SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número5Carta ao Editor índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Radiologia Brasileira

versão On-line ISSN 1678-7099

Radiol Bras v.35 n.5 São Paulo set./out. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842002000500001 

Editorial

Linfonodo sentinela

 

Lea Mirian B. da Fonseca*

 

 

Atualmente, quando abrimos o "Pub Med", página de pesquisa na Internet sobre publicações em revistas indexadas e buscamos "sentinel node", observamos que há mais de 900 trabalhos sobre o assunto nos últimos cinco anos, sendo que 605 deles foram publicados a partir do ano 2000. Por que isto está ocorrendo? O que há de tão importante por trás dessa técnica?

O linfonodo sentinela é aquele que primeiro recebe a drenagem linfática de um tumor. Imaginem um método capaz de localizar esse linfonodo para que o cirurgião possa extraí-lo com segurança, de forma menos invasiva, e o patologista possa verificar se há ou não comprometimento metastático. No câncer de mama, por exemplo, este dado pode predizer o status axilar, pois se o linfonodo sentinela for negativo evitar-se-á o esvaziamento axilar. O linfedema de membro superior é uma conseqüência freqüente de todas as cirurgias de mama acrescidas de esvaziamento axilar. Um braço inchado provoca constrangimento na paciente em suas atividades diárias, reduz a auto-estima pela distorção da imagem corporal, inferindo no relacionamento pessoal, conduz a um desconforto no convívio social, pois a sua aparência torna evidente e pública a doença.

Outra importante indicação para a pesquisa do linfonodo sentinela é no melanoma. O método é capaz de mostrar a drenagem linfática preferencial do tumor, indicando ao cirurgião qual o verdadeiro sítio de esvaziamento.

Trabalhos recentes, principalmente meta-análises de vários centros institucionais europeus e americanos, mostram que nas indicações sobreditas a decisão de esvaziar o sítio de drenagem em função da positividade do linfonodo sentinela já está bem definida. Na pesquisa de linfonodos comprometidos nos cânceres de tireóide, reto, vulva e outros locais, há necessidade de investigações mais aprofundadas.

O uso do "Gama Probe" (aparelho portátil composto de sonda de detecção e sistema de registro digital da radiação gama) é um procedimento inovador na pesquisa do linfonodo sentinela. É multidisciplinar, na medida em que envolve mastologistas, ginecologistas, cirurgiões de cabeça e pescoço, além de radiologistas, patologistas e médicos nucleares familiarizados com o método.

Como toda inovação na fase de implantação, questões controversas estão sendo discutidas. Uma delas é a necessidade de se realizar linfocintilografia previamente à cirurgia. Na literatura esse tópico é controvertido, havendo tendência maior para que se utilize o método cintilográfico. Os cirurgiões afirmam que a linfocintilografia é uma boa aliada, diminuindo o tempo de cirurgia e sendo muito útil, principalmente, na presença de mais de um linfonodo, freqüente no caso, por exemplo, do melanoma. Outro ponto gerador de controvérsias é a participação do médico nuclear no ato cirúrgico. Pudemos observar que o centro cirúrgico não é o habitat natural do médico nuclear, e que o cirurgião pode ser orientado quanto ao manejo do "Gama Probe" antes da entrada no centro cirúrgico, de maneira simulada, logo em seguida à obtenção das imagens linfocintilográficas no serviço de medicina nuclear, permitindo uma melhor interação entre os especialistas. Por outro lado, o médico nuclear não pode e não deve abdicar do preparo e da administração do radiofármaco ao paciente, prerrogativa única dele, respaldada nas normas em vigor da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).

Finalizando, resta uma última e crucial questão. Como e quando o SUS e os planos de saúde incluirão em suas tabelas a pesquisa do linfonodo sentinela?

 

 

* Professora Titular de Medicina Nuclear da UFRJ, Chefe do Serviço de Medicina Nuclear da PRO-EChO/Hospital Samaritano. E-mail: lmirian@hucff.ufrj.br

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons