SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.5 issue2Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPAUniversidade Federal de Pernambuco - UFPE author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Botanica Brasilica

Print version ISSN 0102-3306

Acta Bot. Bras. vol.5 no.2 Feira de Santana Dec. 1991

https://doi.org/10.1590/S0102-33061991000200007 

TESES E DISSERTAÇÕES/THESIS AND DISSERTATIONS
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR

 

 

TITULO: Identificação e Determinação Quantitativa de Solasodina em Frutos de Solanum brusquense. Smith & Downs.

AUTOR: Rubens Leonart

DATA: 17 de junho de 1983

NÍVEL: mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Eduardo Augusto Moreira - UFPR (orientador).
Gilberto Antônio de Assis Brasil e Silva - UFRS.
Olavo Romanus - UFPR.

 

RESUMO - Foram coletados vários frutos, em início de maturação, de Solanum brusquens e Smith & Downs, Solanaceae, e submetidos às técnicas para a extração de glicoalcalóides. Nos extratos metanólicos foi detectada a presença de dois glicoalcalóides, através de cromatografia em camada delgada (CCD), e seus Rf bem como os espectros de absorção infravermelho (I.R.) demonstraram ser muito semelhantes aos dos glicoalcalóides solasonina e solasurina. A hidrólise de ambos demonstrou possuírem a mesma aglicona: identificada como solasodina, através de CCD, I.R. e ponto de fusão. Houve também, durante a hidrólise de ambos, a formação do solasodieno, identificado pelo seu espectro de absorção ultravioleta (U.V.) e pelo ponto de fusão. As determinações quantitativas da solasodina e solasodieno, pelos métodos do alaranjado de metila e do ácido sulfúrico-formaldeído, acusaram um rendimento de 1,0% de solasodina e de 0,13% de solasodieno.

 


 

TÍTULO: Morfologia das Annonaceae Catarinenses.

AUTOR: Ademir Reis

DATA: 30 de setembro de 1983

NÍVEL: Mestrado.

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Ralph João George Hertel - UFPR (orientador).
Berta Lange de Morretes - USP.
Armando Carlos Cervi - UFPR.

 

RESUMO - O presente trabalho tem por objetivo contribuir para o melhor conhecimento das Annonáceas catarinenses, tanto sob o aspecto morfológico como taxinômico, uma vez que estes dois parâmetros estão intensamente relacionados. O estudo foi realizado com plantas cultivadas da maioria das espécies catarinénses da família, sendo os resultados comprovados em plantas da natureza e em material dos herbários Barbosa Rodrigues (HBR) e da Universidade Federal de Santa Catarina (FLOR). A morfologia da família foi analisada através das fases ontogenéticas (semente, córculo e embrião, puladendro, tirodendro, ferodendro e senadendro) e das fases do biociclo (teleoma, antoma, gamoma, carpoma), contribuindo para a distinção taxinômica dos seis gêneros que ocorrem em Santa Catarina: Annona Linnaeus, Duguetia Saint Hilaire, Guatteria Ruiz et Pavon, Porcelia (Warming) R.E. Fries, Rollinia Saint Hilaire, Xylopia Sprengel. Para a melhor distinção dos gêneros, foram executadas diversas chaves artificiais nas diferentes fases ontogenéticas e finalmente gêneros e espécies foram descritos conforme os novos parâmetros observados. Os resultados obtidos, indicaram que a família em questão, apresenta teleoma do tipo simpodial. Os gêneros Annona e Rollinia, com aspecto de monopódios comportam simpódios substitutivos, devido aos fenômenos de monopolização e hipercronização de seus cáudices. A forma dos ferodendros é coronodêndrica. Os outros gêneros (Duguetia, Guatteria, Porcelia, Xylopia) apresentam simpódios orto-sequentes e ferodendros carcuminodêndricos. Apenas os gêneros Annona e Rollinia não foram passíveis de distinção através das fases ontogenéticas, continuando sua distinção ainda apenas pelo formato e disposição dos pétalos.

 


 

TÍTULO: Contribuição ao Estudo das Diatomáceas (Bacillariophyceae) na região da barragem de captação d'água do Rio Iguaçú (SANEPAR), em Curitiba, Estado do Paraná, Brasil.

AUTOR: Luiz Fernando Contin

DATA: 9 de dezembro de 1983

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Hermes Moreira Filho - UFPR (orientador)
Carlos Eduardo de Mattos Bicudo - IBSP
Enedi Eskinazi Liça - UFPE.

 

RESUMO - A presente pesquisa tem por finalidade, o levantamento da flórula diatomológica em 5 estações, localizadas na confluência dos Rios Atuba, Irai e Pequeno, onde ocorre a nascente do Rio Iguaçú. Neste local, existe uma barragem de captação d'água, importante para o abastecimento da Cidade de Curitiba. Entre 236 táxons presentes, 227 foram identificados como espécies, variedades e formas taxonômicas, permanecendo 9 como indeterminados. Pertencem os referidos taxons a 30 Gêneros e 9 Famílias. Os gêneros mais frequentes foram Navicula, Pinnularia e Eunotia, enquanto que as famílias mais representativas foram Naviculaceae, Eunotiaceae e Cymbellaceae. Dos táxons identificados, 119 são novos para a flórula diatomológica dulceaquícola do Estado do Paraná. Não houve variação sazonal da flórula durante os 13 meses estudados. Os taxons, nas 5 estações, mostraram-se caoticamente distribuídos. Para a identificação dos gêneros inventariados, foi elaborada uma chave dicotômica artificial. Na apresentação individual dos taxons, além das obras originais, são apresentados os respectivos basiônimos, descrições, desenhos, medidas, dados ecológicos, referências para o Estado do Paraná, e comentários, quando necessários. Um glossário dos principais termos utilizados, um mapa mostrando a localização das estações, e fotografias dos locais de coleta, também compõem a presente tese.

 


 

TÍTULO: Presença de Compostos Antracênicos em folhas de Cassia fastuosa Willd.

AUTOR: Reni Krambeck

DATA: 25 de maio de 1984

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Eduardo Augusto Moreira - UFPR (orientador)
Nuno Alvares Pereira - UFRJ
Eduardo Wal - UFPR.

 

RESUMO - Coletou-se, em 1973, folhas de Cassia fastuosa Willd., Leguminosae, que após estabilização e armazenamento convenientes, foram submetidos à técnica de extração dos compostos antracênicos. No extrato etéreo foi detectado a presença de 3 agliconas (A,B e C); no extrato etanólico, a presença de senósides A e B. Através de cromatografia em camada delgada (CCD) e pontos de fusão, chegou-se à conclusão que as agliconas A e B são, respectivamente, a aloemodina e emodina. Com os espectros de absorção ultravioleta e infravermelho, concluiu-se que a agiicona B é a reina. Pela cromatografia em camada delgada do extrato etanólico, os Rf demonstraram ser muito semelhantes aos dos padrões senóside A e B. As determinações quantitativas acusaram um rendimento de 2,48% em reina, e 4,8% em senóside B. O ensaio biológico preliminar, com extrato aquoso a 10%, para verificação da atividade laxante foi confirmado, não se observando efeito tóxico.

 


 

TÍTULO: Contribuição ao Conhecimento das Diatomáceas (Bacillariophyceae) no Plâncton Estuarino do Rio Itiberê, Município de Paranaguá, Estado do Paraná, Brasil.

AUTOR: Raul José Millen de Oliveira

DATA: 14 de setembro de 1984

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Hermes Moreira Filho - UFPR (orientador)
Carlos Eduardo de Mattos Bicudo - IBSP
Chossi Singue - UFPR.

 

RESUMO - Visando aquilatar à situação em que se encontram os ambientes aquáticos estuarinos e pretendendo estudar as Diatomáceas planctônicas nesses locais do Estado do Paraná, para fornecer mais subsídios para o conhecimento desta parcela de sua flórula planctônica, realizou-se um levantamento destas microalgas no estuário do Rio Itiberê, que banha a cidade de Paranaguá, Estado do Paraná, Brasil. O período de trabalho estendeu-se de abril de 1980 a junho de 1981, realizando-se coletas mensais, num dia de cada mês, quando se efetuaram duas coletas, uma matutina e outra vespertina. O trabalho consistiu na coleta do plâncton, com rede própria para obter até o microplâncton e da medida e determinação de certas variáveis mesológicas: temperatura, Ph, salinidade, velocidade da corrente, pluviosidade, transparência e marés. Fixado e, em parte, oxidado, montou-se o material em lâminas, procedendo-se posteriormente a identificação. Reconheceu-se 132 taxa a nível infra-genérico e 12 apenas a nível genérico, distribuido, o total, em 21 famílias e 61 gêneros. Dos 132 taxas específicos e infra-específicos, 38 constituíram novas citações para a flórula de Diatomáceas do Estado do Paraná. As famílias melhor representadas, em número de taxa infra-genérico, foram Naviculaceae e Coscinodiscaceae e, segundo o mesmo parâmetro, os gêneros mais representativos foram Navicula, Coscinodiscus e Nitzschia. Verificou-se que as condições mesológicas, analisadas separadamente, não se constituiram em fatores limitantes da diversidade nas diferentes estações de coletas. Levantou-se então o grau de diversidade nos diferentes meses de coletas, verificando-se que houveram dois períodos de maior diversidade, um referente aos meses de setembro e outubro/1980 e o outro compreendendo os meses de janeiro e fevereiro/1981. Por fim, relacionou-se os taxas infra-genéricos mais representativos nas diverentes estações de coletas e relacionou-se também os que se constituiram em novas contribuições para o conhecimento da flórula de Diatomáceas do Estado do Paraná.

 


 

TÍTULO: Interpretação Morfológica de Anacheilium faustum (Rchb.) f. ex. Cogn.- Pabst, Moutinho & Pinto..

AUTOR: Francisco das Chagas e Silva

DATA: 30 de novembro de 1984

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná.

