SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.53 número4Ablação por micro-ondas: primeiros casos brasileiros índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Radiologia Brasileira

versão On-line ISSN 1678-7099

Radiol Bras vol.53 no.4 São Paulo jul/ago. 2020  Epub 15-Jul-2020

https://doi.org/10.1590/0100-3984.2019.0116 

Ensaio Iconográfico

Inserção percutânea trans-hepática de prótese biliar endoscópica plástica 10F: passo-a-passo de uma técnica inédita

Thiago Franchi Nunes1 
http://orcid.org/0000-0003-0006-3725

Rômulo Florêncio Tristão Santos2 
http://orcid.org/0000-0002-8679-7369

Tiago Kojun Tibana1 
http://orcid.org/0000-0001-5930-1383

Denis Szejnfeld2 
http://orcid.org/0000-0001-8482-5955

1Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (HUMAP-UFMS), Campo Grande, MS, Brasil.

2Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-Unifesp), São Paulo, SP, Brasil.


INTRODUÇÃO

A via endoscópica para posicionamento de próteses biliares plásticas é uma técnica bem estabelecida na doença obstrutiva biliar benigna, maligna e/ou recorrente(1,2). Embora a técnica percutânea trans-hepática seja bem conhecida, como no caso da inserção de drenos externos e stents biliares metálicos(1,3-7), há somente uma descrição técnica em dois tempos cirúrgicos sobre inserção percutânea trans- hepática de prótese biliar plástica(1) e nenhum artigo descrevendo a técnica em uma única abordagem de uma prótese biliar calibre 10F.

PROCEDIMENTO

Imagens pré-operatórias devem ser revisadas detalhadamente para definição anatômica, possíveis variantes anatômicas, localização do ponto obstrutivo, determinação da melhor posição do paciente e planejamento do local da punção (via biliar direita ou esquerda).

Administra-se anestesia local com lidocaína 2% (10 mL) no ponto da punção percutânea, sob sedação consciente. Em seguida, faz-se a punção percutânea trans- hepática utilizando agulha coaxial 17G × 10,6 cm (MCXS1816AX; Argon Medical Devices, Frisco, TX, EUA) e introdutor vascular radial 5F (RS+A50K10SQ Radifocus Introducer II; Terumo, Tóquio, Japão), guiados por ultrassom, de um ramo periférico da via biliar. Após esta etapa, realiza-se uma colangiografia para visualizar o local exato da obstrução. Procede-se então à transposição da obstrução com fio-guia hidrofílico de 0,035’’ e um cateter diagnóstico vertebral 5F (IMPULSE; Boston Scientific, Marlborough, MA, EUA), até que sua extremidade distal esteja posicionada no duodeno, preferencialmente próximo ao ângulo de Treitz (Figura 1). Distende-se todo o lúmen duodenal com cerca de 25 mL de contraste iodado iodixanol (Visipaque; GE Healthcare, Chicago, IL, EUA) diluídos em 100 mL de solução fisiológica 0,9% (total de 125 mL), para melhor visualização da arcada duodenal e planejamento da implantação da prótese plástica 10F com 12 cm de comprimento, já previamente montada com sistema de entrega (Percuflex; Boston Scientific), evitando, assim, posicionamento inadequado e lesões iatrogênicas da parede duodenal pela prótese. Posteriormente, troca-se o fio-guia hidrofílico por um fio-guia rígido 0,035” (Amplatz Super Stiff; Boston Scientific) e retira-se o cateter diagnóstico. Em seguida, realiza-se a troca do introdutor 5F por um introdutor vascular 11F femoral (Radiofocus Introducer II; Terumo) para passagem da prótese plástica 10F × 12 cm.

Figura 1 Fio-guia hidrofílico 0,035’’ e um cateter diagnóstico 5F com extremidade distal posicionada no duodeno, próximo ao ângulo de Treitz (seta). 

