SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 issue7Novidades em QNNitrous oxide fluxes at the air-sea interface in Guanabara Bay author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Química Nova

Print version ISSN 0100-4042On-line version ISSN 1678-7064

Quím. Nova vol.31 no.7 São Paulo  2008

https://doi.org/10.1590/S0100-40422008000700002 

ARTIGO

 

Conteúdo lipídico e composição de ácidos graxos de microalgas expostas aos gases CO2, SO2 e NO

 

Lipid content and fatty acids composition variation of microalgae exposed to CO2, SO2 and NO

 

 

Elisangela Martha Radmann; Jorge Alberto Vieira Costa*

Escola de Química e Alimentos, Universidade Federal do Rio Grande, CP 474, 96201-900 Rio Grande - RS, Brasil

 

 


ABSTRACT

The objective of the present work was to verify the lipid content and the fatty acid composition of the microalgae Spirulina sp., Scenedesmus obliquus, Synechococcus nidulans and Chlorella vulgaris cultivated in a medium containing CO2, SO2 and NO. The microalga Scenedesmus obliquus presented the highest lipid content (6.18%). For the other microalgae the lipid content ranged from 4.56 to 5.97%. The major monounsaturated fatty acids content was 66.01% for S. obliquus. The PUFA were obtained in major amount by the microalgae Spirulina sp. (29.37%) and S. nidulans (29.54%). The palmitoleic acid was in larger amount, with 41.02% concentration (Spirulina sp.)

Keywords: fatty acids; carbon dioxide; microalgae.


 

 

INTRODUÇÃO

Com o surgimento de indústrias e usinas termelétricas movidas a combustíveis fósseis, principalmente carvão e petróleo, as sociedades modernas passaram a liberar no ar grandes quantidades de dióxido de carbono (CO2) e outros gases, como dióxido de enxofre (SO2) e óxido nítrico (NO), agravando o efeito estufa. Existem diversos métodos para captura de CO2 atmosférico, dentre os quais a biofixação por microalgas.1 Com a utilização de CO2, as microalgas se multiplicam e produzem uma série de compostos de interesse, principalmente proteínas, ácidos graxos e corantes. Os ácidos graxos quando extraídos podem ser utilizados como alimento, fármacos ou transformados em biocombustíveis.

Além das microalgas serem utilizadas para biofixar CO2 da atmosfera, elas também vêm sendo estudadas como alimentos para humanos e animais, na agricultura, no tratamento de águas residuais e na obtenção de diversos compostos, com alto valor agregado, como corantes e ácidos graxos.2-5 Os ácidos graxos nas microalgas correspondem à maior fração lipídica e, em algumas espécies, os poliinsaturados (PUFA's) representam entre 25 e 60% dos lipídios totais.6,7 Comparadas aos vegetais superiores, as microalgas apresentam maior eficiência fotossintética e podem ser cultivadas em meio salino simples.8 Em relação à produção de lipídios, as microalgas podem produzir, pelo menos, quinze vezes mais que a palma (Elaeis guineensis), um dos vegetais de maior rendimento e produtividade. A estimativa de produção de lipídios por microalgas varia de 15.000 a 30.000 L km-2 e a extração é simples, podendo ser aplicados os métodos tradicionais usados na indústria química, incluindo a extração por solventes (em especial, hexano).

Diversos fatores influenciam a produção de lipídios e ácidos graxos por microalgas, como a intensidade luminosa,9-11 a temperatura12 e os nutrientes adicionados.13 Dentre os nutrientes que podem influenciar a produção de lipídios e ácidos graxos, estão as fontes de nitrogênio e de enxofre, as quais são utilizadas pelas microalgas na síntese de aminoácidos e ácidos graxos.14 Costa et al.15 estudaram o efeito da concentração inicial de nitrato de sódio (0,003; 0,015; 0,030 e 0,060 M) no crescimento da microalga Spirulina platensis e observaram que a concentração de ácidos graxos não foi influenciada pela concentração deste sal. Piorreck et al.16 verificaram que microalgas cultivadas em baixas concentrações de nitrogênio tiveram seu conteúdo lipídico incrementado sem, no entanto, alterar o perfil lipídico e de ácidos graxos.