BANCA EXAMINADORA:

Ralph João George Hertel - UFPR (orientador)
Graziela Maciel Barroso - JBRJ.
Jorge Fontella Pereira - IBDF

 

RESUMO - O presente trabalho consiste na interpretação morfológica da Anacheilium faustum, uma Orchidaceae do grupo de Encyclia glumacea segundo Dungs & Pabst. A interpretação foi realizada em todos os órgãos da planta e durante o período do seu ciclo biológico. A metodologia usada consistiu em observação direto do material no campo e no laboratório, dissecção e microtécnica. Durante a interpretação, foram levantados e analisados diversos problemas terminológicos, tendo sido particularmente relevante a discussão do termo pseudobulbo. O estudo teve, entre outras consequências, a proposição de uma nova classificação do bulbo na família Orchidaceae.

 


 

TÍTULO: Diatomáceas (Bacillariophyta) dos Lagos do Colégio Santa Maria Município de Almirante Tamandaré, Estado do Paraná, Brasil.

AUTOR: Zaor Caetano

DATA: 6 de dezembro de 1984

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Hermes Moreira Filho - UFPR (orientador)
Carlos Eduardo de Mattos Bicudo - IBSP
Jayme de Loyola e Silva - UFPR

 

RESUMO - Foi realizado um estudo taxinômico das diatomáceas que ocorrem nos lagos artificiais do Colégio Santa Maria, Município de Almirante Tamandaré, Estado do Paraná, Brasil. Foram identificados 149 taxa, em 5 estações, no período de 12 meses, entre abril/80 e março/81. Fizeram-se considerações gerais sobre: o local escolhido, metodologia usada para coleta e preparação do material, bem como para a identificação dos taxa, onde foram citados: a nominação, basiônimo, bibliografia relevante, descrição, medidas, dados ecológicos e ocorrência para o Estado do Paraná. Fazem parte também, chaves dicotômicas artificiais para Famílias e Gêneros identificados; quadros sinóptico e analítico, glossário, figuras e mapas da região de coleta. Os 149 taxa específicos e infraespecíficos, foram distribuídos em 7 Ordens, 9 Famílias e 24 Gêneros; sendo 52 citações novas para o Estado do Paraná. A maioria dos indivíduos são alcaliófilos, oligotróficos e oligossapróbios. Na distribuição e variação dos taxa não ocorreu regularidade no período de 12 meses, nem sazonalmente.

 


 

TÍTULO: Desmídias (Zygnemaphyceae) Planctônicas do Parque Regional do Iguaçu, Curitiba, Estado do Paraná, Brasil.

AUTOR: Maria Marcina Picelli Vicentin

DATA: 7 de dezembro de 1984

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Carlos Eduardo de Mattos Bicudo - IBSP (orientador)
Ita Moema Valete Moreira - UFPR
Ana Leuch Lozovei - UFPR

 

RESUMO - O levantamento taxanômico das desmídias (Zygnemaphyceae) realizado em três lagos do Parque Nacional do Iguaçu, em Curitiba, Estado do Paraná, Brasil, está fundamentado na análise de 75 amostras coletadas mensalmente, de cinco estações pré-estabelecidas, durante o período de janeiro de 1982 a março de 1983. Foram identificados 114 táxons, os quais foram classificados em três gêneros da família Mesotaeniaceae e 14 da família Desmidiaceae, compreendendo o total de 102 espécies, 34 variedades não-típicas de suas respectivas espécies e sete formas taxonômicas também não-típicas. Dentre os 114 táxons estudados, 109 constituem-se em citações novas para o Estado do Paraná. Os gêneros melhor representados na área estudada foram Cosmarium (32 táxons), Closterium (20 táxons) e Staurastrum (18 táxons) e os pior representados, com apenas um táxon cada, foram: Actinotaenium, Cosmocladium, Cylindrocystis, Gonatozygon, Onychonema, Penium e Teilingia. O maior número de táxons foi constatado na estação 1 (84) e o menor na estação 5 (47). Cinco táxons ocorreram durante todos os meses do ano e 27 apenas em um. Em todos os meses ocorreram desmídias em quantidade considerável, mas o maior número de táxons ocorreu em janeiro de 1982 e o menor em julho de 1982. Uma espécie e duas variedades de Cosmarium e uma espécie de Staurastrum foram presentemente sugeridas como novidades para a Ciência. Calculadas pelo índice de Jaccard, as similaridades taxonômicas, respectivamente, as três estações do lago maior e os três lagos estudados. Todos os táxons foram identificados com base em suas características morfológicas clássicas e, sempre que possível, a partir da análise de amostras populacionais, devido à ocorrência frequente de polimorfismo nas desmídias. Para cada táxon identificado foram providenciados: descrição detalhada, basiônimo (quando necessário), medidas, relação das amostras em que ocorreu, distribuição geográfica no Estado do Paraná, comentários e ilustração. Problema taxonômicos eventualmente verificados em certas desmídas foram levantados, tais como: 1) expressões morfológicas observadas em 26 táxons sem, no entanto, causarem implicação taxonômica; 2) medidas celulares que ampliaram, até significativamente, os limites mínimo e/ou máximo usualmente encontrados na bibliografia especializada de 70 táxons, também sem implicação taxonômica; 3) sobreposição de características entre as circunscrições dos seguintes táxons: Closterium ehrenbergii. Mem. var. ehrenbergii e Closterium ehrenbergii Mem. var. immane Wolle; Closterium tortum Griff. e Closterium acutum (Lyngb.) Bréb. var. variabile (Lemm.) Krieg.; Closterium tumidumiohns. var. tumidum e Closterium arcuarium Hugh. var. brevius Presc.; 4) táxons delimitados por características cujos valores taxonômicos estão mal definidos, como: a ondulação das margens laterais em Pleurotaenium subalternans Borge e a radiação em Staurastrum tetracerum (Kutz.) Ralfs var. tetracerum f. tetracerum e S. tetracerum (Kutz.) Ralfs var. tetracerum f. trigona Lund. As coletas realizadas em 15 meses sucessivos permitiram verificar a não-homogeneidade da distribuição qualitativa da flórula no tempo, de forma que coletas isoladas jamais são representativas da comunidade. Treze chaves artificiais e indentadas acompanham e completam o trabalho, sendo uma para identificação das famílias, duas para os gêneros e as demaispara identificação das espécies, variedades e formas taxonômicas de cada gênero. Completam o texto 171 lustrações, sendo um mapa, oito fotografias e 14 pranchas.

 


 

TÍTULO: Flavonóides em Eupatorium liítorale Cabrera.

AUTOR: Mayumi Eliza Otsuka Sato

DATA: 5 de julho de 1985

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Eduardo Augusto Moreira - UFPR (orientador)
Ivone Popinigis - UEPG
Carlos Cecy - UFPR

 

RESUMO - As partes aéreas deEupatorium liítorale Cabrera, submetidas a ensaios fitoquímicos preliminares revelaram a presença de flavonóides. A identificação foi efetuada por cromatografia em camada delgada (C.C.D.) analítica. O isolamento e a purificação foi efetuada por C.C.D. preparativa e pela coluna cromatográfica. As frações 1.501 a 4.000 com os eluentes clorofórmio-metanol 1:1 revelaram a presença de turina que foi posteriormente confirmada por C.C.D. análitica, ponto de fusão e espectrometria deabsorção no ultra-violeta. Aaglicona foi identificada por C.C.D. analítica e pelo ponto de fusão do material hidrolizado, como sendo a quercetina. Os açúcares componentes da rutina, foram identificados por C.C.D. analítica, como sendo a glicose e ramnose. O flavonóide isolado 4 provavelmente a quercetina 3-rutinosídeo.

 


 

TÍTULO: Composição Florística e Estrutura Fitossociológica da Florresta Tropical Ombrófila da Encosta Atlântica no Município de Morretes, Estado do Paraná.

AUTOR: Fernando Cardoso da Silva

DATA: 15 de agosto de 1985

NÍVEL: mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Roberto Miguel Klein - UFSC
Armando Antunes de Almeida - UFPR
Armando Carlos Cerei - UFPR

 

RESUMO - A presente tese tem como objetivo principal, efetuar levantamento quantitativo de espécies arbóreas e estabelecer análise da estrutura fitossociológica da floresta tropical ombrófila da encosta Atlântica, desenvolvido no período de novembro de 1983 a fevereiro de 1985. A área estudada localiza-se no Município de Morretes, Estado do Paraná, pertencente ao Parque Estadual do Marumbi e apresenta as seguintes coordenadas: 25º30' e 48º38'W de Gr.; clima do tipo Cfa, deacordo com a classificação climática do KOEPPEN e com altitude de 485 m. Foi aplicado o método de "quadrante de levantamento", segundo Cottam & Curtis (1956), em árvores com circunferência no mínimo de 15 cm, sendo alocados 80 pontos de amostragem com distância de 10m entre si, compreendendo 70 táxons, 55 gêneros e 31 famílias. Para análise da estrutura da vegetação, considerou-se os parâmetros de densidade, frequência, dominância e o índice de valor de importância. Revelando que as famílias-mais importantes são as seguintes: Myrtaceae, Rubiaceae, Moraceae, Euphorbiaceae, Meliaceae e Nyctaginaceae. Quanto à densidade e frequência apresentam-se com destaque as seguintes espécies: Guapira opposita, Mollinedia sp (2), Hieronyma alsophyla sp. Em dominância surgem as seguintes espécies: Ficus organensis, Guapira opposita, Hieronyma alchorneoides, Cabralea canjerana, Mollinedia sp. (2) e Bathysa meridionalis. No índice de valor de importância estão em destaque as mesmas espécies referentes à dominância. Apresentam 75,34% do conjunto do IVI 28,60% das espécies amostradas. Demonstrou-se a tendência da floresta em apresentar três estratos: o inferior, o médio e o superior. Para melhor compreensão da estrutura diamétrica foram consideradas classes de diâmetro, com amplitude de 5 cm, foram cotejadas vegetação de diferentes áreas da floresta Atlântica e deAraucaria com a área estudada, com base nos critérios de clima, espécies, gêneros e famílias comuns, bem como, de espécies mas importantes e de fitomassa.

 


 

TÍTULO: "Óleo Essencial de Folhas de Nectandra grandiflora Nees et Mart. ex. Nees."

AUTOR: Adriano Bidá

DATA: 29 de outubro de 1985

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Eduardo Augusto Moreira - UFPR (orientador)
Armando Carlos Cervi - UFPR
Carlos Cecy - UFPR

 

RESUMO - Realizou-se estudo de óleo essencial em folhas de Nectranda grandiflora Nees et Mart. ex Nees Lauraceae Lindl. Obteve-se rendimento médio de 0,80%, com valores extremos: maio/82 - 0,70% e fev/83 - 0,93%, caracterizando a variação sazonal. Usando-se técnicas para se avaliar as constantes físico-químicas do óleo essecial, obteve-se: densidade - D2525 = 0,99764; - índice de referação - nD25 = 1,51959; poder retatório ŏD25 = -55,591 e solubilidade - 2:1, duas partes de óleo essencial para uma parte de álcool etílico 90%. Com auxílio de cromatografia em camada delgada (CCD) e seus Rfs. constatou-se, entre outros, o eugenol. Em cromatografia a gás (CG) confirmou-se a presença de eugenol e evidenciou-se os ŏ-ß-ý-cariofilenos, porém,os tempos de retenção são coincidentes ao do ß-terpineol, razão pela qual não se pode identificar claramente os componentes que se superpõem.

 


 

TÍTULO: "Verificação da Sensibilidade Bacteriana aos princípios ativos de Siphocampylus verticillatus (Cham.) G.Don. Campanulaceae."

AUTOR: Janine Solange Buras

DATA: 30 de dezembro de 1985

NÍVEL: mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Eduardo Augusto Moreira - UFPR (orientador)
Geni Franco de Godoy - UFPR
José Maria Munhoz da Rocha - UFPR

 

RESUMO - Foi testada a sensibilidade das bactérias Escherichia coli (11 sorotipos), Shigella flexneri, Shigella boydii, Shigella dysenteriae, Shigella sonnei, Salmonella typhimurium, Salmonella agona e Salmonella panama aos extratos e princípios ativos de folhas, caules e flores de Siphocampylus verticillatus (Cham.) G. Don, através da técnica de Kirby & Bauer e da Concentração Mínima Inibitória (MIC). Shigella flexneri e Shigella boydii foram inibidas pela fração alcoloídica, na concentração de 25 microgramas. Treze solventes utilizados para se obter extratos vegetais e resíduos, foram testados para estudos de toxicidade; doze deles apresentaram efeitos inibidores sobre o crescimento bacteriano.

 


 

TÍTULO: "Contribuição ao Estudo das Diatomáceas (Bacillariophyceae) no Lago do Parque São Lourenço, Curitiba, Estado do Paraná, Brasil".

DATA: 16 de junho de 1986

AUTOR: Madalena Tomi Shirata

NÍVEL: mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Ita Moema Valente Moreira - UFPR (orientador)
Carlos Eduardo de Mattos Bicudo - IBSP
Irene ítala Trippia Cecy - UFPR

 

RESUMO - O levantamento taxinômico das diatomáceas em três estações, no Lago do Parque São Lourenço, em Curitiba, Estado do Paraná, foi baseado na análise de trinta e nove amostras coletadas mensalmente, durante o período de maio de 1982 a maio de 1983. Dos 188 táxons constatados, 176 foram identificados a nível infragenérico e 12 a nível de gênero. Foram classificados em 10 famílias, 25 gêneros, 105 espécies, 1 subespécie, 62 variedades e 8 formas taxinômicas. Dentre os 176 táxons infra-genéricos estudados, 46 foram acrescidos às citações até então registradas para a flora diatomológica de água doce, no Estado do Paraná. Para cada táxons identificado está incluso descrição detalhada, basiônimo (quando houver), medidas das células, dados ecológicos baseados em obras especializadas, distribuição geográfica no Estado do Paraná, comentários e ilustrações. Acompanham, chave artificial para os gêneros inventariados, glossário dos principais termos técnicos, mapa indicando a localização das estações de coleta, bem como fotografias das mesmas, tabelas e gráficos para representar a distribuição dos táxons nos 13 meses de coleta. A maior diversidade ocoreu na Estação II (887), seguida de Estação III (882) e menor diversidade na Estação I (796). Attheyazachariasi Brun var. zacliariasi e Surirella stalagma Hohn & Hellerman var. stalagma, constituem primeiro registro de ocorrência para o Brasil. Attheya zachariasi Brun var. zachariasi foi o único táxon a apresentar esporos de resistência.

 


 

TÍTULO: "Interpretação Morfológica de Musa rosacea Jacq."

AUTOR: Yedo Alquini

DATA: 05 de julho de 1986

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Berta Lange de Morretes - USP (orientador)
Luiz Antônio de Souza - FUEM
Maria Miranda Schoenberg - UFPR

 

RESUMO - No presente trabalho, abordou-se do ponto de vista morfológico a organização de Musa rosacea Jacq. Foram analisados os eixos teleomáticos e antomático. No primeiro, estudou-se a raiz, o caule e os diferentes padrões de folhas. No segundo, analisou-se a inflorescência e a infrutescência com todas as suas implicações. Quanto a semente, constatou-se que muito pouco foi realizado, não só a nível de espécie, mas também a nível de todo o gênero Musa L. Da revisão bibliográfica, ficou patente que não existe uniformidade quanto a terminologia empregada para designar os diferentes componentes dos eixos teleomático e antomático. Verificou-se ser necessário um estudo pormenorizado da ontogênese e anatomia para esclarecer os problemas pendentes em relação aos diferentes componentes da espécie como um todo. A presença de grande quantidade de amido nas bainhas foliares de M. rosacea sugere o seu aproveitamento, do ponto de vista econômico.

 


 

TÍTULO: "Estudo Qualitativo das Nostocophyceae (Cyanophyceae) da Lagoa Bonita, Brasília, DF"

AUTOR: Irani Fernandes Pereira Campos

DATA: 11 de dezembro de 1986

NÍVEL: Mestrado LOCAL:

Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Pedro Américo Cabral Senna - FUB (orientador)
Denise de Campos Bicudo - IBSP
Celia Leite Sant'Anna - IBSP

 

RESUMO - O presente trabalho representa uma contribuição ao conhecimento da ficoflora da região Centro-Oeste. Trata-se de um levantamento qualitativo das Nostocophyceae (Cyanophyceae) da Lagoa Bonita, localizada em Brasília, Distrito Federal (15º34'46" Sul e 47º41'38" Oeste). Foram feitas coletas mensais durante 13 meses consecutivos, entre janeiro de 1984 e janeiro de 1985, resultado num total de 113 amostras. Os espécimes foram documentados com descrição detalhada, medidas e desenhos. Da análise das amostras foram identificadas 41 espécies e 1 variedade, representantes de 06 famílias e 17 gêneros distribuídos da seguinte maneira: Oscillatoriaceae (3 gêneros e 20 espécies), Chroococcaceae (9 gêneros e 16 espécies), Stigonemataceae (2 gêneros e 2 espécies), Scytonemataceae, Rivulariaceae e Nostocaceae (todas com 1 gênero e 1 espécie). Destas espécies, 10 são citadas pela primeira vez para o Brasil e 40 para o Distrito Federal. A família Oscillatoriaceae foi a mais bem representada com 20 espécies, sendo que 16 pertencem ao gênero Oscillatoria. Foi elaborada uma chave artificial e dicotômica para identificação das famílias, gêneros, espécies e variedades taxonômicas documentadas no texto. Dez pranchas e 68 desenhos ilustram o trabalho.

 


 

TÍTULO: "Revisão das Gentianaceae do Estado do Paraná."

AUTOR: Olavo Araújo Guimarães

DATA: 22 de dezembro de 1986

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Armando Carlos Cervi - UFPR (orientador)
Antônio Bresolin - UFSC
Hermes Moreira Filho - UFPR

 

RESUMO - São descritos 8 gêneros e 8 espécies de Gentianaceae para o Estado do Paraná: Curtia conferia (Mart.) Knoblauch, Zygostigma australe (Cham, et Schlechtd.) Griseb., Macrocarpaea rubra Malme, Irlbachia coerulescens (Aubl.) Griseb., Schultesia australis Griseb., Calolisianthus pedunculatus (Cham, et Schlechtd.) Gilb, Helia brevifolia Cham, et Schlechtd. e Voyria aphylla (Jacq.) Pers. As descrições são acompanhadas de dados ecológicos, distribuição geográfica e respectivos nomes populares. As diversas espécies habitam as regiões do Litoral, Serra do Mar, Primeiro, Segundo e Terceiro Planaltos paranaenses, predominando no Primeiro e Segundo Planaltos. Na região do Litoral ocorre apenas Voyria aphylla (Jacq.) Pers. e no Terceiro Planalto encontramos apenas Zygostigma australe (Cham. et Schlechtd.) Griseb. Foram elaboradas chaves para a identificação das tribos e subtribos da família, bem como para os gêneros paranaenses. O gênero Macrocarpaea (Griseb.) Gilg não se enquadra na caracterização de Wagenitz para a tribo Gentianeae, que o engloba, pois as espécies deste gênero podem apresentar grãos de pólen isolados ou em tétrades. Macrocarpaea rubra Malme com pólen isolado de exina estriada, enquadra-se perfeitamente em tal caracterização. Não confirmamos a presença de Curtia malmeana Gilb Chelonanthus candidus Malme, Calolisianthus amplissimus (Mart.) Gilbe Helia oblongifolia Mart. no Estado do Paraná.

 


 

TÍTULO: "Constituição Anatômica e Química das Folhas de Erythroxilum deciduum St. Hil. Erythoroxylaceae Kunt."

AUTOR: Maria Stella Valadão da Costa

DATA: 15 de setembro de 1987

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Eduardo Augusto Moreira - UFPR (orientador)
José Roberto Cavazzani - UFPR
Armando Carlos Cervi - UFPR

 

RESUMO - Evidenciaram-se, por meio de técnicas pré-estabelecidas, caracteres histológicos e histoquímicos da estrutura foliar de Erythroxylum deciduum St. Hil. Fez-se a avalição global dos constituintes químicos, biossintetizados pelos órgãos vegetativos e reprodutivos da espécie, em extratos aquoso e alcoólico. Dos extratos etéreos do pó das folhas - após purificações - obteve-se 0,00535% da fração alcalóidica, em média. Análises cromatográficas, em camada delgada analítica de amostras procedentes de cada uma das estações do ano, revelaram presença de uma substancia com Rf semelhante ao do padrão de cocaína nas amostras de outono, inverno e verão e de pelo menos mais 6 outros alcalóides com distribuição variável nas diferentes amostras coletadas. Os extratos alcalóidicos brutos foram purificados e fracionados por meio de cromatografia em coluna. Dentre as frações obtidas apenas uma apresentou quantidade e grau de pureza adequados a possível identificação.

 


 

TÍTULO: "Flacourtiaceae DC. do Estado do Paraná, Brasil."

AUTOR: João Carlos Jaszczerski

DATA: 27 de outubro de 1987

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Armando Carlos Cerei - UFPR (orientador)
Hermes Moreira Filho - UFPR
Antônio Bresolin - UFSC

 

RESUMO - O presente trabalho trata do estudo da família Flacourtiaceae DC. no Estado do Paraná. Além das considerações gerais, descrição e taxinomia da referida família, são apresentadas descrições das tribos, dos gêneros, das espécies e das variedades que ocorrem no Estado do Paraná, bem como chaves dicotômicas artificiais para identificação, ilustrações, relação do material examinado por ordem alfabética de Município e cronológica de coleta, distribuição geográfica, nomes populares, dados fenológicos, mapas fitogeográficos para o Estado, observações ecológicas e, quando possível, utilidade com relação a cada espécie encontrada, até o presente, no território paranaense. São descritos para o Estado do Paraná, 4 tribos, 6 gêneros e 17 espécies, sendo uma com duas variedades.

 


 

TÍTULO: "Diatomoflórula do Parque Regional do Iguaçú, Curitiba, Paraná."

AUTOR: Thelma Alvim Veiga Ludwig

DATA: 28 de dezembro de 1987

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Ita Moema Valente Moreira - UFPR (orientador)
Denise de Campos Bicudo - IBSP
Irene ítala Trippia Cecy - UFPR

 

RESUMO - O presente trabalho é uma contribuição ao estudo sistemático das diatomáceas do lago do setor náutico do Parque Regional do Iguaçú, situado em Curitiba, Estado do Paraná, Brasil. Foram coletadas 13 amostras, mensalmente, no período de maio de 1982 e maio de 1983, provenientes de uma estação de coleta. Foram identificados 135 taxons, classificados em 9 famílias e 26 gêneros, compreendendo 108 espécies, 36 variedades e 7 formas taxonômicas, ambas não típicas das respectivas espécies, além de 3 taxons não determinados a nível infra-genérico. Dos 135 taxons analisados, 22 constituem-se em citações pioneiras para o Paraná. Cada táxon fez-se acompanhar de referência à obra original, basiônimo (quando existente), principais obras utilizadas na identificação, descrisão morfológica, medidas, registros para o Estado do Paraná e relação de ocorrência nas amostras. Comentários referentes à identificação e nomenclatura foram efetuados. Chave artificial foi providenciada e formas taxonômicas inventariadas. Complementam o trabalho mapas localizando o lago e a estação de coleta estudados, assim como duas tabelas, uma registrando a distribuição qualitativa mensal dos taxons analisados e outra os dados sobre amostragem. Dezessete pranchas ilustram a pesquisa e um glossário esclarece a terminologia técno-científica utilizada.

 


 

TÍTULO: "Diatomoflora da Região de Captação de Águs do Rio Tubarão, Município de Tubarão, Estado de Santa Catarina".

AUTOR: Liliana Rodrigues

DATA: 07 de outubro de 1988

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Hermes Moreira Filho - UFPR (orientador)
Carlos Eduardo de Mattos Bicudo - IBSP
Ita Moema Valente Moreira - UFPR

 

RESUMO - O presente trabalho é o resultado do levantamento pioneiro da diatomoflora da região de captação de água do Rio Tubarão, na cidade de Tubarão Estado de Santa Catarina. A análise de 39 amostras, coletas mensalmente de setembro de 1985 a setembro de 1986, proveniente de 3 estações de coleta, permitiu a identificação de 114 taxons específicos e infra específicos, distribuídos em 9 famílias, 28 gêneros, 107 espécies, 29 variedades que não as típicas e uma forma também não típica, além de 5 taxons identificados a nível genérico. Para cada táxon identificado faz-se constar: obra de descrição original, basônimo (quando existente), sinonímia (quando necessáia), bibliografia utilizada para identificação descrição, limites métricos, material examinado , distribuição geográfica para o Estado de Santa Catarina e comentários referentes, principalmente, a problemas taxinômicos e nomenclaturais. Uma variedade é presentemente sugerida como novidade para a Ciência. Ainda é providenciada chave dicotômica para os gêneros constatados, além de chave para espécies, variedades e formas em cada gênero com mais de um táxons inventariado, tendo como subsídios caracteres inerentes ao material analisado. Completam o texto um glossário com os principais termos técnicos e 13 planchas que ilustram, através de fotomicrografias ou desenhos os taxons identificados.

 


 

TÍTULO: "Vochysiaceae St. Hil. do Estado do Paraná, Brasil".

AUTOR: Raquel Bonato Negrelle

DATA: 13 de outubro de 1988

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Armando Carlos Cerei - UFPR (orientador)
Roberto Miguel Klein - UFSC
Hermes Moreira Filho - UFPR

 

RESUMO - Este trabalho consiste no levantamento das espécies da família Vochysiaceae no Estado do Paraná, baseado em material "in vivo" obtido em coletas realizadas nas diversas regiões fisiogeográficas deste Estado e em material exsicatado, depositado em herbários nacionais e estrangeiros. Os dados obtidos na revisão bibliográfica estão organizados em ordem cronológica de modo a constituir um histórico da família em questão. É elaborada uma descrição para família e chave para identificação dos gêneros levantados. São citados três gêneros: Vochysia Aubl., Qualea Aubl. e Callisthene Mart. com respectivas descrições e chaves para identificação das espécies. Cada espécie é acompanhada de descrição, nomes populares, usos, fenologia, distribuição geográfica, área de ocorrência no Estado, ilustrações de hábito e detalhes florais, além de observações que se fizeram necessárias. Qualea densiflora Warm., bem como Qualea cordata Spreng. var. intermedia (Warm.) Stafl. e Qualea cordata Spreg. var. grandifolia Warm. são sinonimizadas em Qualea cordata Spreng.

 


 

TÍTULO: "Estudo Morfológico e Terminológico do tronco e "casca" de 30 espécies arbóreas em Floresta Ombrófila Mista."

AUTOR: Sandra Lúcia Ivanchechen

DATA: 10 de novembro de 1988

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Roberto Miguel Klein - UFSC (orientador)
Berta Lange de Morretes - USP
Velloso Roderjan - UFPR

 

RESUMO - Este trabalho tem por objetivo contribuir para que se alcance a situação ideal de dendrologia, que é o reconhecimento preciso e "in loco" das espécies, independentemente da sazonalidade. Para que se efetue tal reconhecimento, foi elaborada uma ficha descritiva de caracteres macromorfológicos, contendo 94 parâmetros, inerentes à "casca", interna e externa, e dados gerais do tronco. A terminologia descritiva provém de meticulosa revisão dos termos até então empregados, adotando-se uma nomenclatura mais elucidativa, que realmente define o que foi observado pela diferenciação de formas. Para a consecusão dos dados, por meio do preenchimento da ficha, bem como corroboração metodológica, foram observadas 590 árvores, pertencentes a 30 espécies, 18 famílias, totalizando cerca de 55.500 dados, os quais subsidiaram a concretização deste estudo morfológico e terminológico para classificação de córtices de espécies arbóreas.

 


 

TÍTULO: "O Gênero Jobinia Fournier (Asclepiadaceae) no Brasil."

AUTOR: Elizabeth de Araujo Schwarz

DATA: 29 de dezembro de 1988

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Jorge Fontella Pereira - IBDF (orientador)
Armando Carlos Cerei - UFPR
João Carlos Jaszcerski - PUC.

 

RESUMO - Estudos taxonômicos sobre o gênero Jobinia Fourn. (Asclepiadaceae) são realizados para o Brasil. As constatações ora apresentadas são baseadas no estudo de material depositado em herbários nacionais e estrangeiros, bem como em exemplares vivos, quando possível. O tratamento taxonômico dado às espécies do gênero em questão, inclui a atualização das sinonímias, descrição, distribuição geográfica, relação das exsicatas examinadas, comentários, além de alguma considerações anatônicas sobre Jobinia paranaensis Font. et. Val. Apresenta-se uma chave dicotômica para a identificação das espécies, ilustrações, assim como fotografias de alguns tipos; A forma do cálice, corola, corola, anteras e polinários, o indumento dos dois primeiros, as relações comprimento da inflorescência/comprimento das folhas e altura da corona/altura do ginostério revelam-se na identificação dos taxóns em apreço. As cinco espécies brasileiras, definidas por Fontella Pereira et Schvarz (1982a), são: Jobinia lindbergii Fourn, Jobinia connivens (Hook. et Arn.) Malme, Jobinia paranaensis Font. et. Val. Jobinia hatschbachii Font. et. Schw. e Jobinia lutzii Font. et Schw.

 


 

TÍTULO: "Relações entre Composição e Variação Qualitativa Relativa Genérico/Específica das Diatomáceaes (Chrysophyta-Bacillariophyceae) no Canal da Galheta, Mun. de Paranaguá, Estado do Paraná."

