

 


RESUMO

É descrita uma nova espécie para o gênero Inaequalium (Coscarón & Wygodzinsky, 1984), Inaequaliumlundi sp.n. É proposto um novo grupo de espécies dentro de Inaequalium. Os imaturos de Inaequaliumlundi sp.n. foram coletados em cursos d'água em uma altitude de 2.800 m no complexo geológico denominado Pico da Neblina, Amazonas, Brasil.

Palavras-chave: Inaequalium, Inaequaliumlundi sp.n., Taxonomia, Simuliidae, Neotropical


ABSTRACT

A new species is described for the genus Inaequalium (Coscarón & Wygodzinsky, 1984), Inaequaliumlundi sp.n. A new group of species is proposed inside of Inaequalium. The immature of Inaequaliumlundi sp.n. were collected in running waters located in 2.800 meters of altitude, in the geological complex of the "Pico da Neblina", Amazon state, Brazil.

Keywords: Inaequalium, Inaequaliumlundi sp.n.,Ttaxonomy, Simuliidae, Neotropical


 

 

INTRODUÇÃO

Inaequalium foi descrito por Coscarón & Wygodzinsky em 1984, como um subgênero, de Simulium Latreille, 1802, muito próximo de Psaroniocompsa Enderlein,1934, que agregava as seguintes características diferenciais: Imagos com pelos no setor basal de R; fêmeas com a base do cibário com dentículos fortes dispostos em uma elevação mediana; fêmeas com gonapófises distalmente afiadas e sem microtríquias ou muito escassas, margem interna divergente e com um pouco de esclerotização; macho com o distímero de subtriangular à subtrapezoidal e com espinho subapical; pupa com tricomas apresentando 3-6 ramos; larva com o apódema cefálico nem sempre positivo, não bem diferenciado, definindo freqüentemente uma janela subbasal média mais clara; terceiro artículo antenal da larva bastante maior que o basilar. De todas estas características, a que se refere à elevação central da base do cibário é a que mais nitidamente diferencia este gênero de todos os outros neotropicais, no entanto a nova espécie descrita aqui, Inaequaliumlundi, junto com Inaequaliummaranguapense Pessoa & Rios Velásquez & Py-Daniel, 2005, e provavelmente também margaritatum (Pepinelli, Hamada & Luz, 2006), [ souzalopesi (Coscarón,1980), segundo Coscarón em comunicação pessoal, não possui], apresentam, quanto a esta estrutura, características que possibilitam a formação, temporariamente, de um grupo diferenciado dentro do gênero Inaequalium, que aqui passamos a denominar de grupo maranguapense.

Inaequaliumlundi sp.n.

(Fig. 1A-C; Fig. 2A-F; Fig. 3A-F; Fig. 4A-D; Fig. 6A-C; Fig. 7A-F; Fig. 8A-F; Fig. 9A-D; Fig. 10A-E; Fig. 11A-F; Fig. 12A-C )

 



 

 






 

 






 

 




 

 

 

 



 

 






 

 




 

 






 

 






 

 



 

FÊMEA

Corpo (no álcool) de coloração escura (Figura 1C), com a região dorso-anterior do tórax apresentando 1+1 cunhas (Fig.1A) esbranquiçadas (que em exemplares fora do álcool apresentam-se pruinosas). Os dentes do cibário estão esparsados em uma disposição de 1+1 áreas e não concentrados na região central (Figura.2A), com 1+1 reentrâncias que ladeiam uma pequena protuberância central (Figura.2B). Asa (Figura. 2C): Sc apresenta uma fileira de setas (16-18 setas), Sbr (seção basilar do Radius) não apresenta setas; R1 apresenta setas e espinhos <espinhos nos 2/3 apicais). Rs com setas ao longo de toda a sua extensão. Antena (Figura 2D) com 0,44 - 0,48 mm. A Fronte (Figuras 1B e 2E) apresenta-se mais alta que larga, com IF= 1,2 - 1,4. Sutura Infra-Frontal (SIF) presente e extremamente reduzida. Triângulo Fronto Ocular (TFO) presente (Figura. 2F), grande e subtriangular. Proporção entre os segmentos do palpo III : IV : V = 1 : 0,95 : 1,3. O orgão sensorial do segmento III do palpo ocupa (Figuras 3A-B) 0,52 do comprimento do segmento. Mandíbula com seis dentes na margem externa e 35-42 dentes na margem interna. Maxila (Figura 3C) com 11-13 dentes na margem externa / 1 dente apical / 10-11 dentes na margem interna. Gonapófises (Figura 4D) com a margens internas divergentes na região basilar mas paralelas na região mediana e apical, apresentando esclerotização com enrrugamento por toda a sua extensão, sendo que a área sem microtríquias corresponde da metade para o ápice. O VIII esternito apresenta 24-32 setas em 1+1 áreas. A espermateca apresenta a área de inserção do ducto espermático do tipo membranoso, igual ao ducto, apresentando também setas internas abundantes. Sulco mesepisternal bem evidente. Forquilha genital (Figura.3E) com haste mais longa que a largura entre os ápices dos braços, sendo o ápice da haste alargado e os braços laterais com 1+1 projeções subtriangulares anteriores. Cercos arredondados e parapróctos de sub-quadráticos à sub-retangulares (Figura 3F). Calcipala e Pedisulco presentes (Figura 4B). Furcasterno segundo Figura 4A. Índice da Calcipala (IC) = 1,19, ou seja mais longa que a largura da sua base (IC = comprimento dividodo pela largura da base). Garras tarsais do III par de pernas com um dente grande subbasilar (Figura 4C).

MACHO

Exemplares retirados do invólucro pupal. Basímero mais longo que o distímero (Figura 6A). Distímero subretangular, com a região apical apresentando um espinho achatado e pontiagudo (Figura 6B). Calcipala e pedisulco presentes. Sulco mesepisternal completo (Figura 6C).