Segundo Ishida et al.17 a baixa disponibilidade de carbono pode causar limitação do crescimento microalgal e a adição de CO2 no meio de cultivo pode aumentar até 7 vezes a produtividade. Muradyan et al.18 constataram que a concentração em ácidos graxos triplicou com aumento da concentração de 2 a 10% de CO2 nos cultivos de Dunaliella salina.

O objetivo deste trabalho foi determinar o conteúdo lipídico e o perfil dos ácidos graxos das microalgas Spirulina sp. LEB-18, Scenedesmus obliquus LEB-22, Synechococcus nidulans LEB-25 e Chlorella vulgaris LEB-106 cultivadas na presença dos gases CO2, SO2 e NO.

 

PARTE EXPERIMENTAL

Microrganismos e meios de cultivo

As microalgas utilizadas neste estudo foram Spirulina sp. LEB-18,19 Scenedesmus obliquus LEB-22,20 Synechococcus nidulans LEB-25 e Chlorella vulgaris LEB-106, isoladas de lagoas próximas à Usina Termelétrica Presidente Médici - UTPM no extremo sul do Brasil, latitude 24º 36'13''S e longitude 52º 32'43''W. As microalgas foram mantidas e cultivadas em meio BG-1121 (C. vulgaris) contendo (g L-1): NaNO3 1,50; K2HPO4.3H2O 0,04; MgSO4.7H2O 0,075; CaCl2.2H2O 0,036; Citrato férrico 0,006; EDTA 0,001; Na2CO3 0,02; Ácido cítrico 0,006; H3BO3 2,86.10-3; MnSO4.H2O 1,70.10-3; ZnSO4.7H2O 0,222.10-3; Na2MoO4.2H2O 0,39.10-3; CuSO4.5H2O 0,079.10-3; CoCl2.6H2O 0,0404.10-3; meio Zarrouk modificado22 (Spirulina sp. e S. nidulans) contendo (g L-1): CO2 12% (v/v); NaNO3 2,5; K2HPO4 0,5; K2SO4 1,0; NaCl 1,0; MgSO4.7H2O, 0,2; CaCl2 0,04; FeSO4.7H2O 0,01; EDTA, 0,08 e micronutrientes; onde a fonte de carbono (bicarbonato de sódio) foi substituída por CO2; e em meio MC23 (S. obliquus) contendo (g L-1): KNO3 0,25; MgSO4.7H2O 0,075; KH2PO4 0,175; FeSO4.7H2O 0,02 e micronutrientes. Os inóculos foram previamente adaptados a 1% (v/v) de CO2 durante 7 dias.

Condições de cultivo

Foram realizados 4 ensaios em duplicata, onde foram comparadas as respostas conteúdo lipídico e composição em ácidos graxos, sendo expostas a 12% de CO2, 60 µL L-1 de SO2 e 100 µL L-1 de NO à 30 ºC. Os ensaios foram realizados em sistema de fotobiorreatores fechados em série do tipo tubulares (FBRT) de 2 L (volume útil de 1,8 L), conforme mostra a Figura 1, mantidos em câmara termostatizada a 30 ºC com fotoperíodo 12 h claro/escuro durante 20 dias.24 A concentração de biomassa inicial dos cultivos foi 0,15 g L-1.25 A aeração foi realizada com ar comprimido misturado aos gases CO2 (12%), SO2 (60 µL L-1) e NO (100 µL L-1) dispostos em cilindros industriais. A vazão de entrada da mistura nos cultivos foi 0,54 L min-1 durante o período claro, controlado através de válvulas solenóides. A iluminância de 3200 Lux foi fornecida através de lâmpadas fluorescentes de 40 W tipo luz do dia.

 

 

Quantificação de lipídios totais e perfil de ácidos graxos

Para a quantificação de lipídios totais foi utilizada a metodologia proposta por Folch e Less.26 A fração lipídica foi esterificada para obtenção dos metil-ésteres dos ácidos graxos, segundo metodologia proposta por Metcalfe e Schimitz.27

A determinação de ácidos graxos foi realizada em cromatógrafo a gás modelo Varian - 3400CX equipado com detector de ionização de chama e coluna de sílica fundida contendo fase estacionária de polietileno glicol com 30 m de comprimento e 0,32 mm de diâmetro. O gás de arraste foi nitrogênio a 0,5 mL min-1. As temperaturas do injetor e do detector foram 250 e 280 ºC, respectivamente. A temperatura inicial da coluna foi 100 ºC seguida de aumento de 8 ºC min-1 até 230 ºC, permanecendo por 20 min. Os ácidos graxos foram identificados pela comparação dos tempos de retenção com padrões e quantificados por normalização de áreas.

Os padrões de ácidos graxos utilizados (Sigma Supelco; Bellefonte, EUA) foram ácido capróico (C6:0); ácido caprílico (C8:0); ácido cáprico (C10:0); ácido undecanóico (C11:0); ácido láurico (C12:0); ácido mirístico (C14:0); ácido miristoléico (C14:1); ácido palmítico (C16:0); ácido palmitoléico (C16:1); ácido margárico (C17:0); ácido margaroléico (C17:1); ácido esteárico (C18:0); ácido elaídico (C18:1 trans); ácido oléico (C18:1); ácido linoléico (C18:2); ácido α - linolênico (C18:3 n-3); ácido γ - linolênico (C18:3 n-6); ácido araquídico (C20:0); ácido gadoléico (C20:1); ácido eicosadienóico (C20:2); ácido eicosatrienóico (C20:3); ácido araquidônico (C20:4); eicosapentaenóico (C20:5); ácido beênico (C22:0); ácido erúcico (C22:1); ácido docosadienóico (C22:2); ácido docosahexaenóico (C22:6); ácido lignocérico (C24:0); ácido lignoceroléico (C24:1).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A Tabela 1 apresenta as concentrações de ácidos graxos para os ensaios realizados com as microalgas Spirulina sp. LEB-18, Scenedesmus obliquus LEB-22, Synechococcus nidulans LEB-25 e Chlorella vulgaris LEB-106. A microalga Scenedesmus obliquus LEB-22 apresentou o maior teor lipídico (6,18±0,20%, p>0,46). Para Spirulina sp. LEB-18, Synechococcus nidulans LEB-25 e Chlorella vulgaris LEB-106 foram obtidas as concentrações de 5,97±1,22% (p>0,60), 5,00±0,80% (p>0,60) e 5,21±0,06% (p>0,60), respectivamente. Estes resultados são semelhantes aos encontrados por Morais e Costa,28 com 5,20; 3,30 e 4,60% de lipídios para Spirulina sp. LEB-18, Scenedesmus obliquus LEB-22 e Chlorella vulgaris LEB-106, respectivamente, com adição de 12% de CO2, porém sem adição dos gases SO2 e NO. A variação das condições de cultivo pode fazer a produção de lipídios variar de 1 a 40% (p/p).6 Segundo Illman et al.,5 30 ºC e baixas concentrações de nitrogênio são consideradas condições ótimas para o aumento da produção de lipídios nas cepas de Chlorella. O aumento na fração lipídica também foi observado por Chu et al.29 adicionando ao cultivo 5% (v/v) de CO2.

 

 

O maior conteúdo de ácidos graxos saturados (AGS) foi obtido para Chlorella vulgaris LEB-106 (37,18%) e o maior conteúdo em ácidos graxos insaturados (AGI) foi 66,01% para a Scenedesmus obliquus LEB-22 (Figura 2). Os ácidos graxos poliinsaturados (PUFA) foram produzidos em maior quantidade pelas microalgas Spirulina sp. LEB-18 (29,37%) e Synechococcus nidulans LEB-25 (29,54%). Resultados inferiores a estes, exceto para Chlorella vulgaris LEB-106, foram encontrados por Morais,28 com 26,70; 50,50 e 72,00% de AGI e 5,40; 19,20 e 24,40% de PUFA, para as microalgas Spirulina sp. LEB-18, Scenedesmus obliquus LEB-22 e Chlorella vulgaris LEB-106, respectivamente, cultivadas com 12% de CO2 em fotobiorreator do tipo erlenmeyer sem adição de SO2 e NO. No presente trabalho, o fotobiorreator utilizado foi do tipo tubular em série que proporciona maior disponibilidade de luz e, conseqüentemente, maior utilização de CO2. Muradyan et al.18 obtiveram 58,60% de AGS; 15,00% de AGM e 26,40% de PUFA para D. salina cultivada em meio enriquecido com 10% de CO2. Segundo Tsuzuki et al.,30 a adição de CO2 aos cultivos influencia no conteúdo lipídico e no grau de insaturação dos ácidos graxos, sendo este, portanto, um nutriente essencial no cultivo de microalgas.