AUTOR: José Augusto Cunha

DATA: 23 de outubro de 1989

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Ita Moema Valente Moreira - UFPR (orientador)
Miryam Burda Kutner - USP
Frederico Pereira Brandini - UFPR

 

RESUMO - Constam no presente trabalho, informações sobre as Relações entre composição e variação qualitativa relativa genérico/específica, das Diatomáceas (Chrysophyta-Bacillariophyceae), no Canal da Galheta, Município de Paranaguá, Estado do Paraná, Brasil. Sob a forma de Catálogo, se apresentam 88 gêneros e 299 espécies, constatadas em dois projetos de pesquisa na área de estudo. São então traçados o perfil anual e o perfil do mês de julho/83, com base em amostragens mês a mês e dia a dia, respectivamente. Este estudo possibilitou a análise da similaridade relativa dos gêneros e das espécies constatadas e identificadas, em função das amostras obtidas na área de estudo com trabalhos realizados anteriormente, no Estado do Paraná. A revisão da literatura foi processada sendo apresentado um contudo resumido de cada publicação e/ou projeto realizado no Estado, em termos de ambientes marinhos e estuarinos, de acordo com a sua cronologia. São referidos 387 táxons (gêneros e espécies) para a região e são adicionadas às fichas individuais dos táxons a citação da "obra princeps", a bibliografia básica, as citações dos táxons em teses (do PR,RS e SC) e a ocorrência do táxon no Estado e na área pesquisada. Foram listados apenas os táxons que ocorreram no Canal da Galheta e foram relacionados com o contexto geral de trabalhos de mesmo cunho realizados no Estado. Espécies de "identificação crítica", alvo de discussões com relação à taxonomia, constituem material reservado a estudos posteriores, sendo aqui englobados em citações de nível geneérico. Identificações de nível infra específico são apenas referidas à parte, e é recomendada e sugerida em certos casos de revisão, uma bibliografia especial. A similiaridade taxonômica foi calculada através do uso do índice de Jaccard.

 


 

TITULO: "Contribuição para o Estudo Fitoquímico de Ottonia martinicma Miq. Piperaceae."

AUTOR: Marilu Lopes

DATA: 28 de novembro de 1989

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Eduardo Augusto Moreira - UFPR (orientador)
Rosendo Augusto Yunes - UFSC.
Armando Carlos Cervi - UFPR

 

RESUMO - Ottonia martiniana Miq., arbusto da família das Piperaceae, é conhecida na medicina popular brasileira pelo nome de "anestésica". As partes aéreas, são usadas em forma de macerado alcoólico para aliviar dor de dente, por exercer uma ação anestésica na mucosa bucal. Pesquisas efetuadas com extratos da planta nos fizeram chegar a dua isobutilamidas - piperovatina e piperlonguminina, as quais foram identificadas por espectrometria de IV, RNM e CG/EM, e uma terceira substância isolada, foi identificada como sendo o nitrato de potássio.

 


 

TÍTULO: "Avaliação quantitativa de solasodina em frutos de Solanum mauritianum Scopoli sobre dois solos no Estado do Paraná."

AUTOR: Roberto Fontes Vieira

DATA: 20 de dezembro de 1989

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Eduardo Augusto Moreira - UFPR (orientador)
Gilberto A. de Assis Brasil e Silva - UFRS.
Armando Antunes de Almeida - UFPR

 

RESUMO - Este trabalho pretendeu avaliar a variação existente no teor de solasodina em frutos verdes coletados de Solanum mauritianum Scopoli crescendo sobre dois solos distintos. Seis amostras de frutos foram coletadas em cada local, os quais foram nos distritos de Campo Largo e Ponta Grossa, respectivamente. Cada amostra de solo coletada foi submetida a análises químicas e granulométrica de rotina. O teor de solasodina foi analisado de acordo com o método do alaranjado de metila em espectrofotometro. Foram obtidos os seguintes resultados para os solos A e B, respectivamente: pH (4,25 : 4,52); % areia (51,5 : 74,3); % silte (21,2 : 3,8); % argila (27,3 : 21,8); meq.g A1+++ (3,87 : 0,7); meq.g H+ A1+++ (12,87 : 4,82); meq.g Ca++m (21,15 : 1,43); meq.g Mg++ (1,23 : 1,0); meq.f Ca+++ + Mg++ (3,38 : 2,43); ppm P (6,17 : 1,67); meq.g K+ (0,43 : 0,09); % C (5,78 : 1,57); % Matéria orgânica (9,95 : 2,7); Soma de Bases (meq.g) (3,47 : 2,37); Capacidade de Troca Catiônica (meq.g) (16,7 : 5,4); Saturação de Bases (20,8 : 33,8); Saturação de Alumínio (52,92 : 23,8); Solasodina (2,23 : 3,11). A análise comparativa das médias por teste "t" de Student revelou diferenças significativas nas frações mineral e granulométrica dos solos. Somente os níveis de Ca++, Mg++ e soma de bases não mostraram diferenças estatísticas. Conclui-se que o solo B tem mais capacidade para suprir os nutrientes da planta sobre o mesmo devido a sua maior saturação de bases e menor saturação de alumínio. O maior teor de salosodina apresentado em espécies crescendo sobre o solo B sugere uma correlação positiva entre este alcalóide e a fertilidade dos solos.

 


 

TITULO: "Plantas Medicinais do Município de Curitiba Paraná. Família Asteraceae Dumortier."

AUTOR: Ester Fogel Paciornik

DATA: 21 de dezembro de 1989

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Eduardo Augusto Moreira - UFPR (orientador)
Gilberto A. de Assis Brasil e Silva - UFRS.
Paulo Roberto Michalisyn - SEPR.

 

RESUMO - Este trabalho consiste no levantamento de espécies da família Asteraceae, utilizadas na medicina popular em Curitiba. O material foi obtido junto à população através de encontros organizados em diferentes bairros da cidade, no período de abril de 1987 a outubro de 1988. Foram coletados dados envolvendo informações pessoais e depoimentos em relação ao emprego dos fitoterápicos. A revisão bibliográfica fornece elementos sobre a área pesquisada, a constituição das etnias envolvidas e a química das plantas em questão. São revelados os dados pessoais dos entrevistados durante a pesquisa, são citadas 19 espécies com respectivas descrições e chaves para identificação dos gêneros, acompanhados do material observado, nomes populares, partes do vegetal utilizado, formas de uso e indicações terapêuticas. A partir deste levantamento elaborou-se discussões em torno das etnias, botânica sistemática e farmacologia.

 


 

TÍTULO: "Estudo dos Aspectos Biológicos da Flor e do Sistema de Reprodução de Passiflora actinia Hooker (Passifloraceae) na Região Metropolitana de Curitiba, Paraná."

AUTOR: Luiz Carlos Prazeres

DATA: 22 de dezembro de 1989

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Armando Carlos Cerei - UFPR (orientador)
Hermes Moreira Filho - UFPR
Carlos Jaszcerski

 

RESUMO - Na presente tese são abordados alguns apectos sobre a biologia floral e sistema de reprodução de Passiflora actinia Hooker na região metropolitana de Curitiba - PR. Assim sendo, são descritos a morfologia da flor, seu comportamento durante a antese e o comportamento intra-floral dos 'visitantes. Nesta espécie, foi constatado hábito protândrico em suas flores e um acentuado processo de auto-incompatibilidade. A mangava Xylocopa (Neoxylocopa) augustii Lepeletier é o principal agente polinizador; não sendo verificado qualquer indício de polinização abiótica.

 


 

TÍTULO: "O Gênero Euphorbia L. (Euphorbiaceae) na Regão Metropolitana de Curitiba, Paraná".

AUTOR: Salua do Amaral e Silva Schell

DATA: 22 de dezembro de 1989

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Armando Carlos Cervi - UFPR (orientador)
Hermes Moreira Filho - UFPR
João Carlos Jaszcerski - PUC

 

RESUMO - No presente trabalho, 12 espécies e 3 variedades do gênero Euphorbia L., família Euphorbiaceae, são descritas na região metropolitana de Curitiba, Paraná: E. caecorum Mart. ex Boiss., E. cotinifolia L., E. elodes Boiss., E. heterophylla L., E. hirta L., E. milii Desm. var. breoni (L. Noisette) Ursch & Leandri, E. paranensis Dusén, E. peperomioides Boiss., E. peplus L., E. prostrata Ait., E. pulcherrima Wild. ex Kl. e E. serpens H.B.K. var. microphylla Mull. Arg. Cada descrição vem acompanhada de fenologia, dados ecológicos, área de dispersão, nomes populares e comentários. Foram elaboradas chaves para identificação dos subgêneros e espécies descritas. As espécies E. paranensis e E. elodes são pouco frequentes na região de estudo. Verificou-se que algumas espécies são invasoras de cultura, como E. heterophylla, E. hirta, E. peplus, E. prostrata, E. serpens var. microphylla, as quais, juntamente com E. peperomioides, são consideradas ruderais; outras são ornamentais, como E. cotinifolia, E. milii e suas variedades e E. pulcherrima; algumas possuem propriedades medicinais, tais como as espécies E. hirta, E. prostrata e E. serpens var. microphylla. As espécies E. milii var. milii, E. milii var. breoni e E. serpens var. microphylla são citadas primeira vez na região estudada. E. hirta var. ophthalmica foi sinonimizada para E. hirta.

 


 

TÍTULO: "Análise Estrutural de uma Floresta de Várzea no Estado do Pará".

AUTOR: Maria Carmelita Alves Concieção

DATA: 21 de março de 1990

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Roberto Tuyoshi Hosokawa - UFPR (orientador)
Hermes Moreira Filho - UFPR
Armando Carlos Cervi - UFPR

 

RESUMO - Estudou-se a estrutura de uma floresta de várzea no município de Colares- Pará, Brasil, em 1,5 ha, determinando-se os seguintes parâmetros índice de valor de importância ampliado (IVIA), composição florística, IVI das famílias, valor de cobertura, posição sociológica, regeneração natural e quociente de mistura de Jentsch. A análise dos resultados mostrou que a composição florística é constituída de 52 espécies, 51 gêneros e 31 famílias, com 20 espécies exclusivas de regeneração natural, quatro do povoamento adulto e oito consideradas raras. Há diferenças de composição florística entre a regeneração natural e o povoamento adulto. Palmae foi a família mais importante na estrutura da área estudada, VIF de 47,58%. A espécie de maior IVIA foi Euterpe oleracea Mat. (50,29%), seguida de Carapa guianensis Aubl. (12,36%). A floresta de várzea tem condições de suportar o manejo sustentado, com bases no IVIA. A área basal é de 21,05m2/ha, indicando uma floresta com biomassa média.