LARVA

Com coloração acinzentada em material preservado em álcool. Comprimento variando entre 5,11 - 5,39 mm (n=12). Corpo subdividido, ou seja, com a região posterior mais volumosa que a anterior (Figura 7A). ITC (Índice entre a largura do tórax e a largura da cabeça) = 1,2 - 1,4, ou seja tórax mais largo que a cabeça (Figura.7B). Histoblastos branquiais com nas Figuras 7B e 7F. Histoblastos posteriores não visíveis. Região frontal da cápsula cefálica com protuberância subtriangular. Projeções cuticulares dorsais ausentes. Manchas cuticulares localizadas por segmento. Tubérculos posteriores (Figura 7D) ventrais longitudinais, grandes e subtriangulares. Tubérculos posteriores laterais ausentes. Lóbulos anais não visualizados. Máxima largura da cápsula cefálica = 0,54 - 0,57 mm. Leques cefálicos presentes. Número de raios dos leques cefálicos = 40 - 41. Manchas nos raios dos leques cefálicos (Figura 9A) presentes na parte sub-basilar. Fibrilas dos leques cefálicos (Figura 9C) do tipo "weak complex". Região basilar dos raios dos leques cefálicos apenas afilando, sem apresentar diferenciação. Região basilar (RB) dos leques cefálicos menor que a região apical (RB<RA). Raios petaliformes (Figura 9B) em número de sete. Antena não alcançando o ápice da haste cefálica. Segmentos antenais em número de três. Segmentos antenais I e III (Figura 8F) mais escuros que o II. Segmentos antenais sem estriações (transversais ou longitudinais). Proporções dos segmentos antenais => I : II : III = 1 : 0,71-0,77 : 2,37-2,80, ou seja, III > I > II. Manchas no apódema cefálico fracamente positivas. Setas do apódema, presentes, curtas e simples. Apódema com a região central menos larga que a apical. Escleritos cervicais pequenos e livres na membrana nucal e mais lateralizados. Disposição dos dentes do hipostômio, simples, com os dentes Pontas e Central maiores que os Intermediários. Disposição dos dentes intermediários do hipostômio variando entre: E > I > M, E = I > M, I > E > M. Dentes hipostomiais Pontas (Figuras 8B-C) de tamanho subigual ao Central. Dentes hipostomiais Pontas com o ápice direcionado para a lateral externa. Áreas laterais e central da Projeção Laminar do hipostômio na mesma altura. Dentes laterais do hipostômio em número de dois. O dente lateral anterior sai independente, isolado, da base do dente Ponta. Dentes laterais anterior e posterior sub-isométricos. Número total de dentes do hipostômio = 13. Proporção entre a Ponte Pré-Gular e o Hipostômio = 1 : 1,26-1,64, Proporção entre Fenda Gular / Ponte Pré-Gular / Hispotômio (Figura 8A) = 1 : 0,43-0,59 : 0,67-0,78. Apenas uma fileira de 5 setas hipostomiais de cada lado. Fenda Gular (Figura 8D) sub-retangular-sub-triangular. Mandíbula com dois dentes externo, um apical, três pré-apicais, com duas fileiras de dentes internos (inferior com 3 dentes / superior com 9-11 dentes, apresentando um total de 12-14 dentes internos). Dentes pré-apicais: I > II = III, sendo que o dente pré-apical I apresenta-se isométrico com o I dente interno. Dente apical maior que o dente pré-apical III. Tubérculos latero-frontais do dente apical ausentes. Setas supra-marginais ausentes. Serrilhas marginais em número de dois e dispostas em apenas um grupo. Processo Latero-Mandibular (PLM) presente e em número de um, simples, fino, sinuoso, ultrapassando a margem inferior da mandíbula (Figura 8E), com a inserção no RBI (Reforço Basilar Inferior). Área Supra Escova Distal Adoral (ASEDA) apresenta-se esclerotizada, com longas setas filiformes com o ápice simples. Esclerito Labral (Figura 7E) subtrapezoidal, com setas anteriores finas, e com 2+2 dentes com os ápices direcionados para frente. Esclerito lateral do pseudópodo sub-retangular, com 8-10 grupos de 2-5 setas apicais. Setas peri-anais presentes, mas pouco esclerotizadas. Esclerito anal (Figura 9D) simples, em forma de X, sem escleritos acessórios e sem estruturas longitudinais de rigidez. Número de ganchos por fileira do disco anal: superior = 11 - 14, inferior = 13 - 14. Número de fileiras de ganchos do disco anal = 72 - 80. Áreas esclerotizadas laterais (anteriores e posteriores) ao esclerito anal com a mesma largura.

