SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 issue1Bioprospecting of marine seaweeds and aquatic plants for controlling the bean anthracnoseEfficiency of phylloplane bacteria in controlling aerial tomato diseases under field conditions author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Summa Phytopathologica

Print version ISSN 0100-5405On-line version ISSN 1980-5454

Summa phytopathol. vol.34 no.1 Botucatu Jan./Feb. 2008

https://doi.org/10.1590/S0100-54052008000100018 

NOTAS CIENTÍFICAS

 

Efeito de sanificantes no controle pós-colheita da podridão parda (Monilinia fructicola) e da podridão mole (Rhizopus stolonifer) em pêssegos

 

Effect of sanitizing products on the postharvest control of brown rot (Monilinia fructicola) and soft rot (Rhizopus stolonifer) in peaches

 

 

Fabiana Marchi de AbreuI, *; Silvia Afonseca LourençoI, **; Eliane BassettoI, Fabrício Packer GonçalvesI; Marise Cagnim MartinsII; Lilian AmorimI, **

IDepartamento de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, Cx. Postal 9, CEP 13418-900, Piracicaba, SP, fax (0xx19) 3434-4839, e-mail: fabianamabreu@hotmail.com
IIInstituto Biológico, Cx. Postal 70, CEP 13001-970, Campinas, SP

 

 


RESUMO

O objetivo desse trabalho foi avaliar o efeito in vitro e in vivo dos sanificantes cloreto de benzalcônio (Fegatex®), biomassa cítrica (Ecolife40®) e ozônio no controle da podridão parda (Monilinia fructicola) e da podridão mole (Rhizopus stolonifer) em pêssegos das cultivares Aurora, Dourado e Flor da Prince. Cloreto de benzalcônio e biomassa cítrica, aplicados in vitro, ambos na concentração de 1000 mL L-1, inibiram totalmente o crescimento radial (micelial) de M. fructicola, porém nenhum deles foi eficiente no controle de R. stolonifer. Cloreto de benzalcônio aplicado de forma preventiva, na concentração de 3000 mL L-1, reduziu a podridão parda em frutos inoculados sem ferimentos. Quando aplicado de forma curativa em frutos não feridos esse produto foi eficiente em todas as concentrações testadas. Nenhum produto aplicado nos frutos de forma curativa foi eficiente no controle da podridão parda, quando a inoculação do fungo foi realizada através de ferimentos. Nenhum dos produtos foi eficiente no controle da podridão mole. O ozônio (0,1 mL L-1) não foi eficiente no controle das podridões parda e mole.

Palavras chave: controle alternativo, Prunus persica, ozônio, cloreto de benzalcônio, biomassa cítrica.


ABSTRACT

The purpose of this work was to study the in vitro and in vivo effects of the sanitizing products benzalkonium chloride (Fegatex®), citric biomass (Ecolife40®) and ozone gas on the control of brown rot (Monilinia fructicola) and soft rot (Rhizopus stolonifer) in peaches cultivars "Aurora", "Dourado" and "Flor da Prince". Benzalkonium chloride and citric biomass, both at 1000 mL L-1, completely inhibited the radial (mycelial) growth of M. fructicola, although none of them controlled R. stolonifer in vitro. The preventive use of benzalkonium chloride at 3000 mL L-1 reduced brown rot in non-injured peaches. Benzalkonium chloride applied as curative in non-injured peaches was effective against M. fructicola at all concentrations. None of the products tested curatively was effective in preventing the development of brown rot when the fungus was inoculated over fruit injuries. None of the products was effective in controlling soft rot. Ozone gas at 0,1 mL L-1 was not effective in controlling brown or soft rots in peaches.

Additional keywords: alternative control, Prunus persica, ozone, benzalconium chloride, citric biomass.


 

 

O pêssego está sujeito a diversas doenças pós-colheita que acarretam perdas quantitativas e qualitativas. Patógenos como Monilinia fructicola e Rhizopus stolonifer, figuram entre os mais comuns agentes causais de doenças pós-colheita nessa cultura. Devido aos problemas decorrentes do desenvolvimento de resistência dos patógenos a fungicidas e, principalmente, pelos efeitos prejudiciais dos fungicidas ao meio ambiente e à saúde humana, tem sido atualmente preconizada a utilização de estratégias alternativas de controle que minimizem o uso de fungicidas (4).