 


 

TÍTULO: "Diatomáceas (Chrysophyta-Bacillariophyceae) Epífitas em Centroceras clavulatum C. Agardh. Montagne (Rhodophyta-Ceramiales) da Ilha do Farol, Balneário de Caiobá, Paraná, Brasil."

AUTOR: José Luiz Tadeu Muller de Paula

DATA: 22 de junho de 1990

NÍVEL: " Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Hermes Moreira Filho - UFPR (orientador)
Ita Moema Valente Moreira - UFPR
Irene ítala Trippia Cecy - UFPR

 

RESUMO - O presente trabalho é o resultado da avaliação qualitativa das diatomáceas (Chrysophyta-Bacillariophyceae) epçifitas em Centrocerasclavulatum(C. Agardh). Montagne (Rhodophyta-Ceramiales) da Ilha do Farol, Balneário de Caiobá, Estado do Paraná, Brasil, baseado no exame de 13 coletas de amostras obtidas mensalmente no período de maio de 1985 a maio de 1986. Foram identificados 12 famílias, 40 gêneros, 69 espécies e 7 variedades não típicas. Entre os táxons identificados 15 são novas citações para o estudo da flora diatomológica epífita em algas marinhas bentônicas macroscópicas ocorrentes no Brasil, 25 novas citações para os estados da região Sul, 33 para o Estado do Paraná e 45 para a Ilha do Farol. As famílias de Bacillariophyceae com maior representatividade genérica/específica foram Fragilariaceae (12 gêneros e 19 espécies) e Coseinodiscaceae (8 gêneros, 11 espécies e 2 variedades não típicas). Os táxons mais característicos da flora diatomológica epífita no material em estudo e que ocorreram em todas as amostras analisadas foram Achnanthes brevipes Agardh var. intermedia (Kutzing) Cleve Achnanthes longipes Agardh, Amphora bigibba Grunow, Amphora exígua Gregory, Biddulphia pulchella Gray, Cocconeis heteroidea Hantzsch, Cocconeis scutellum Ehrenberg, Cymatotheca weissflogii (Grunow) Hendey, Grammatophora marina (Lyngbye) Kutzing, Grammatophora oceanica Ehrenberg, Melosira juergensii Agardh, Melosira sulcata (Ehrenberg) Kutzing, Rhaphoneis surirella (Ehrenberg) Grunw e Rhoicosphaenia curvata (Kutzing) Cleve. Os Táxons que ocorrem uma única vez nas amostras analisadas foram Actinoptychus campanulifer Schmidt, Asterionella japonica Cleve, Bacteriastrum hyalinum Lauder, Bacteriatrum hyalinum Lauder var. princeps (Castracane) Ikari, Cerataulus smithii Ralfs, Climacosphaenia moniligera Ehrenberg, Coscinodiscus curvatulus Grunow, Dimerogramma minor (Gregory) Rslfs, Gyrosigma balticum (Ehrenberg) Rabenhorst, Plagiograma pulchellum Greville, Plagiograma vanheurckii Grunow, Rhaphoneis amphiceros (Ehrenberg) Ehrenberg, Rhaphoneis castracanei Grunow, Rhopalodia musculus. O muller var. constricta Peragallo & Peragallo, Triceratium alternans Bailey e Tryblioptychus cocconeiformis (Cleve) Hendey. Os táxons identificados são acompanhados de basônimo e sinonímia (quando necessários), descrição, referências bibliográficas utilizadas na identificação, biometria, distribuição mensal, distribuição nos substratos ficológicos marinhos analisados em trabalhos anteriores, comentários e ilustrações. Complementam o trabalho um mapa e ilustrações do local da coleta, tabelas com os dados de coleta e distribuição dos táxons ao longo do período de estudo, estampas com desenhos e fotomicrografias e um glossário com os principais termos técnicos utilizados.

 


 

TÍTULO: "Estudo taxinômico de Cymbella Agardh e Gomphonema Ehnenberg da Região de captação de água do Rio Pirapó, Maringá, Paraná, Brasil."

AUTOR: Ana Lúcia Olivo Rosas Moreira

DATA: 10 de agosto de 1990

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Hermes Moreira Filho - UFPR (orientador)
Carlos Eduardo de Mattos Bicudo - IBSP
Irene ítala Trippia Cecy - UFPR

 

RESUMO - O presente trabalho é uma contribuição ao estudo taxinômico dos gêneros Cymbella C.A. Agardh e Gomphonema Ehrenberg da região de captação de água do Rio Pirapó, no Município de Maringá, Estado do Paraná, Brasil, Realizou-se um coquetel de 39 amostras, coletadas mensalmente, de julho de 1985 a julhode 1986, proveniente de 3 estações de coleta. Com base em análise populacional dos dois gêneros estudados, identificou-se 18 táxons específicos e infra-específicos, classificados em 17 espécies e 1 variedade que não a típica. Para cada táxon identificado fez-se constar de referência à obra original, basônimo (quandoexistente), principais obras utilizadas na identificação, descrisão, medidas, distribuição geográfica para o Estado do Paraná e discussão referente à problemas taxinômicos e nomenclaturais. Providenciou-se mapas, localizando o rio e as estações de coleta, glossário com principais termos técnicos, uma listagem de sinônimos e outra de taxons presentes em trabalhos ilustrando a variabilidade morfológica dos taxons identificados, além de chave dicotômica, para as espécies e variedade que não a típica dos gêneros estudados. Constatou-se 3 taxons como citações pioneiras para o Paraná. Apresentou-se a modificação nomenclatural dos seguintes taxons: C. minuta Hilse ex Rabenh. var. minuta, C. mesiana Chol. var. mesiana, C. silesiaca Bleisch ex Rabenh. var. silesiaca, C. naviculiformis (Auersw.) Cleve var. naviculiformis e G. truncatum Ehrenb. var. truncatum. (Bréb. ex Kutz.) Van Heurck var. túmida, apresentou-se sinonomização, e, as formas "turris" encontradas foram identificadas como G. augur Ehrenb. var. turris Lange-Bertalot.

 


 

TÍTULO: "Estudo Fitossociológico de uma Sucessão Secundária no Nordeste do Paraná, Proposta para Recuperação de Áreas degradadas".

AUTOR: Siumar Goetzke

DATA: 26 de setembro de 1990

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Nobor Imaguire - UFPR (orientador)
Roberto Tuyoshi Hisokawa - UFPR
Franklin Galvão - UFPR

 

RESUMO - A região noroeste do Paraná em função do processo histórico de sua colonização, vive hoje momentos dramáticos de erosão de seus solos, sofrendo o início de um processo de desertificação. Este trabalho faz uma análise da situação edafoclimática e sua relação com a floresta Estacionai semidecidual submontana. O estudo realiza-se no Município de Amaporã, no Parque Estadual de Jurema, onde foi realizado um estudo botânico-fitossociológicoo qual resultou em um modelo fitossociológico para recuperação de áreas degradadas na região. A área escolhida (Área Al) é uma subsérie que possui os três estágios básicos de evolução dinâmica da floresta: Comunidade Pioneira, Comunidade Edificação e Comunidade Conclusão. No estudo fitossociológico usou-se o método de quadrantes (Point-centered quarter method), sendo realizada uma comparação entre as comunidades, estudando-se os seguintes parâmentros fitossociológicos: Grau de Cobertura Relativa, Frequência Relativa, Dominância Relativa e índice Valor de Importância. Também foi estudada a estratificação em cada comunidade, a similaridade entre elas pelo índice de Jacard usando-se o índice Valor de Importância, a fidelidade das espécies, a variação da luz junto ao solo e a massa serrapilheira em função da pendente do terreno e a dominância por família. O modelo fitossociológico proposto é baseado na comunidade pioneira, o primeiro estágio formador da floresta na região, consta de 11 espécies e possui uma densidade total por área de 3.049 indivíduos/hectare. Sendo capaz de recuperar uma área mínima de 909 m2 na qual deverão ser plantados 289 indivíduos espaçados 1,81 m um do outro.

 


 

TÍTULO: "Fitossociologia Arbórea da Porção Norte do Parque Estadual Mata dos Godoy, Londrina, Paraná

AUTOR: Lúcia Helena Soares e Silva

DATA: 31 de outubro de 1990

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Graziela Maciel Barroso - IBRJ (orientador)
Armando Carlos Cervi - UFPR
Franklin Galvão - UFPR

 

RESUMO - O presente trabalho consiste do inventário florístico e do estudo fitossociológico dos indivíduos arbóreos da proção norte do Parque Estadual Mata dos Godoy (23º27'S e 51º15'W e 700m altitude) no município de Londrina - Pr. O clima apresentado é do tipo Cfa e o solo do tipo TRe3 - Terra roxa estruturada eutrófica. O levantamento foi realizado em área de 1 ha (10.000m2) tendo sido alocadas 25 parcelas de 400m2 cada. Foram catalogados 1417 indivíduos com DAP (diâmetro a altura do peito) = ou >5 cm, distribuídos em 100 espécies, 63 gêneros e 36 famílias. O índice de diversidade Shannon-Weaver encontrado foi de 3,69. Aspidosperma polyneuron (peroba) foi a espécie de maior importância da floresta, tendo atingido a primeira colocação em dominância, frequência, VI e VC. Myrtaceae apresentou o maior número de espécies, 13. Trichilla claussenii e Euterpe edulis apresentam as maiores densidades registradas, 139 e 138ind./ha, respectivamente. O volume de madeira com casca calculado foi de 894.21 m3 pertencente a Aspidosperma polyneuron com média de 3.68m3/ind.

 


 

TÍTULO: "Característica Ecológicas do Fitoplâncton da Baia de Paranaguá: Fotossíntese e Ciclo Anual da Biomassa na Superfície em relação aos Parâmetros Ambientais".