PUPA

Casulo (Figuras 10A-B e Figura 12C) com coloração geral, castanha escura, chineliforme (n=8); a parte dorsal do casulo cobre o tórax, mas as laterais fica, expostas; textura do casulo do tipo tramada; casulo com uma projeção dorsal anterior arredondada, reforçada. Comprimento dorsal do casulo = 2,9 - 3,5 mm. Comprimento ventral do casulo = 2,9 - 3,2 mm. Máximo comprimento dos filamentos branquiais = 2,2 - 2,6 mm. Número de filamentos branquiais terminais igual a três. Os filamentos branquiais (Figuras 10C-D-E) são hialinos e apresentam constrições, sem espinhos e com o ápice dos filamentos arredondados. O ramo primário dorsal se subdivide em dois terminais, sendo o que o terminal dorsal é muito curto (Figuras 10C e 10F). O mais longo filamento branquial do ramo dorsal é maior que o filamento branquial do ramo ventral. Fórmula branquial: 1 [ 1(1+1) + 1(1)]. Filamentos branquiais mais curtos que o comprimento (dorsal/ventral) do casulo. Fronto-clípeo (Figura 11A) com pequenas placas arredondadas e sem expansões. Fronto-clípeo e região centro-torácica com abundantes tubérculos aredondados (Fig.11A e 11F). Fronto-clípeo com 2+2 tricomas frontais longas. Simples ou bífidas. Espinhos laterais do fronto-clípeo ausentes. Com 1+1 tricomas faciais bífidas e longas. Nervuras alares não visíveis nas pterotecas. Pterotecas sem tubérculos. Estojos antenais (Figura 11B) lisos, sem espinhos ou suturas. Não foram observadas tricomas Epicrâniais, Genais ou Oculares. Regiões dorsal e laterais do tórax com tubérculos. Tricomas torácicas Centro-Dorsais (Figura 11D e Figura 12B), 5+5, longas, simples-bífidas-trífidas, com o ápice enrolado. Tricomas torácicas Supra-Laterais, 1+1, simples e filiformes. Tricomas torácicas Laterais, 3+3, simples e filiformes. Tricomas Laterais, tamanho = Médias (M) > Inferiores (I) = Superiores (S). Abdome membranoso e sem apresentar carenas nos segmentos. Tergito abdominal I sem ganchos, com 1+1 setas filiformes longas, fronto-laterais, sem dentículos anteriores. Tergito abdominal II sem ganchos, com 6+6 setas curtas, espiniformes (sendo 3+3 transversais e 3+3 longitudinais, sem dentículos anteriores. Tergitos abdominais III - IV com 4+4 ganchos, simples, 1+1 setas simples, com dentículos anteriores presentes ou ausentes (no tergito III) e ausentes (no tergito IV). Tergitos adominais V-IX sem ganchos. Tergito abdominal V com 3+3 setas espiniformes, curtas e posteriores, com (em pequeno número) ou sem dentículos anteriores. Tergito abdominal VI-VIII com 2+2 setas espiniformes, curtas e posteriores, com dentículos (Figura 11E) pequenos e grandes em 1+1 áreas anteriores. Setas diferenciadas ausentes nos tergitos abdominal VII-IX. Ganchos terminais (Figura 11C) do abdome presentes e de tamanho médio. Extremidade terminal do abdome arredondada. Lateros-tergitos da região pleural com 3+3 setas espiniformes, pequenas. Dentículos em forma de pente presentes nos esternitos III-VIII. Segmento esternal III com 1+1 setas latero-anteriores e pequenas, sem ganchos e sem áreas estriadas medianas longitudinais. Segmento esternal IV com 1+1 ganchos setiforme reduzidos que apresentam a área de inserção mais esclerotizada que o restante do segmento, sem áreas estriadas longitudinais.Segmento esternal V com 2+2 setas externas, com 2+2 ganchos próximos, bífidos, com áreas estriadas longitudinais. Segmentos esternais VI-VII, com 1+1 setas (a) entre os ganchos internos/externos, com 1+1 setas (b) frontais aos ganchos externos, com 1+1 setas (c) externas aos ganchos externos (quanto ao tamanho: a>c>b), com 2+2 ganchos (sendo o interno bífido e o externo simples), com áreas estriadas longitudinais. Esternito VIII sem ganchos, com área longitudinal mediana.

ETIMOLOGIA

O nome desta espécie é uma simples homenagem ao grande amigo, irmão e companheiro da Primeira Expedição Multi-disciplinar e Multi-institucional do Brasil ao Pico da Neblina, Cel. Pedro Silveira Lund, que para os autores, representa um exemplo de firmeza e persistência em alcançar os objetivos almejados.

BIONOMIA

Os exemplares imaturos de I. lundi sp.n. foram coletados em cursos d'água que apresentavam temperaturas extremamente frias (não foram anotadas) para a região amazônica. Todos os exemplares desta espécie foram obtidos na altitude de 2.800 m acima do nível do mar (Figuras 13A-B). As fêmeas desta espécie foram coletadas voando em volta da cabeça dos coletores, mas não estavam praticando a hematofagia. Junto com os imaturos de I. lundi foi coletada uma exúvia pupal e uma larva, de uma outra espécie [nas localidades: INPA 6291 e INPA 6292], cujo número de filamentos branquiais terminais é seis, e que não se ajusta a alguma descrição conhecida, provavelmente também se trata de outra espécie nova que será oportunamente descrita. Inaequaliumlundi sp.n. é proveniente do complexo geológico do Pico da Neblina, que abrange a região montanhosa de fronteira entre o Brasil e a Venezuela.