 

 

Os PUFA podem atuar na prevenção e tratamento de muitas doenças cardiovasculares, redução da pressão arterial, redução dos níveis de colesterol e triacilglicerídios no plasma, câncer, e, além disso, são considerados essenciais tanto para nutrição infantil quanto para o desenvolvimento cerebral.31-33 A biomassa microalgal comparada com outras fontes de ácidos graxos, como diversas espécies de peixes (bacalhau, anchova e sardinha), apresenta algumas vantagens como ausência de contaminação com metais pesados e ainda certas microalgas possuem significativamente maior espectro de PUFA, alguns com cadeias com mais de 18 átomos de carbono.34

Dentre os ácidos graxos saturados, o ácido palmítico (C16:0), que variou de 0,73 a 4,36% para as microalgas estudadas, é um ácido graxo importante para alimentação infantil, encontrado de 20 a 30% no leite materno.35 O ácido araquídico (C20:0) foi mais abundante entre os AGS, apresentando 29,10% para microalga Chlorella vulgaris LEB-106. Já os demais AGS variaram entre 0,08 e 8,18%. Os ácidos graxos saturados (AGS) são importantes na produção de biodiesel, com alto número de cetano e são menos propensos à oxidação que os compostos insaturados.36

O ácido palmitoléico (C16:1) apresentou-se em maior concentração em relação aos outros ácidos graxos monoinsaturados (AGM), variando de 23,47 a 41,02%. O ácido palmitoléico é responsável pelo metabolismo dos lipídios, podendo ajudar no equilíbrio dos níveis de colesterol HDL e LDL, reduzir a taxa de açúcar no sangue e favorecer a queda de gordura dos tecidos que envolvem o fígado e o coração34 e, além disso, é utilizado em cosméticos de ação rejuvenescedora. Os resultados apresentados são superiores aos encontrados por Maslova et al.,37 que obtiveram 18,20% de ácido palmitoléico (C16:1) para a microalga Synechococcus sp. a 32 ºC. Segundo Illman et al.,5 a temperatura em torno de 30 ºC é considerada ótima para aumentar a produção de lipídios. Os ácidos graxos monoinsaturados estão relacionados à diminuição dos níveis de colesterol, triacilglicerídios, glicose e aumento do colesterol HDL. Por sua vez, o ácido oléico (C18:1) variou de 8,04 a 21,81% para as microalgas estudadas.

Dentre os PUFA, o ácido γ-linolênico (C18:3) apresentou predominância variando de 3,12 a 18,12%. A fração de ácido linolênico sobre os ácidos oléico e linoléico mostrou variação entre 0,11 a 2,40%, indicando que as condições de cultivo afetaram o grau de insaturação dos ácidos graxos presentes. Quanto maior a relação do GLA sobre os ácidos oléico e linoléico, maior a quantidade de GLA. Vários trabalhos têm sido realizados a fim de identificar as dessaturases responsáveis pela introdução da primeira e da segunda duplas ligações em ácidos graxos saturados.38 Colla et al.2 estudaram a influência da temperatura e da concentração de NaNO3 no meio de cultivo sobre o perfil de ácidos graxos da microalga Spirulina platensis, e observaram que o fator mais importante foi a temperatura (30 e 35 ºC), sendo que maiores concentrações do GLA foram obtidas a 30 ºC, acompanhado por um decréscimo da concentração dos ácidos oléico e linoléico. Além da temperatura, os nutrientes do meio de cultivo também são muito importantes na produção de ácidos graxos, como a fonte de carbono.29 Portanto, a concentração de 12% de CO2, 60 µL L-1 de SO2 e 100 µL L-1 de NO favorece a produção de determinados ácidos graxos. Colla et al.2 obtiveram 20,90% de ácido linolênico em ensaios a 30 ºC e 2,5 g L-1 de nitrato de sódio. Segundo Ward e Singh,39 o ácido linolênico pode ser utilizado no tratamento de diversas doenças, como esclerose múltipla e doenças cardiovasculares.