AUTOR: Carola Alexandra Christmann Thamm

DATA: 31 de outubro de 1990

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Frederico Pereira Brandini - UFPR (orientador)
Hermes Moreira Filho - UFPR
Waldir Esper - UFPR

 

RESUMO - A dinâmica sazonal do fitoplâncton e de parâmetros físicos-químicos na superfície de duas estações fixas (Est.I e II) na Baía de Paranaguá (PR - Brasil) foi estudada durante um ciclo anual. As estações foram amostradas em intervalos de aproximadamente 15 dias para determinação de temperatura, salinidade, oxigênio dissolvido, Ph, nutrientes, seston, clorolila a, densidade fitoplanctônica, taxas de fotossíntese e composição específica geral. A Est. I localiza -e no setor mais externo da baia dominado por águas da costa adjacente; a Est. II localiza-se no setor mediano, com características estuarinas, O regime de chuvas foi bem caracterizado por um período chuvoso de dezembro de 1985 a abril de 1986, e uma estação comparativamente mais seca entre maio e agosto de 1986. Salinidade, nutrientes e seston apresentaram um padrão de variação sazonal associado à pluviosidade, principalmente na Est. II. Os nutrientes inorgânicos dissolvidos (nitrogênio, fósforo e sílica) foram mais abundantes durante o verão e a sua variação sazonal também apresentou uma relação positiva com a pluviosidade. As concentrações de clorofila a na superfície variaram de 1,32 a 3,82 e de 1,54 a 13,23 mg/m3 nas estações I e II, respectivamente, com valores máximos no verão. As taxas de fotossíntese na superfície foram obtidas através da técnica do 02, variando de 0,22 a 1,12 mgO2/1/h (22,1 a 293 mgO/mgClor.a/h) na estação interna. A variação sazonal foi afetada pelo efeito conjunto da temperatura, salinidade e nutrientes, acompanhando o regime de chuvas. As características fotosintéticas do fitoplâncton em relação à radiação solar incidente foram estudadas em diferentes períodos na estação II. Os resultados foram discutidos em caráter preliminar e devem ser completados em trabalhos futuros. O fitoplâncton de ambas as estações foi constitüido principalmente por diatomáceas neríticas, dominadas por Skeletonema costatum durante o verão. As densidades máximas foram observadas na estação II (máx. 1.374 x 103 céls/1). Espécies epífitas, epipélicas e de água doce também foram frequentes mas em pequenas concentrações. Células flageladas do nano-e do microplâncton ocorreram em concentrações insignificantes ao longo do período estudado. As mudanças temporais da biomassa fitoplanctônica e da concentração de nutrientes em escala sazonal foram discutidas em relação ao regime pluviométrico e aos processos hidrográficos na plataforma adjacente.

 


 

TÍTULO: "Diatomoflórula do Córrego Moscado, Município de Maringá, Estado do Paraná, Brasil."

AUTOR: Sueli Train

DATA: 16 de novembro de 1990

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Hermes Moreira Filho - UFPR (orientador)
Denise de Campos Bicudo - UFPR
Luiz Fernando Contin - UFPR

 

RESUMO - O presente trabalho é uma contribuição ao estudo taxonômico das diatomáceas do córrego Moscado, situado no município de Maringá, estado do Paraná, Brasil. Para o levantamento pioneiro da diatomoflórula local, foram realizadas coletas mensais de agosto de 1983 a agosto de 1984, em 4 estações de coleta previamente estabelecidas. Foram analisadas, ao todo, 52 amostras, as quais foram depositadas no Herbário do Departamento de Botânica da Universidade Federal do Paraná (UPCB). Foram identificados 95 táxons, distribuídos em 25 gêneros e 8 famílias. 10 táxons constituem citações pioneiras para o estado do Paraná. Para cada táxons determinado, fez-se constar: referência à obra original, basônimo (quando existente), sinonímia (quando necessário), principais obras utilizadas na identificação, descrição morfológica, variação métrica constatada, relação das amostras onde ocorreu, distribuição geográfica no estado do Paraná e ilustração. Foram incluídos comentários sobre a ocorrência de polimorfismos e problemas taxonômicos e nomenclaturais de espécies mal delimitadas. Além de chave dicotômica artificial para identificação dos gêneros constatados, foram providenciadas chaves para espécies e variedades, nos gêneros que apresentam mais de um táxon. As 243 ilustrações dos táxons, abrangendo fotomicrografias e desenhos, foram reunidas em 21 pranchas. Constam ainda do trabalho, um mapa da área estudada, fotografias das estações de coleta, tabela de distribuição qualitativa mensal dos táxons e um glossário com os principais termos científicos utilizados.

 


 

TÍTULO: "Composição Florística e Estrutura Fitossociológica do Parque Estadual João Paulo II, Curitiba, Paraná."

AUTOR: Denise Sbalchiero Roseira

DATA: 14 de dezembro de 1990

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Armando Carlos Cervi - UFPR (orientador)
Franklin Galvão - UFPR
Olavo Araujo Guimarães - UFPR

 

RESUMO - Este trabalho objetiva a caracterização da composição florística e estrutura fitosociológica do Bosque com Araucaria angustifolici (Bert.) O Ktze, no Parque EStadual João Paulo II, Curitiba, Paraná (25º24'29" S e 49º16'10" Grw). O clima da região é do tipo Cfb de acordo com a classificação Climática de Koeppen. O solo tem textura argilosa e caráter distrófico e álico. Foi adotado o méttodo de parcelas, tendo sido instaladas 30 subunidades amostras (10 m x 25 m), onde foram levantados todos os indivíduos com circunferência à altura do peito (1,30 m CAP) igual ou maior que 20 cm. Para a análise da vegetação considerou-se os parâmetros de Densidade, Frequência, Dominância, índice de Valor de Importância, índice de Valor de Importância Familiar, Classes de Circunferência, Estratificação e Regeneração Natural. Os resultados mostram que a composição florística é constituída por 29 família, 48 gêneros e 67 espécies e o grupo das árvores mortas em pé. Revelam-se como espécies mais importantes, Ligustrum lucidum Hort, Ocotea puberula Nees, árvores mortas e Araucaria angustifolia. Observa-se uma tendência da vegetação em apresentar três estratos. O primeiro estrato (dominante), é ocupado principalemente por Araucária angustifolia, Ocotea puberula, Schinus terebinthifolius Raddi, e Hovenia dulcis Thumb; o segundo por Ligustrum lucidum, árvores mortas, Allophylus edulis (St. Hil.) Radkofer e Casearia decandra N. J. Jacquin e o terceiro estrato por Xylosma ciliatifolium (Cios) Ei chi. Sebastiania brasiliensis Sprengel e Maytenus ilicifolia Mart. Ex Reiss. A regeneração natural apresenta resultados que demostram o comprometimento do processo, principalmente pela forte ação antrópica na área.

 


 

TÍTULO: "Morfo-Anatomia do Desenvolvimento de Anthurium scandens (Aublet.) Engler."

AUTOR: Silvia Regina Pollato Gomes

DATA: 21 de dezembro de 1990

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Luiz Antônio de Souza - UEM (orientador)
Berta Lange de Morretes - USP
Yoshiko Saito Kumiyoshi - USPR

 

RESUMO - O presente trabalho é o resultado da análise morfo-anatômica de Anthurium scandens (Aublet) Engler, uma espécie epifítica e heliofila. Visa contribuir para o conhecimento de mais uma espécie nativa da flora litorânea do Estado do Paraná. Foram identificados e investigados o embrião, pulafiton (plântula) e o início da fase tirofiton até a implantação da folha típica do vegetal adulto, denominada nomofilo. Em cada biofase foram descritos os tipos caulinares e foliares, com sua venação. A semente é albuminosa e encerra embrião monocotiledonar vascularizado por feixe procambial curvo, que, ao percorrer o córculo, deixa o epicótico aparentemente em posição lateral. A plântula é criptocotiledonar, e seu cotilédone tem função suctorial. A fase de pulafiton é caracterizada por ter caule monopodial e apresenta apenas protofilo. O desenvolvimento da raiz primária, com estrutura diarca, ocorre neste estágio, sendo precocemente destruída; as raízes que permanecem são caulógenas e diarcas ou poliarcas. Na fase de tirofiton ocorre alteração do caule que passa de monopodial para simpodial e observam-se dois tipos foliares, o amiciofilo e o nomofilo. Os protofilos apresentam complexos estomáticos perígenos e mesoperígenos. A diferenciação completa de mesofilo heterogêneo só ocorre no protofilo ordem.

 


 

TÍTULO: "Contribuição ao Conhecimento da Anatomia Foliar de Colubrina glandulosa Perkins var. reitzii (M. C. Johnston) M.C. Johnston. (Rhamnaceae)."

AUTOR: Mercy Yaneth Lopes Meruvia

DATA: 21 de dezembro de 1990

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Berta Lange de Morretes - USP (orientador)
Luiz Antônio de Souza - UEM
Aracely Vidal Gomes - UFPR

 

RESUMO - O presente trabalho trata de um estudo morfo-anatômico das folhas de sol e de sol e de sombra de Colubrina gladulosa var. reitzii (M.C. Johnston) M.C. Johnston. As coletas das folhas de sol foram realizadas no "campus" da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, e as de sombra, de plantas cultivadas no Laboratório da Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR. Morfologicamente, foram observadas modificações na forma, tamanho, textura espessura, pilosidade e número de glândulas da lâmina foliar. Anatomicamente verificaram-se variações na forma e tamanho das células epidérmicas; na forma; tamanho e densidade das células estomáticas; nas características dos tecidos do mesofilo; na espessura da cutícula e estratos cuticulares; na densidade do sistema vascular e idioblatos. Respostas significativas foram detectadas entre as duas situações acima citadas.

 


 

TÍTULO: Características do fitoplâncton e hidrografia na plataforma continental e região oceânica do Estado de Santa Catarina.