 

DISCUSSÃO

FÊMEA

Enquanto as fêmeas de lundi, maranguapense e margaritatum apresentam paraprocto relativamente curto e com nódulo, em souzalopesi e alongado. As fêmeas de lundi e souzalopesi apresentam desenhos dorsais no tórax e margaritatum não apresenta (este caracter não é conhecido para maranguapense). O cibário de lundi e maranguapense se apresenta com uma pequena, muito reduzida, elevação central, em souzalopesi (informação pessoal do Dr. Sixto Coscarón) não existe tal elevação, sendo que para margaritatum tal elevação (não tão pequena) pode estar ausente ou presente (?). Asa com a veia Sc com 16-18 setas em lundi, 11 setas em maranguapense, com 10 setas em souzalopesi e não conhecido o número em margaritatum. Asa com SbR com setas em maranguapense e souzalopesi e sem setas em lundi e margaritatum. Asa com R1 espinhos e setas em todas as espécies, sendo os espinhos presentes em lundi até os 2/3 apical, em maranguapense de 1/3 até ½, em souzalopesi e margaritatum presentes além dos 2/3 apical. Fronte de todas as espécies mais alta que larga, sendo Índice Frontal (IF) = (lundi =1,2-1,4; maranguapense = 1,47; souzalopesi = 1,2; margaritatum = desconhecido). Sutura Infra Frontal (SIF) presente e muito reduzida em lundi, ausente em maranguapense e souzalopesi, sendo desconhecido o caracter para margaritatum. Todas as espécies apresentam o III segmento do palpo maxilar maior que o I e II, sendo estes últimos subiguais. Órgão sensorial do palpo maxilar, proporcionalmente mais longo (0,52) em lundi que nas outras espécies [maranguapense (0,42-0,45), souzalopesi (0,35-0,38), margaritatum (acima de 0,33?). Mandíbula de margaritatum com mais dentes externos (10) que as outras espécies [lundi (6), maranguapense (8), souzalopesi (5)]. Mandíbula de lundi com mais dentes internos (35-42) que as outras espécies [maranguapense (28-33), souzalopesi (32), margaritatum (29-31)]. Maxila de souzalopesi com mais dentes (29 => 13 externos / 1 apical / 15 internos) que as outras espécies [lundi (22-25 =>11-13 externos / 1 ápical / 10-11 internos), maranguapense (23-25 => 13-14 externos / 1 apical / 9-10 internos), margaritatum (25-27 total). Setas nas 1+1 áreas do VIII esternito atingindo número maior em lundi (24-32) que nas outras espécies [ maranguapense = 22-23, souzalopesi = 24-26, margaritatum 19-21?]. Todas as espécies apresentam espermateca com setas internas e calcipala subisométrica, Índice da calcipala (IC) => [lundi = 1,19; maranguapense = 0,96-1; souzalopesi = 1-1,1; margaritatum (desconhecido)].

MACHO

O macho de maranguapense é desconhecido. Em lundi, souzalopesi e margaritatum o espinho do distímero é ponteagudo e achatado. Em lundi o basímero é mais longo que o distímero, em souzalopese o distémero é mais longo que o basímero, em margaritatum basímero e distímero são sub-iguais no comprimento.

PUPA

lundi com filamentos branquiais terminais em número de 3, grossos; maranguapense e margaritatum apresentando 4 filamentos branquiais terminais, sendo que em maranguapense são grossos e em margaritatum finos, souzalopesi com 6 filamentos braquiais terminais, grossos. lundi, maranguapense e margaritatum aprsentando tricomas torácicas com o ápice enrolado, enquanto que em souzalopesi (comunicação pessoal do Dr. Sixto Coscarón) apresentam o ápice reto.