Foram encontrados traços de ácido eicosapentaenóico (C20:5) - EPA, produzido pelas microalgas Synechococcus nidulans LEB-25 (0,10%) e Chlorella vulgaris LEB-106 (0,13%). Este ácido pode atuar na prevenção de formação de blocos de prostaglandinas prejudiciais, como a prostaglandina D2 que induz a vasodilatação, hiperalgesia e forte quimiotaxia de neutrófilos. A prostaglandina E2, liberada pelos queratinócitos, induz pirexia, hiperalgesia, quimiotaxia de neutrófilos. O EPA também pode realçar e melhorar a função imunológica.

 

CONCLUSÕES

A maior quantidade em ácidos graxos essenciais foi de 6,26% de ácido linoléico, ambos para Chlorella vulgaris LEB-106 e 25,73% de ácido linolênico para Spirulina sp. LEB-18. O perfil de ácidos graxos obtido para todas as microalgas, exceto Chlorella vulgaris LEB-106, mostrou ser o ácido palmitoléico (C16:1) o mais abundante, alcançando 41,02% (Spirulina sp. LEB-18). Para Chlorella vulgaris LEB-106 o ácido araquídico (C20:0) apresentou-se em maior concentração (29,10%).

O cultivo de microalgas com os gases CO2, SO2 e NO apresentou biomassa rica em ácidos graxos, podendo estes ser utilizados tanto para a alimentação, quanto para produção de biocombustíveis. Além disso, as microalgas estudadas podem contribuir na redução do aquecimento global, com a fixação do dióxido de carbono, principal componente dos gases do efeito estufa na atmosfera.

 

AGRADECIMENTOS

À ELETROBRAS - Centrais Elétricas Brasileiras S.A. e CGTEE - Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica pelo apoio financeiro para a realização desse trabalho.

 

REFERÊNCIAS

1. Brown, L. M.; Zeiler, K. G.; Energy Convers. Manage. 1993, 34, 1005.         [ Links ]

2. Colla, L. M.; Bertolin, T. E.; Costa, J. A. V.; Z. Naturforsch. C. 2004, 59, 55.         [ Links ]

3. Richmond, A.; Handbook of microalgal culture: Biotechnology and Applied Phycology, Black Well Science: Oxford, 2004, p. 566.         [ Links ]

4. Molina-Grima, E.; Biotechnol. Adv. 2004, 20, 491.         [ Links ]

5. Illman, A. M.; Scragg, A. H.; Shales, S. W.; Enzyme Microb. Technol. 2000, 27, 631.         [ Links ]

6. Becker, W. Em ref. 3; Richmond, A., ed.; Blackwell Science: London, 2004, p. 312-351.         [ Links ]

7. Brown, M. R.; J. Exp. Mar. Biol. Ecol. 1991, 145, 79.         [ Links ]

8. Olguín, E.; Galicia, S.; Angulo-Guerrero, O.; Hernández, E.; Bioresour. Technol. 2001, 77, 19.         [ Links ]

9. Pirt S. J.; New Phytologist 1986, 102, 3.         [ Links ]

10. Tanticharoen, M.; Reungjitchawali, M.; Boonag, B.; Vondtaveesuk, P.; Vonshak, A.; Cohen, Z.; J. Appl. Phycol. 1994, 6, 295.         [ Links ]

11. Hirano, M.; Mori, H.; Mura, Y.; Matsunaga, N.; Nakamura, N.; Matsunaga, T.; Appl. Biochem. Biotechnol. 1990, 24, 183.         [ Links ]

12. Thompson, P. A.; Guo, M.; J. Phycol. 1992, 28, 481.         [ Links ]

13. Sukenik, A.; Wahnon, R.; Aquaculture 1991, 97, 61.         [ Links ]

14. Richmond, A.; Handbook of microalgal mass culture, Boston: CRC Press, 1990.         [ Links ]

15. Costa, J. A. V.; Linde, G. A.; Atala, D. I. P.; World J. Microb. Biot. 2000, 16, 15.         [ Links ]

16. Piorreck, M.; Baasch, K. H.; Pohl, P.; Phytochemistry 1984, 23, 207.         [ Links ]

17. Ishida, Y.; Hiragushi, N.; Kitaguchi, H.; Mitsutani, A., Nagai, S.; Yoshimura, M.; Fish. Sci. 2000, 66, 655.         [ Links ]

18. Muradyan, E. A.; Klyachko-Gurvich, G. L.; Tsoglin, L. N.; Sergeyenko, T. V.; Pronina, N. A.; Russ. J. Plant Physiol. 2004, 51, 53.         [ Links ]

19. Costa, J. A. V.; Morais, M. G.; Dalcanton, F.; Reichert, C. C.; Durante, A. J.; Z. Naturforsch. C 2006, 61, 105.         [ Links ]

20. Morais M. G.; Costa, J. A. V.; J. Biotechnol. 2007a, 129, 439.         [ Links ]

21. Rippka, R.; Deruelles, J.; Waterbury, J. W.; Herdman, M.; Stanier, R. G.; J. Gen. Microbiol. 1979, 111, 1.         [ Links ]

22. Morais M. G.; Costa, J. A. V.; Energy Convers. Manage. 2007b, 48, 2169.         [ Links ]

23. Watanabe, A.; J. Gen. Appl. Microbiol. 1960, 6, 1.         [ Links ]

24. Reichert, C. C.; Reinehr, C. O.; Costa, J. A. V.; Braz. J. Chem. Eng. 2006, 23, 23.         [ Links ]

25. Colla, L. M.; Reinehr, C. O.; Reichert, C.; Costa, J. A. V.; Bioresour. Technol. 2007, 98, 1489.         [ Links ]

26. Folch, J.; Lees, M.; J. Biol. Chem. 1957, 226, 497.         [ Links ]

27. Metcalfe, L. D. A. A.; Schimitz, J. R.; Anal. Chem. 1966, 38, 510.         [ Links ]

28. Morais, M. G.; Dissertação de Mestrado, Fundação Universidade Federal do Rio Grande, Brasil, 2006.         [ Links ]

29. Chu, W. L.; Phang, S. M.; Goh, S. H.; J. Appl. Phycol. 1996, 8, 389.         [ Links ]

30. Tsuzuki, M.; Ohnuma, E.; Sato, N.; Takaku, T.; Kawaguchi, A.; Plant. Physiol. 1990, 93, 851.         [ Links ]

31. Simopoulos, A. P.; Biomed. Pharmacoth. 2002, 56, 365.         [ Links ]

32. Fábregas, J.; Herrero, C.; Gamallo, Y.; Otero, A.; Paz, J. M.; Vecino, E.; J. Gen. Appl. Microbiol. 1994, 40, 540.         [ Links ]

33. Borowitzka, M.; Infofish Internat. 1993, 5, 21.         [ Links ]

34. Wen, Z. Y.; Chen, F.; J. Indust. Microbiol. Biotechnol. 2000, 25, 218.         [ Links ]

35. Willis, W. M.; Lencki, R. E.; Marangoni, A. G.; Crit. Rev. Food Sci. 1998, 38, 639.         [ Links ]

36. Canakci, M.; Bioresour. Biotechnol. 2007, 98, 183        [ Links ]

37. Maslova, I. P.; Mouradyan, E. A.; Lapina, S. S.; Klyachko-Gurvich; Los, D. A.; Russ. J. Plant Physiol. 2004, 51, 353.         [ Links ]

38. Deshnium, P.; Paithoonrangsarid, K.; Suphatrakul, A.; Meesapyodsuk, D.; Tanticharoen, M.; Cheevadhanarak, S.; FEMS Microbiol Lett. 2000, 184, 207.         [ Links ]

39. Ward. O. P. ; Singh, A.; Process Biochem. 2005, 40, 3627.         [ Links ]

 

 

Recebido em 5/5/07; aceito em 27/3/08; publicado na web em 4/9/2008

 

 

* e-mail: jorgealbertovc@terra.com.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License