O ozônio é um gás instável que se decompõe rapidamente, sendo considerado seguro para utilização em alimentos. Seu efeito no controle da podridão parda de pêssegos foi demonstrado por Palou et al. (4), somente para pêssegos inoculados com Monilinia fructicola em frutos armazenados por até 14 dias em câmaras com 0,3 mL L-1 de ozônio, em umidade e temperatura controladas. Em períodos mais longos de armazenamento (21 e 28 dias) e com outros patógenos comuns em pós-colheita, o produto não foi eficiente.

O cloreto de benzalcônio (Fegatex®) pertence ao grupo químico quaternário de amônio e apresenta uma elevada degradabilidade. Apresenta propriedades fungistáticas in vitro, inibindo o crescimento radial (micelial) de vários patógenos pós-colheita como Penicillium digitatum (1).

Ecolife40® é um produto comercial originado de biomassa cítrica, ou segundo o fabricante, uma formulação aquosa heterogênea contendo polifenóis, flavonóides, fitoalexinas e ácidos orgânicos diluídos, que atuam como microbiostáticos, sendo recomendado para uso em campo e pós-colheita em diversas culturas (5).

Frente ao exposto, o presente trabalho teve como objetivo verificar a eficiência de cloreto de benzalcônio, biomassa cítrica e ozônio no controle pós-colheita da podridão parda e da podridão mole em pêssegos.

Inicialmente, cloreto de benzalcônio e biomassa cítrica foram testados, in vitro, nas concentrações de 1, 10, 100 e 1000 mL L-1 de i.a., com cinco repetições para cada concentração e patógeno testado. Os sanificantes foram adicionados em meio BDA fundente, o qual foi imediatamente colocado em placas de petri e, após resfriamento, um disco de micélio de 5 mm de diâmetro de cada fungo (M. fructicola e R. stolonifer) foi colocado no centro da placa de petri. As testemunhas consistiram da repicagem de disco de micélio para placas com BDA. As placas foram mantidas sob temperatura ambiente (25 ± 3 ºC) e as estimativas do crescimento radial das colônias foram feitas diariamente, medindo o comprimento da colônia em duas direções perpendiculares. O diâmetro máximo das colônias fúngicas nos meios de cultivo em BDA com os sanificantes foi comparado ao das colônias em BDA, pelo teste F.

Para o teste, in vivo, os pêssegos, Aurora, Dourado e Flor da Prince, foram desinfestados através da imersão em solução de hipoclorito de sódio 0,5 % durante três minutos. A inoculação dos isolados foi realizada através da deposição de 20 mL de suspensão de esporos, na concentração de 105 esporos mL-1, sobre ferimentos de 0,3 mm de diâmetro. No experimento com M. fructicola, que possui a capacidade de penetrar o hospedeiro diretamente (3), utilizou-se, adicionalmente, a deposição de 20 mL da suspensão de esporos do fungo (105 esporos mL-1) sobre a casca intacta do fruto.

Os produtos foram testados de forma curativa e preventiva com exceção do ozônio, que foi aplicado apenas como curativo. Nos testes realizados de forma curativa, os frutos foram inoculados com os respectivos fungos e, após quatro horas sob câmara úmida, foram imersos em solução de biomassa cítrica durante dois minutos nas concentrações de 0; 1000; 1500; 2000; 2500 e 3000 mL L-1 de produto comercial ou em solução de cloreto de benzalcônio por quinze minutos nas concentrações de 0; 1000; 2000 e 3000 mL L-1. Após cada tratamento, os frutos foram mantidos por sete a dez dias sob temperatura ambiente (25 ± 3 ºC). Os frutos do tratamento com ozônio foram levados para a câmara de ozônio após a retirada da câmara úmida, onde permaneceram na concentração de 0,1 mL L-1 do gás por quatro a sete dias, à temperatura de 24 ± 1 ºC e umidade relativa (UR) de 90 ± 5 %. No teste preventivo, os frutos foram imersos nas soluções dos sanificantes nas mesmas concentrações utilizadas no teste curativo e a inoculação foi realizada após quatro horas. As testemunhas para ambos os patógenos e tratamentos consistiram na deposição de 20 mL de água estéril contendo 105 esporos mL-1 na casca da fruta, com e sem ferimento. O delineamento foi inteiramente casualizado, sendo utilizados 10 frutos para cada concentração, tanto nos testes curativos como nos preventivos e 30 frutos para cada tratamento realizado na câmara de ozônio.