AUTOR: João de Barros Maceno Silva

DATA: 22 de fevereiro de 1991

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Frederico Pereira Brandini - UFPR (orientador)
Hermes Moreira Filho - UFPR
Henry Louis Spach - UFPR

 

RESUMO - A composição, distribuição e biomassa do fitoplâncton em relação às condições hidrográficas foram analisadas em 26 estações oceanográficas na plataforma continental e áreas oceânicas do Estado de Santa Catarina, durante a Operação Sueste IV em outubro de 1985 (Noc. "Almirante Saldanha" - DHN MM). Os valores de temperatura, salinidade e nutrientes inorgânicos (nitrato, nitrito, fosfato e silicato) são típicos das massas de água de plataforma e das águas oceânicas tropicais da Corrente do Brasil. Foram identificados 158 espécies do microplâncton, entre diatomáceas (73), dinoflagelados (79), cocolitoforídeos (3), silicoflagelados (3) e cianofíceas (1). Também é apresentada uma relação de espécies de tintinídeos. A concentração da clorofila e a do plâncton total na superfície variaram respectivamente de 0,08 a 2,17 mg/m3 e 20 a 119 x 104 células/litro, com máximos nas estações costeiras decrescendo em direção às áreas oceânicas; a área adjacente ao Cabo de Santa Marta apresentou os maiores valores absolutos. Organismos do nanoplâncton foram numericamente dominantes, sendo as maiores concentrações observadas em áreas oceânicas com temperatura e salinidade mais elevadas. Diatomáceas foram abundantes nas regiões costeiras e frequentes sobre a plataforma continental. Em termos absolutos, a distribuição de dinoflagelados foi irregular; entretanto, a importância relativa foi maior nos setores intermediários da plataforma e principalmente nas regiões oceânicas. A taxa de fotossíntese por unidade de volume e por unidade de clorofila A variou respectivamente de 0,02 a 0,46 mgC/m3/h e 0,05 a 1,75 mgC/mgClor. a/h. Observou-se fotoinibição em estações costeiras e, portanto, maior eficiência fotossintética em níveis sub-superfíciais. Máximos sub-superficiais de nitrito e de clorofila A foram observados na base da zona eufórica na maior parte das estações amostradas. Os mecanismos de formação destes picos são discutidos. A área de estudo pode ser basicamente dividida em três setores, do ponto de vista hidrográfico: (i) um setor próximo à costa influenciado pela drenagem continental e pelos efeitos de turbulência e resuspensão de sedimentos, onde dominaram diatomáceas; (ii) um setor sobre a plataforma externa áreas oceânicas com gradientes ambientais pouco acentuados, típicos da Agua Tropical, onde dominaram dinoflagelados e organismos do nanoplâncton e; (iii) um setor ao sul, caracterizado pela maior influência de águas de origem subantártica sobre a plataforma continental e áreas oceânicas, modificando os padrões de distribuição dos diferentes grupos do microplâncton.

 


 

TÍTULO: Padrão de Floração e Aspectos da Biologia de Reprodução de Pyrostegia venusta (Ker) Miers (Bignoniaceae) na Região Metropolitana de Curitiba, Paraná.

AUTOR: Elvira Souza de Sampaio

DATA: 08 de março de 1991

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Armando Antunes de Almeida - UFPR (orientador)
Franklin Galvão - UFPR
Yedo Alquini - UFPR

 

RESUMO - O presente trabalho foi desenvolvido ns anos de 1989 e 1990, tendo consistido no estudo da influência de fatores climáticos: luz, temperatura, umidade relativa e precipitação pluvial no padrão de floração e reprodução de Pyrostegia venusta. O experimento consistiu em seis quadrados de lxl m, dispostos em regiões com sombra, sol o dia todo, sol pela manhã e sol pela tarde, tendo sido analisada a produção de botões, o número de flores em antese, a produção de frutos e de sementes e respectivas taxas de aborto. Estudou-se, também, o sistema reprodutivo de P. venusta, e foi feita a identificação de seus polinizadores e visitantes, bem como se determinaram aspectos relevantes de sua biologia floral para a região Metropolitana de Curitiba - PR.

 


 

TÍTULO: O Gênero Polygonum L. (Polygonaceae) no Estado do Paraná, Brasil.

AUTOR: Efigênia de Melo

DATA: 03 de maio de 1991

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Armando Carlos Cervi - UFPR (orientador)
Yoshito Saito Kunioshi - UFPR
Olavo Araujo Guimaães - UFPR

 

RESUMO - É feito o levantamento das espécies do gênero Polygonum L., "sensu lato" (Polygonaceae) que ocorrem no Estado do Paraná, Brasil. Com base nos caracteres morfológicos tradicionalmente utilizados, a partir de material herborizado, exemplares a fresco, bem como observações "in vivo" são apresentadas as descrições e discussões de treze espécies. Além disso, são apresentados dados complementares e ilustrações que auxiliam a identificação dos taxa. Os resultados assinalam a ocorrência de treze espécies, das quais, Polygonum punctatum Ell.,P. hydropiperoides Michx., P. stelligerum Cham., P. acuminatum H.B.K. e P. meisnerianum Cham. & Schl., estão amplamente difundidas no Estado, enquanto Polygonum aviculare L., P convolvulus L., P diospyrifolium Cham. & Schl., P. glabrum Willd., P. ferrugineum Wedd., P. orientale L., P. persicaria L., e P. rubricaule Cham, estão restritos a um ou poucos municípios. A chave analítica apresentada é feita com base nos caracteres de hábito, posição e tipo de inflorescência, tipo e distribuição de tricomas e glândulas, tipo foliar e ócrea, fruto e perianto.

 


 

TÍTULO: Micropropagação e Estudo da Parada de Crescimento Durante a Aclimatização de Mudas de Macieiras (Malus domestica Borkh.) CV.GALA. CLONE FZ.

AUTOR: Luciana Lopes Fortes Ribas

DATA: 20 de setembro de 1991

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Flávio Zannete - UFPR (orientador)
Gerson Fortes - UFRS
Maria Elizabete Doni - UFPR

 

RESUMO - Foram produzidas mudas de Malus domestica Borkh. cv. Gala, clone FZ, por micropropagação. Este clone apresenta coloração vermelha intensa da epiderme do fruto. Brotações coletadas na primavera foram submetidas à desinfestação. O isolamento e as transferências para as demais etapas "in vitro" foram feitas em câmaras de fluxo laminar e os explantes foram mantidos em sala de incubação, com temperatura de 25±2ºC, fotoperíodo de dias longos e luminosidade de 2000 lux. Os meristemas foram cultivados em meio MS, contendo 1,0 mg/l de BAP, 0,5 mg/l de AIB e 0,1 mg/l de GAr Após 40 dias, os meristemas desenvolvidos foram repicados para meio de multiplicação MS, contendo 1,0 mg/l de BAP e 1,0 mg/l de tiamina, durante 5 subculturas. O alongamento foi avaliado em meio MS/2, de combinações de BAP, GA3 e AIB. Na etepa de enraizamento, testou-se: a influência das concentrações de sais, de sacarose, de tiamina e o tempo necessário no meio de indução de enraizamento, na presença de 0,2 mg/l de AIB. As mudas foram transplantadas em bandeijas de semeadura com terra esterilizada e plantmax (3:1), em casa de vegetação climatizada modelo Van der Hoeven. Após o transplante, as mudas cresceram durante um mês e apresentaram parada de crescimento que se prolongava até 4 meses. Para identificara possível causa desta parada, lotes de 30 mudas foram submetidados a temperatura de 2 a 4ºC ou 8 a 10ºC, durante 720 ou 1440 h e um outro lote foi mantido na casa de vegetação (testemunhas). Para verificar se as paradas de crescimento eram causadas por dormência foi utilizado o teste biológico de revelação da dormência (Pouget, 1964). As etapas in vitro apresentam resultados satisfatórios, sendo que a taxa de multiplicação da 2º a 5º subcultura foi de 7 brotações por explante (>0,5cm), após um mês. Os maiores alongamentos (250%) foram obtidos em meio MS/2, fase dupla, acrescido de 0,25 mg/l de BAP e 0,1 mg/l de AIB, sendo que o GA3 mostrou pouca influência. A permanência das brotações durante 6 dias em meio MS/4, contendo 0,2 mg/l de AIB, 20 g/l de sacarose e 1,o mg/l de tiamina proporcionou as maiores porcentagens de enraizamento (95,24%) e o maior númeo de raízes por brotação (8). O tempo de permanência no meio de enraizamento e a época do ano não influênciaram na taxa de sobrevivência das mudas, variando entre 92,19 e 100%. As paradas de crescimento das mudas micropropagadas, mantidas em casa de vegetação, devem ser causadas por dormência, pois após um período de 1440 h, sob temperatura de 2 a 4ºC, as plantas recuperaram o crescimento.

 


 

TÍTULO: Ultraestrutura de Aulacoseira granulata (Ehr.) Sim. e A. ambigua (Grun.) SIM. (Bacillariophyta).

AUTOR: Rosemeri Segecin Moro

DATA: 20 de dezembro de 1991

NÍVEL: Mestrado

LOCAL: Universidade Federal do Paraná

BANCA EXAMINADORA:

Ita Moema Valente Moreira - UFPR (orientador)
Denise de Campos Bicudo - IBSP
Thelma Alvin Veiga Ludwig - UFPR

 

RESUMO - Realizou-se um estudo comparativo morfológico entre as células vegatativas de cinco táxons pertencentes ao grupo Aulacoseira (=Melosira) granulata: A. granulata (Ehr.) Sim. var. granulata, A. granulata (Ehr.) Sim. var. angustisima (O. Muller) Sim., A. granulata (Ehr.) Sim. var. australiensis (Grun.) Moro. A. ambigua (Grun.) Sim. var. ambigua e A. ambigua (Grun.) Sim. var. ambigua f. spiralis (Skuja) Ludwig, amostradas em 24 meses na Represa Alagados, Ponta Grossa (Pr). Efetuou-se uma revisão da terminologia empregada para a descrição do grupo visando a sua uniformização em língua portuguesa. As análises foram realizadas sob microscopia fotônica e eletrônica de varredura para todos os cinco táxons, e microscopia eletrônica de transmissão para A. granulata var. australiensis em particularr. Este trabalho pretende ser uma contribuição ao conhecimento das espécies e, em especial, à classificação de A. granulata var. australiensis e A. ambigua var. ambigua f. spiralis, que tiveram novas combinações nomeclaturais propostas recentemente e são analisadas pela primeira vez sob microscopia eletrônica de varredura.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License