A prótese, juntamente com o sistema de entrega, é inserida sobre o fio-guia, pelo interior do introdutor 11F (Figura 2). Sob fluoroscopia, primeiramente procura-se visualizar e identificar as duas marcas radiopacas, que são de extrema importância para o adequado posicionamento da prótese biliar plástica. A marca radiopaca distal delimita a extremidade final do sistema de entrega a uma distância estimada de 5 cm da parte distal da prótese (que ficará no duodeno). A marca radiopaca proximal situa-se a 1 cm da porção proximal da prótese plástica. Traciona-se o introdutor 11F até uma distância estimada de 3 cm acima (proximal) da bifurcação da via biliar intra-hepática (em direção ao local de punção), para que se possa posicionar corretamente a parte proximal da prótese plástica e que esta não fique destacada dentro do introdutor. Nesse momento, retira-se completamente o fio-guia rígido 0,035”, com o objetivo de melhorar a acomodação e ancoragem da porção distal da prótese no duodeno. Após esta etapa, inicia-se a liberação da prótese plástica desrosqueando a parte externa do sistema de entrega no sentido anti-horário (quatro voltas) e, após isso, retira-se todo o sistema de entrega (Figura 3). No momento da retirada do sistema de entrega, deve-se constatar a adequada ancoragem distal da prótese no interior do duodeno e proximal no interior da via biliar, pela marca radiopaca (Figura 4). Após a retirada do sistema de entrega da prótese, esta não mais poderá ser reposicionada. Como protocolo institucional, realiza-se um controle radiográfico de abdome 24 horas após o procedimento, para verificar se houve a eliminação completa do contraste intrabiliar.

Figura 2 Uma bainha é posicionada (asterisco). A prótese, juntamente com o sistema de entrega (seta branca), é inserida sobre o fio-guia, pelo interior da bainha. A marcação radiopaca do sistema de entrega (cabeça de seta) situa-se 1 cm acima da extremidade proximal da prótese biliar plástica, que será posicionada no interior da via biliar (acima do ponto obstrutivo). Sob fluoroscopia, visualizamos atentamente a marca radiopaca (seta preta), que delimita a parte final (sistema de entrega) da prótese plástica, e posicionamos cerca de 5 cm após a sua ancoragem no duodeno. 

Figura 3 Fotografia da extremidade distal do sistema de entrega da prótese biliar plástica. 

Figura 4 Após a retirada do sistema de entrega, injetamos pela bainha (asterisco) pequena quantidade de contraste iodado diluído e realizamos uma colangiografia pós-procedimento, com intuito de avaliar a perviedade e o posicionamento da prótese, com sua extremidade superior ao nível do ducto hepático comum (seta branca) e extremidade inferior ao nível do duodeno (seta preta). 

Em todos os casos de lesões suspeitas para malignidades, são realizadas colangiobiópsias conforme a técnica descrita por Nunes et al.(6).

Acreditamos que a técnica de drenagem percutânea utilizando prótese biliar plástica é de fácil implantação do ponto de vista técnico, extremamente segura, de baixo custo e factível para inúmeras situações de pacientes com icterícia obstrutiva sintomática.

REFERENCES

1 Keshava SN, Mammen S. Percutaneous placement of a biliary plastic stent. Indian J Radiol Imaging. 2011;21:231-3. [ Links ]

2 Yoon WJ, Ryu JK, Yang KY, et al. A comparison of metal and plastic stents for the relief of jaundice in unresectable malignant biliary obstruction in Korea: an emphasis on cost-effectiveness in a country with a low ERCP cost. Gastointest Endosc. 2009;70:284-9. [ Links ]

3 Rossi P, Salvatori FM, Bezzi M, et al. Percutaneous management of benign biliary strictures with balloon dilation and self-expanding metallic stents. Cardiovasc Intervent Radiol. 1990;13:231-9. [ Links ]

4 Zurstrassen CE, Bitencourt AGV, Guimaraes MD, et al. Percutaneous stent placement for the treatment of malignant biliary obstruction: nitinol versus elgiloy stents. Radiol Bras. 2017;50:97-102. [ Links ]

5 Tibana TK, Grubert RM, Fornazari VAV, et al. The role of percutaneous transhepatic biliary biopsy in the diagnosis of patients with obstructive jaundice: an initial experience. Radiol Bras. 2019;52:222-8. [ Links ]

6 Nunes TF, Tibana TK, Santos RFT, et al. Percutaneous transhepatic cholangiobiopsy. Radiol Bras. 2019;52:41-2. [ Links ]

7 Tibana TK, Grubert RM, Silva CMDR, et al. Percutaneous cholangioscopy for the treatment of choledocholithiasis. Radiol Bras. 2019;52:314-5. [ Links ]

Recebido: 03 de Outubro de 2019; Aceito: 13 de Novembro de 2019

Correspondência: Dr. Thiago Franchi Nunes. Rua Doutor Antônio Arantes, 398, Chácara Cachoeira. Campo Grande, MS, Brasil, 79040-720. E-mail: thiagofranchinunes@gmail.com.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.