Os dados de incidência foram analisados por meio do teste não paramétrico de comparação de duas ou múltiplas proporções (6). Quando necessário, as proporções foram submetidas à transformação, utilizando as equações Pi = x/(n+1), Pi' = (x+1)/(n+1) e Pi'' = ½ [arcsenPi + arcsenPi'] de acordo com Zar (6), onde x é o número de frutos totais de cada proporção, n é o número de frutos doentes de cada proporção e Pi'' é a proporção transformada.

Os resultados mostraram que, cloreto de benzalcônio e biomassa cítrica, na concentração de 1000 mL L-1, in vitro, inibiram totalmente o crescimento radial de M. fructicola, mas não inibiram o crescimento de R. stolonifer (Tabela 1), concordando com os resultados obtidos por Benato et al. (1).

 

 

Os produtos não foram eficientes no controle curativo da podridão parda, quando a inoculação dos frutos foi realizada, in vivo, através de ferimento (Tabela 2). Em frutos inoculados sem ferimentos, o cloreto de benzalcônio inibiu o desenvolvimento de podridão parda em todas as concentrações (Tabela 2), concordando com Benato et al. (1).

 

 

Cloreto de benzalcônio, na concentração de 3000 mL L-1, e biomassa cítrica, nas concentrações de 1000 e 3000 mL L-1, controlaram a podridão parda quando aplicados de forma preventiva em frutos inoculados sem ferimentos (Tabela 2). Estes resultados estão de acordo com os obtidos por Hanada et al. (2) e com os obtidos in vitro, neste trabalho.

Nos experimentos realizados para o controle de Rhizopus stolonifer nenhum dos produtos e formas de tratamento foram significativamente eficientes (Tabela 2).

A incidência de podridão parda em pêssegos (70%) inoculados através de ferimentos e mantidos na câmara com ozônio não diferiu estatisticamente da testemunha (76,7 %). O tratamento também não foi eficiente nos frutos inoculados sem ferimentos (20 % na testemunha e 13 % em frutos tratados). A incidência de podridão mole em pêssegos mantidos na câmara com ozônio foi estatisticamente igual à incidência de doença em pêssegos mantidos em câmara com atmosfera normal, 76,67 % e 78,3 %, respectivamente concordando com os obtidos por Palou et al. (4). O ozônio (O3), portanto, não foi eficiente no controle das podridões parda e mole em pêssegos, na concentração de 0,1 mL L-1.

 

AGRADECIMENTO

Ao Prof. Dr. Ângelo P. Jacomino do Departamento de Produção Vegetal da ESALQ pelo apoio a este trabalho e à FAPESP (02/12928-0 e 03/03967-8) pelo apoio financeiro.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Benato, E. A.; Sigrist, J. M. M.; Perrone, S. Efeito de um composto de cloretos de benzalcônio sobre o crescimento micelial de fungos causadores de podridões pós-colheita em frutas. In: Congresso Paulista de Fitopatologia, 21, 1998, Botucatu. Anais ... Campinas: Fundação Cargil, 1998. p. 123.         [ Links ]

2. Hanada, R.E.; Gasparotto, E.; Pereira, J.C.R. Eficiência de desinfestantes na erradicação de conídios de Mycosphaerella fijiensis aderidos à superfície de bananas. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 29, n. 1, p. 94-96, 2004.         [ Links ]

3. Martins, M.C.; Betti, J.A.; Leite, R.M.V.B.C.; Amorim, L. Doenças das rosáceas de caroço. In: KIMATI, H.; AMORIM, L.; REZENDE, J.A.M.; BERGAMIN FILHO, A.; CAMARGO, L.E.A. (Ed.). Manual de Fitopatologia: doenças das plantas cultivadas, São Paulo: Agronômica Ceres, 2005; v. 2; cap. 62, p. 545-557.         [ Links ]

4. Palou, L.; Crisosto, C.H.; Smilanick, J.L.; Adaskaveg, J.E.; Zoffoli, J.P. Effects of continuous 0.3 ppm ozone exposure on decay development and physiological responses of peaches and table grapes in cold storage. Postharvest Biology and Technology, Amsterdam, v. 24, p. 39-48, 2002.         [ Links ]

5. Quinabra. Ecolife40 – Estimulando as plantas a produzir suas próprias defesas. São José dos Campos, s. d. 14 p. (Boletim Técnico).         [ Links ]

6. Zar, J.H. More on dichotomous variables. In: ZAR, J.H. Biostatistical analysis. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1999. cap. 10, p. 516-570.         [ Links ]

 

 

Data de chegada:26/02/2006.
Aceito para publicação em:24/11/2006

 

 

* Bolsista da FAPESP – Processo 03/03967-8
** Bolsista CNPq

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License