LARVA

lundi (1,2-1,4), maranguapense (1,15-1,26) e souzalopesi (1,1-1,2) apresentam um ITC (Índice da largura tórax/cabeça) maior que um, ou seja, o tórax mais largo que a cabeça, sendo que para margaritatum o caráter é desconhecido. Setas peri-anais presentes em lundi e maranguapense, sendo mais abundantes em maranguapense e ausentes em souzalopes, o caráter é desconhecido para margaritatum. Tubérculos ventrais posteriores sendo subtriangulares nas quatro espécies. Mais longos e grandes em lundi e maranguapense e pequenos em margaritatum. PLM simples nas quatro espécies, sendo fino e sinuoso em lundi e maranguapense, curvo na base em margaritatum. PLM em número de 1 em lundi, maranguapense e souzalopesi e 1-2 em margaritatum. Máxima largura da cápsula cefálica em maranguapense (0,4-0,48mm.) menor que em lundi (0,54-0,57mm.) e em margaritatum (0,52-0,56mm.), sendo este caráter desconhecido para souzalopesi. Número de raios dos leques cefálicos menor em souzalopesi (35) do que nas outras espécies, lundi (40-41), maranguapense (39-41), margaritatum (44-48). Enquanto lundi apresenta manchas nas bases dos raios dos leques cefálicos, maranguapense e souzalopesi não apresentam, este caráter não é conhecido para margaritatum. Fibrilas dos raios dos leques cefálicos do tipo "wc" (segundo nomenclatura de Palmer & Craig,2000), sendo que este caráter não é conhecido para margaritatum. A faixa de variação de ganchos por fileira entre as quatro espécies é de 9-14. lundi (72) apresenta um menor número de número de fileiras de ganchos no disco anal do que souzalopesi (75), margaritatum (80) e maranguapense (81-83). Segmentos antenais I-II-III: lundi (1:0,71-,077:2,37-2,8) e souzalopesi (1:0,8:1,3) apresentam III>I>II, enquanto que maranguapense (1:1,14-1,17:1,81-1,87) ocorre II>II>I, este caráter é desconhecido para margaritatum. As proporção entre a Ponte Pré-Gular (PPG) e o Hipostômio (HIP) apresentam que para souzalopesi (1:0,66, segundo desenho da descrição original) é PPG>HIP, enquanto para lundi (1:1,26-1,64), maranguapense (1:1,40-1,58) e margaritatum (1:1,44, segundo fotografia da descrição original) é PPG<HIP. As proporções entre Fenda Gular (FG): Ponte Pré-Gular (PPG): Hipostômio (HIP) apresentam que enquanto para souzalopesi é (PPG>HIP>FG, 1:3,75:2,5, segundo desenho da descrição original) para as outras três espécies é FG>HIP>PPG [lundi (1:0,43-0,59:0,67-0,78), maranguapense (1:0,45-0,5:0,65-0,76), margaritatum (1:0,5:0,72, segundo fotografia da descrição original).

 

REVISÃO DE ALGUNS CARACTERES DE maranguapense

FÊMEA

Conforme é demonstrado na figura 5A, também ocorrem estas 1+1 áreas de reentrância, pouco evidentes, e uma pequena elevação central, que não é mais alta que as margens laterais contíguas aos braços do cibário; Nas asas a SbR apresenta setas; R1 apresentando setas e espinhos, sendo os espinho presentes apenas desde 1/3 apical até 1/2.; O orgão sensorial do segmento III do palpo de ocupa de 0,42 a 0,45 do comprimento, ou seja, menos da metade, corrigindo aqui o exposto na descrição original; A fronte apresenta-se mais alta que larga, com IF= 1,47; Com gonapófises com a margens internas divergentes na região basilar mas paralelas na região mediana e apical, apresentando esclerotização com enrrugamento (menos que em lundi); o VIII esternito apresenta 22-23 setas em 1+1 áreas. Larva - Índice Tórax / cabeça (ITC) da larva = 1,15-1,26.

 

MATERIAL EXAMINADO

Inaequaliumlundi sp.n. - Pico da Neblina, Amazonas, Brasil, Igarapé Serra do Ouro, altitude 2.800 mts., 02.10.1990, coletores Py-Daniel,V. & Barbosa, U.C., INPA 6292 [A - lâmina com exúvia e fêmea retirada da mesma - HOLÓTIPO; B - lâmina com exúvia e macho retirado da mesma - PÁRATIPO; C - lâmina com 3 larvas - PÁRATIPOS; D - lâmina com casulo; E - lâmina com 2 larvas - PÁRATIPOS; F - lâmina com exúvia e fêmea retirada da mesma - PÁRATIPO; G - lâmina com 1 fêmea; H - lâmina com exúvia e macho retirado da mesma - PÁRATIPO; I - lâmina com exúvia e fêmea retirada da mesma - PÁRATIPO; no álcool: 40 larvas, 2 fêmeas]; Pico da Neblina, Amazonas, Brasil, Igarapé Café, altitude 2.800 mts., 28.09.1990, coletores Py-Daniel,V. & Barbosa, U.C., INPA 6291 [A - lâmina com exúvia e fêmea retirada da mesma; B - lâmina com 4 asas de fêmeas; C - lâmina com casulo; no álcool: 6 fêmeas, 10 pupas; 46 larvas]; Pico da Neblina, Amazonas, Brasil, Igarapé do Acampamento, altitude 2.800 mts., 27.09.1990, coletores Py-Daniel,V. & Barbosa, U.C., INPA 6293 [no álcool: 3 fêmeas, 81 larvas, 3 exúvias pupais, 2 pupas]. Pico da Neblina, Amazonas, Brasil, Igarapé Neblina, altitude 2.800 m., 29.09.1990, coletores Py-Daniel,V. & Barbosa, U.C., INPA 6294 [no álcool: 4 fêmeas, 13 larvas]. Todo o material tipo está depositado na Coleção de Simuliidae do INPA.

 

AGRADECIMENTOS

Ao Dr. Sixto Coscarón, pelas informações fornecidas referentes para a espécie I. souzalopesi; ao Cel. Gélio Barbosa Fregapani, ao Gen. Evaldo Motta de Moura, ao Cel. Otelo Ferreira Guimarães e ao Tenente Roberto Stieger, que juntos com Cel. Pedro Silveira Lund, possibilitaram que fosse criada uma equipe vitalícia de companheiros.

 

BIBLIOGRAFIA CITADA

Coscarón, S. 1980. Notas sobre Simulidos Neotropicales IX. Sobre um grupo de espécies próximo al subgênero Simulium (Inaequalium) (Díptera - Insecta). Revista de la Sociedad Entomológica Argentina, 39: 293-301.        [ Links ]

Coscarón, S.; Wygodzinsky, P. 1984. Notas sobre Simúlidos Neotropicales VII. Sobre los subgéneros Psaroniocompsa Enderlein y Inaequalium subgen. nov. Arquitos de Zoología, 31: 37-103.        [ Links ]

Pepinelli, M.; Hamada, N.; Luz, S.L.B. 2006. Simulium (Inaequalium) margaritatum,a new species of black fly (Díptera:Simuliidae) from the central region of Bahia State, Brazil. Zootaxa, 1167: 47-60.        [ Links ]

Pessoa, F.A.C.; Velasquez, C.M.R.; Py-Daniel, V. 2005. First survey of Simuliidae (Díptera) from the North of Ceará State, Brazil, with description of a new species and identification keys for immature stages. Zootaxa, 1051: 1-18.        [ Links ]

 

 

Recebido em 30/10/2006
Aceito em 13/04/2007

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons